23/07/2015 às 18h52min - Atualizada em 23/07/2015 às 18h52min

Escola Carlitos - Formando cidadãos competentes, autônomos, responsáveis e justos

Incentivar o convivio e a democratização do conhecimento são os principais alicercesde seu projeto educacional

Priscila Gomes de Freitas
Divulgação

Há de, em qualquer tempo, a educação escolar se preocupar com a melhoria do convívio humano, e com a democratização da cultura construída pela humanidade criando as condições necessárias para que as novas gerações possam valorizá-la e recriá-la.Tal premissa sustenta em linhas gerais, há trinta e cinco anos, a prática educacional da Escola Carlitos, destinada a indivíduos de um a quinze anos.

 

Ao longo de sua escolaridade, os alunos da Escola Carlitos aprendem o conhecimento acumulado historicamente, vivenciando ativamente, com reflexão e engajamento, processo educativo que os considera atuantes na reconstrução desse saber e lhes confere as possibilidades para transformá-lo com autonomia e criatividade mediante questões de seu tempo e senso crítico. Então, forma a Escola pessoas não só preparadas para o mercado de trabalho, mas principalmente para conhecer e pensar sobre sua realidade e transformá-la mediante ideais humanitários e justos.

 

Nessa perspectiva, crianças e adolescentes constroem sua identidade a partir da elaboração de representações do mundo, que lhes possibilitam aquisição de aprendizagens relacionadas a conteúdos linguísticos, científicos, artísticos e sociais. Adquirem excelentes e sólidos repertórios socioculturais a medida em que ampliam, organizam e estruturam saberes de diversos âmbitos em ambiente escolar interativo, caracterizado por atitudes desejáveis em relação ao conhecimento e ao bem comum. Dentre tais conhecimentos conquistados, confere-se destaque aos relacionados a linguagem verbal e artística.

 

A Escola cultiva de maneira intensa e extensa as habilidades de falar, escutar, ler e escrever em língua portuguesa, propiciando a todos os alunos o uso de sua própria língua, de maneira rica e autônoma em diversos contextos expressivos e comunicativos. Além dessa formação em linguagem materna, considerada prioritária, propicia o conhecimento da diversidade linguística e cultural ministrando em todos os níveis de ensino uma educação plurilinguística representada pelo aprendizado da língua espanhola, francesa e inglesa, contextualizadas em suas respectivas culturas. Comunica-se, então, o aluno da Escola Carlitos nessas várias línguas estrangeiras, podendo vivenciar situações reais de interação que exigem não só conhecimentos linguísticos, mas também socioculturais relativos a condições geográficas, hábitos, criações artísticas...

 

No que concerne a formação artística, a Escola possibilita aos alunos a vivência constante de processos pessoais e coletivos de apreciação e criação de Arte – literária e visual – que lhe permitem a aquisição de amplo repertório expressivo mediante o uso da sensibilidade aliada a inteligência. Ao criar livros de ficção, pinturas, esculturas, filmes e outras expressões no campo das artes, os alunos experimentam o fazer da arte, isto é, tornam-se agentes criativos e transformadores da cultura de seu tempo. É nesse sentido que a Escola Carlitos desenvolve o projeto Aprendiz de Cinema, veiculado ao projeto do Departamento Pedagógico da Cinemateca Francesa “Le cinema, cent ans de juventude”, do qual participam escolas de diversos países com o objetivo de desenvolver pesquisa sobre a educação para o cinema. É o caráter específico do trabalho pedagógico em cinematografia que permite à Escola Carlitos participar de tal trabalho internacional de construção e divulgação da metodologia de análise e prática fílmica da infância e adolescência.

 

No contexto, cada ano os alunos produzem pequenos filmes – ensaios e os apresentam em festival na Cinemateca Francesa em junho e na Cinemateca Brasileira em agosto. Ocasiões em que os estudantes compartilham seus trabalhos, subtendo-os a apreciação e análise crítica.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »