27/08/2012 às 10h02min - Atualizada em 27/08/2012 às 10h02min

Núcleo Estep apreseta o espetáculo “ESPONTÂNEA”

Uma peça inteira criada na hora. Sábados a meia noite no Espaço Parlapatões

Conteúdo Teatral Teatro Folha / Teatro Amil

Estreia no primeiro sábado de setembro, no Espaço Parlapatões, o espetáculo Espontânea. Baseada no teatro de improviso a peça é estruturada em três atos, cujo desenvolvimento é inspirado em poemas. 

A participação da plateia no espetáculo ocorre por meio da escolha de dois poemas, que irão inspirar os dois primeiros atos. Para tanto a plateia tem acesso a uma estante com livros de poemas de variados autores. Além disso, o publico também contribui com a criação conjunta de um terceiro poema, que irá servir de tema para o terceiro ato, e com frases, que serão sorteadas para a composição da cena final da peça. A participação do público é o que faz com que cada espetáculo seja uma experiência única.

Em todas as apresentações a encenação começa com o final e ao longo de cada performance, tanto os atores quanto os espectadores vão descobrindo o que levou a história àquele final.

A dramaturgia do projeto tem como base o estudo da estética teatral brasileira, criada por Carlos Alberto Soffredini, fundador do Núcleo EsTeP (Estética de Teatro Popular), a partir das manifestações populares, fazendo com o que tanto o conteúdo quanto a forma que a história é encenada sejam criados aos olhos da platéia. A música e a luz ajudam a compor as improvisações dos atores.

A pesquisa, idealizada e dirigida por Ian Soffredini, centrou seu estudo na dramaturgia, procurando elementos que, uma vez compreendidos pelos atores, pudessem ajudá-los a criar personagens e tramas cada vez mais interessantes, capazes de orientar a plateia por vivencias completamente novas a cada representação, tudo isto com a orientação de dramaturgia do renomado e premiado autor Fábio Torres. O projeto conta também com a orientação de Eduardo Coutinho, ator, pesquisador e professor do Departamento de Artes Cênicas (CAC) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, na área dramaturgia corporal.

Além destes dois orientadores, o grupo conta ainda com a orientação especial de Renata Soffredini na área de estudo da estética teatral Brasileira; e de Isser Korik, experiente diretor e produtor de teatro, no acabamento do espetáculo.

SOBRE A PESQUISA

A pesquisa, idealizada e dirigida por Ian Soffredini, centrou seu estudo na dramaturgia, procurando elementos que, uma vez compreendidos pelos atores, pudessem ajudá-los a criar personagens e tramas cada vez mais interessantes, capazes de orientar a plateia por uma nova vivencia a cada representação, tudo isto com a orientação de dramaturgia do renomado e premiado autor Fábio Torres. O projeto conta também com a orientação de Eduardo Coutinho, ator, pesquisador e professor do Departamento de Artes Cênicas (CAC) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, na área dramaturgia corporal.

Além destes dois orientadores, o grupo conta ainda com a orientação especial de Renata Soffredini na área de estudo da estética teatral Brasileira; e de Isser Korik, experiente diretor e produtor de teatro, no acabamento do espetáculo.

SOBRE O NÚCLEO EsTeP

A criação do Núcleo EsTeP remonta mais de trinta anos. Fundada por um dos maiores dramaturgos brasileiros Carlos Alberto Soffredini, que liderou e dirigiu dois importantes grupos teatrais, o Teatro Mambembe e Núcleo EsTeP.

No ano de 1975, Carlos Alberto Soffredini foi convidado pela família Militello para trabalhar no Teatro de Cordel de São Paulo, onde descobriu a arte popular brasileira. Logo em seguida, criou o Teatro Mambembe, que era feito sobre um palco armado em praça pública e percorria praças da capital e de cidades do interior.

Em 1985, C. A. Soffredini foi convidado a dar aulas na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Fundou o Núcleo EsTeP visando o desenvolvimento da linguagem e a formação de um repertório. Foram produzidos quatro espetáculos, muito bem aceitos pelo público e pela crítica: “Minha Nossa”; “Na Carrêra do Divino”; “Mais quero o asno que me carregue do que cavalo que me derrube”, e por fim, o mimodrama (um espetáculo sem falas) “Trem de vida”.

Em 2007, o Núcleo voltou à cena com o espetáculo “Minha Nossa” que faz parte do projeto: ”Revitalização do Núcleo EsTeP” contemplado com o Programa Municipal de Fomento para a Cidade de São Paulo, no mesmo ano é selecionado pelo edital do ProAc para montar “Mais Quero Asno que me Carregue que Cavalo que me Derrube”.

FICHA TÉCNICA

Diretor da Pesquisa: Ian Soffredini

Orientadores

Dramaturgia: Fabio Brandi Torres

Dramaturgia corporal: Eduardo Coutinho

Estética de Interpretação: Renata Soffredini

Acabamento de Espetáculo: Isser Korik

Elenco

Ian Soffredini

Leandro Allves

Michelle Gallindo

Silvia Lhullier

Trilha Espontânea: Felipe Siles e João Paulo Soran

Iluminação Espontânea: Daniel de Rogatis

Cenário e Figurino: Ana Paula Oliveira

 

Serviço

Espaço dos Parlapatões

Quando: 01 de setembro até 20 de outubro

Horário: Sábados, meia-noite

Rua Praça Roosevelt, 158 – Consolação

Bilheteria: (11) 3258-4449

Valores: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada)


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »