24/07/2015 às 15h32min - Atualizada em 24/07/2015 às 15h32min

Extensões, benjamins e similares: saiba usar

Acessórios são úteis, mas precisam ser usados com critério para não causarem sobrecarga na instalação elétrica

Carmen Rosa

Benjamim, “T”, extensão, régua, multiplicador de tomadas... os nomes são variados. Facilmente encontrados à venda em supermercados, lojas de material elétrico ou construção, são práticos, úteis e resolvem o problema quando precisamos de um ponto de energia elétrica e não temos uma tomada disponível por perto. Certo? Depende.

 

Não é raro escutarmos que estes itens não são recomendados e que colocam em risco aparelhos eletrônicos e a instalação elétrica. E aí é que surge a dúvida: usar ou não usar? “Basta ter cuidados e seguir critérios. Seu uso não pode ser generalizado para todo e qualquer tipo de situação, sob o risco de sobrecarga elétrica”, comenta Gilmar Nascimento, gerente de vendas da Santil, uma das principais distribuidoras de material elétrico do país.

 

Os dispositivos são recomendados para a conexão simultânea de aparelhos, desde que a soma das potências deles não ultrapasse a capacidade de fornecimento de corrente da tomada em que serão conectados. Se usados de forma inapropriada, podem causar sobrecarga na rede elétrica, curto-circuito na tomada, deformações por superaquecimento, funcionamento anormal dos equipamentos ou até mesmo incêndio.

 

A razão disso é que o aumento de potência faz com que haja um acréscimo da corrente elétrica naquele ponto do circuito. Se a tomada e os fios ou cabos estiverem mal dimensionados para esta carga, ocorrerá um aquecimento, que pode iniciar até um incêndio.

 

Como calcular

A soma das correntes consumidas pelos aparelhos ligados ao multiplicador de tomadas não deve ser superior à capacidade máxima da tomada. Para uma tomada residencial comum, no Brasil, este limite pode ser de 10 ou de 20 amperes (A), de acordo com o modelo utilizado, padronizado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

 

Uma forma prática de fazer este cálculo é conferir qual é a corrente da tomada e do multiplicador e associar 1 ampere para cada 100W de potência do aparelho, em redes de 110 V (volts),e 1 ampere para cada 200 W (watts) em redes de 220 V.

 

Então, no benjamim colocado em uma tomada com capacidade de 10 A (a mais comum), não podemos ligar, por exemplo, um ferro de passar de 700 W e um forno de micro-ondas também de 700 W. A corrente, na somatória, chegaria a 14 A, o que é acima da capacidade da tomada.

 

Nunca se deve ultrapassar a capacidade da tomada elétrica ou do multiplicador. Por segurança, a soma não deve ser superior ao limite de corrente estipulado para este ou para a tomada, o que for menor.

 

Quando usar

Os acessórios são ideais para ligar aparelhos que consomem pouca energia elétrica. Um exemplo comum é conectar um abajur, um ventilador portátil e um telefone no mesmo multiplicador.Como possuem baixo consumo de energia, mesmo que conectados simultaneamente, não ultrapassarão a capacidade de corrente da tomada.

 

Então, é sempre recomendável que haja um equilíbrio da potência: ao ligar um eletrodoméstico em um benjamim, deve se “aliviar” outros plugues que estejam conectados no mesmo circuito. Outra regra básica é: nunca utilizar equipamentos de alta potência em benjamins ou similares. Note que alguns aparelhos que consomem corrente bastante elevada não podem ser ligados nem

mesmo na tomada, como é o caso do chuveiro elétrico, que é conectado diretamente na rede elétrica da casa.

 

Na falta de pontos de energia elétrica para equipamentos que ultrapassem o limite de capacidade das tomadas e multiplicadores, a solução é instalar mais tomadas ou fazer um rodízio de aparelhos,  quando forem utilizados.

 

Outro ponto importante, destaca o gerente de vendas da Santil, refere-se à qualidade dos acessórios: “Existem inúmeros modelos disponíveis no mercado, mas é preciso ficar atento à procedência dos itens, adquirir produtos certificados e de empresas reconhecidas”.

 

 

Perfil Santil

Fundada em 1978, a Santil Comercial Elétrica é uma das principais distribuidoras de material elétrico do país. Com soluções para uso industrial, comercial e residencial, atua fortemente no segmento da construção civil por meio de vendas corporativas, mas também atende revendas, indústrias e consumidores finais.

Possui cerca de 30 mil itens cadastrados e um giro mensal de aproximadamente 20 mil itens, sendo carros-chefes as linhas de cabos, lâmpadas, luminárias, tubos e conexões, conduletes e reatores. O amplo portfólio de produtos no setor elétrico, aliado à entrega rápida e atendimento altamente qualificado formam os principais diferenciais da Santil, reconhecidos tanto por profissionais da área elétrica, como consumidores.

Com aproximadamente 500colaboradores, atualmente a empresa possui quatro pontos de venda, sendo três na cidade de São Paulo (bairros do Piqueri, Centro e Água Branca – neste último não há loja aberta ao público) e uma em Osasco; além de um amplo Centro de Distribuição, no bairro Água Branca, com aproximadamente 9.000 m2 de área.

Com crescimento histórico superior ao desempenho do PIB brasileiro, a Santil vem aumentando seu faturamento em torno de 20% nos últimos cinco anos. Investimentos contínuos permitem um crescimento sólido e preparam a empresa para um incremento da participação no mercado de material elétrico.

 

 

Santil Comercial Elétrica Eireli

Loja Piqueri: (11) 3998.3000

Loja Osasco: (11) 3695.9000

Loja Santa Ifigênia: (11) 3338.0000

Televendas Santil Água Branca: (11) 3616.5000

sac@santil.com.br

www.santil.com.br

www.facebook.com/santilcomercial

 

Informações e imagens em alta resolução:

Via Pública Comunicação - www.viapublicacomunicacao.com.br

Sheila Diez: (11) 3473.0255 - 98540.7777 - sheila@viapublicacomunicacao.com.br

Taís Augusto: (11) 4423.3150 - 99642.7274 - tais@viapublicacomunicacao.com.br


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »