24/08/2015 às 15h56min - Atualizada em 24/08/2015 às 15h57min

Atitudes comuns que resultam em falências e como evitá-las

O quadro econômico é um grande entrave, mas, ao invés de culpar o cenário, é mais produtivo buscar eficiência e evitar erros.

Compliance Comunicação

Fernando Francisco (*)

Ter um negócio próprio é um grande desafio. Cerca de 35% das empresas fecham suas portas nos dois primeiros anos de atividade. O quadro econômico é um grande entrave, mas, ao invés de culpar o cenário, é mais produtivo buscar eficiência e evitar erros. Entre as empresas que morrem ainda jovens, há alguns pontos comuns que ou ajudaram ou foram determinantes para que o negócio chegasse ao fim.

Uma das causas do fechamento de novas empresas é a falta de atuação no meio digital, por meio da utilização da Internet e de novas tecnologias. Aquelas que permanecem unicamente no modo tradicional de comércio tendem a ser muito mais suscetíveis ao fechamento do que as demais que estão antenadas com o mercado e conectadas a seus clientes por meio de formas dinâmicas de ofertar seus produtos e serviços, realizar pesquisa de consumo e análise de perfis de consumidores.

Um restaurante que acaba de abrir terá maiores chances de fracassar se o proprietário crer que atrairá novos clientes apenas com sua ótima comida e pela publicidade boca a boca. Grande parte dos restaurantes está na Internet, onde divulgam menu e realizam reservas, ou utilizam aplicativos especializados que permitem ao público não só encontrá-los mas votar nos serviços prestados. Podem ainda ser encontrados através de anúncios no Google. Se compararmos os dois modelos de ação, fica muito claro que a chance de sucesso é muito maior para aquele negócio que se utiliza do arsenal tecnológico disponível.

Outro ponto é que, no mercado atual, mesmo o tradicional, existe uma necessidade permanente de realizar mudanças, de entender o que o concorrente está fazendo, de oferecer o melhor produto e o melhor atendimento aos clientes, inovar e estar pronto para colocar em prática um processo de melhoria contínua.

A empresa precisa de um modelo que proporcione constante atualização e adaptação ao cenário em que ela está inserida, o que demanda atenção contínua ao que é feito pelas empresas do seu segmento. É assim que se identificará formas de aperfeiçoar o atendimento, as tecnologias e maneiras de ganhar mercado. Por melhor que seja um negócio, é preciso atenção e cuidado para não permitir que o comodismo resulte em oportunidades para a concorrência.

Uma outra falha comum entre os que fecham suas portas é a prática de ignorar os clientes. Eles são o motor e o sustentáculo de um negócio. Aperfeiçoar o atendimento e estar atento às observações e críticas e dar atenção às ideias de seus clientes fortalece esse relacionamento. É necessário anotar ideias, observações e conselhos deixados pelos que consomem bens e serviços de uma corporação, a fim de obter uma melhora contínua da empresa.

Fundamental também é coibir práticas prejudiciais e empobrecedoras. Algo que sempre deve ser observar é a equipe. Funcionários que, inicialmente, pareciam qualificados, ansiosos para trabalhar e que tiveram um grande desempenho no início passam a ter menos aplicação, cuidado, o que prejudica a produção e leva a queixas de clientes.

Esse comportamento não reflete somente a atitude desses profissionais: ele se estende à imagem da empresa. Se não solucionado, esse problema resultará, inicialmente, em pequenas rachaduras e, por fim, levarão à ruína. A ação deve ser rápida, seja por meio de reuniões onde se verificará o que acontece, treinamentos, explanações sobre o que é esperado desses profissionais, e até, na pior das hipóteses, a demissão daqueles que não se enquadram nas regras. Um negócio com má reputação perde rapidamente clientes.

Outro ponto fundamental é analisar o sucesso. O que levou a um grande salto nas vendas em determinado mês em que a equipe estava motivada e mais produtiva? Quais ideias e iniciativas deram certo ali? Qual foi o ponto-chave para que isso acontecesse? Foram anúncios no Google, campanhas no Facebook, promoções na loja virtual? Saber exatamente o que promoveu o crescimento é a chave para crescer num ritmo contínuo.

Ferramentas de análise de marketing podem ajudar no entendimento do cenário em torno do seu negócio e fornecer novas ideias do que fazer para continuar no caminho certo. Trabalhado em cima disso não há razão para o negócio não alcançar sucesso.

(*) Fernando Francisco é produtor e apresentador do programa Mais Sucesso, veiculado pela TV Novo Tempo. É consultor e palestrante há mais de 20 anos nas áreas de comunicação, empreendedorismo e TI.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »