09/09/2015 às 15h41min - Atualizada em 09/09/2015 às 15h41min

Paulo Markun ‘entrevista’ Plácido de Castro nesta quinta-feira, dia 10 de setembro

Gravado ao meio-dia no Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura, programa traz talk-show com personalidades brasileiras

Atelier de Imagem e Comunicação

Em 10 de setembro, às 12h, o jornalista Paulo Markun irá “entrevistar” o militar José Plácido de Castro (nascido em 1873, em São Gabriel, RS, e morto em 1908, no Acre). Plácido será a 10ª personagem da segunda temporada da série Retrovisor, talk-show que irá ao ar pelo Canal Brasil a partir do mês de novembro. No programa, Markun conversa com grandes personalidades mortas da história do Brasil, interpretadas por atores que respondem a perguntas do entrevistador e da plateia presente ao Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

O ator Rafael de Bona fará o papel de Plácido de Castro, devidamente caracterizado e preparado por material reunido pelos historiadores que pesquisam o percurso de vida das personalidades escolhidas para compor a série. Em todos os episódios, a personagem esclarece fatos relativos a determinada época de sua vida. No caso de Plácido, o foco estará no momento em que o Acre foi anexado ao Brasil pelo Tratado de Petrópolis, e o militar foi nomeado governador do Estado, recusando o posto de coronel da Guarda Nacional.

Coragem e determinação

Gaúcho de São Gabriel, José Plácido de Castro foi para a Escola Militar do Rio Grande do Sul ainda garoto. Aos 21 anos, durante a Revolução Federalista, lutou ao lado dos maragatos, alcançando o posto de major. Ao fim da revolução foi beneficiado pela anistia, mas assim mesmo largou o Exército.

Atraído pela chance de fazer fortuna com a extração da borracha, em 1899 Plácido foi para o Acre, aonde contraiu malária várias vezes e enfrentou dificuldades. A área passava por problemas diplomáticos, mas o gaúcho não tomou posição até 1902, quando a Bolívia interveio com uma missão de ocupação da região. O sonho dos seringueiros estava ameaçado; começaria um movimento que culminou com a tomada de Xapuri.

 

Plácido só aceitou comandar a revolução com o estabelecimento de pena de morte para os desertores. Aos 27 anos, liderou uma revolução com mais de 30 mil homens, vencendo as tropas bolivianas (com quase 100 mil soldados), e proclamando o Estado Independente do Acre. Tornou-se presidente do novo estado e ficou no cargo até 1904.

Após a paz estabelecida, Plácido foi recebido no Rio de Janeiro pelos feitos na Guerra. Voltou ao Acre para manter seus negócios, sendo nomeado prefeito do Alto-Acre. Sua ideia era combater a corrupção. Ocorre que, além de amigos, tinha inimigos como o Coronel Besouro, que desejava ser o prefeito. Retrovisor o encontra no momento pós-nomeação como prefeito do Alto-Acre, em 1906.

Segunda temporada

Nesta temporada, Retrovisor tem uma cenografia especialmente desenvolvida que mescla projeções e uma espécie de “janela para o passado”, com o uso de sombra. A direção de imagem é de Marcelo Amiky.

A série terá 13 personalidades, tanto aquelas envolvidas em episódios históricos marcantes quanto pessoas que se destacaram do ponto de vista dos costumes, e ainda em áreas como educação, cultura e ciência.

Paulo Markun tenciona transformar todo o material produzido para Retrovisor em um livro e DVDs. “Os entrevistados são personagens de extrema relevância na História do Brasil, porém pouco conhecidos pela população”, ressalta.

Ainda estarão sob perguntas do jornalista personalidades como Joaquim Nabuco (1849/1910), José Bonifácio (1763/1838) e Francisco José do Nascimento (1839/1914).

 

Serviço:

Entrevistador: Paulo Markun

Personagem: Plácido de Castro, por Rafael de Bona

Data: 10 de setembro de 2015

Horário: 12h às 13h

Local: Teatro Eva Herz - Conjunto Nacional

Endereço: Av. Paulista, 2.073, Bela Vista - São Paulo/SP

Entrada franca: Ingressos devem ser retirados com 1 hora de antecedência

 

 

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »