07/10/2015 às 22h47min - Atualizada em 07/10/2015 às 22h47min

Impeachment. Contas de Dilma 2014 são rejeitadas e oposição avança

FP

A sessão do TCU (Tribunal de Contas da União) que rejeitou as contas da presidente Dilma Rousseff de 2014 foi acompanhada por integrantes da tropa de choque da oposição, que comemorou com aplausos o resultado e prometeu avançar com o pedido de impeachment da petista no Congresso.

Deputados do PSDB, DEM, Solidariedade, além do senador Lasier Martins (PDT-RS), lotaram a primeira fila do plenário do tribunal. Entre os presentes estavam os líderes do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), do DEM, Mendonça Filho (PE), do PPS, Rubens Bueno (PR), além do presidente do Solidariedade Paulo Pereira (SP).

Com o cenário desfavorável ao Palácio do Planalto, os governistas não apareceram. Coube ao ministro Luís Inácio Adams (Advogado-Geral da União) dividir a fileira das poltronas com os oposicionistas. Alguns tentaram tirar fotos ao lado do AGU. O clima foi de descontração, com alguns risos entre o ministros e os congressistas.

Quando o tribunal analisou o pedido do governo para afastar o relator das contas, Augusto Nardes, acusado de parcialidade na condução do caso, Adams ficou a maior parte do tempo em pé. Ele foi impedido de se manifestar sobre a tentativa de trocar o ministro.

Após fazer sua defesa de que o governo não havia cometido irregularidades, Adams terminou sua fala dizendo que não se deveria "artificiosamente" usar a reprovação como motivo para o impedimento da presidente. Os deputados ensaiaram uma vaia, mas o presidente do TCU, Aroldo Cedraz, pediu para que ninguém se manifestasse.

Com o fim do resultado, os líderes da oposição mostraram discurso afinado de que vão utilizar o julgamento para avançar com o pedido para tirar Dilma da presidência.

A oposição vai aguardar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), definir o pedido de afastamento de Dilma feito pelo jurista Miguel Reale Jr. e pelo ex-fundador do PT Hélio Bicudo. A expectativa é de que a decisão sai na próxima semana.

pedido assinado por Bicudo e Reale sustenta que Dilma cometeu crime de responsabilidade fiscal. Entre outros pontos, cita o escândalo de corrupção na Petrobras e as chamadas "pedaladas fiscais", manobras do governo para adiar pagamentos e usar bancos públicos para cobrir as dívidas. Reale também destaca os decretos de crédito suplementar editados sem autorização da Câmara.

Caso haja a rejeição, o pedido terá que ser apreciado em plenário, onde a oposição teria mais condições de conseguir traição de governistas para abrir o processo.

"Essa decisão do TCU só reforça a necessidade de levarmos adiante o processo de impeachment por crime de responsabilidade por parte da presidente", disse Carlos Sampaio.

"Foi a pá de cal do governo Dilma", reforçou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR)." Foi um julgamento histórico para lavar a alma do povo brasileiro", completou.

O líder do DEM, Mendonça Filho (PE), afirmou que o fato de os fatos terem sido cometidos na mandato anterior de Dilma não impedem a abertura do processo.

"As pedaladas fiscais tiveram grande volume durante 2014 e adentraram em 2015. Houve uma contaminação de uma coisa na outra, não há como não reconhecer isso", disse.

Do lado de fora do tribunal, integrantes de movimentos pró-impeachment fizeram vigília e soltaram fogos ao final da sessão. Alguns representantes conseguiram convite e também estiveram no TCU.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »