03/08/2022 às 20h42min - Atualizada em 03/08/2022 às 20h42min

Varíola do Macaco, profissionais da saúde recebem capacitação

A Prefeitura de São Paulo realizou um curso online de capacitação e atualização sobre a monkeypox (varíola dos macacos*) voltado a 5,5 mil profissionais das secretarias municipais da Saúde e da Educação, com o objetivo de multiplicação do conhecimento.  

O objetivo é atualizar a situação da doença na cidade e orientar os profissionais para medidas de cuidado, prevenção, transmissão, notificação e isolamento, seguindo as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde (MS).

“Nosso serviço de vigilância está comunicando toda a população e capacitando profissionais de saúde para o enfrentamento da doença. Nossa atenção também está voltada para as crianças. Apesar da baixa letalidade no público adulto, ainda não sabemos como a monkeypox se desenvolve no público infantil”, explicou o secretário municipal da Saúde, Luiz Carlos Zamarco.

“A escola é um ambiente favorável para orientações que ultrapassam o currículo escolar. É muito importante que os profissionais da Educação orientem os demais colegas da nossa secretaria sobre a doença, e principalmente os familiares dos estudantes. Também é fundamental que tenhamos cautela quanto ao contato físico, não compartilhar materiais e itens de uso pessoal. São algumas das orientações dadas pela SMS, a qual seguimos com vigor”, destacou o secretário municipal da Educação, Fernando Padula.

Ações
Desde os primeiros alertas da OMS para a doença, a SMS instituiu protocolos para o atendimento dos casos suspeitos em serviços de saúde públicos e privados. Toda a rede, incluindo Unidades Básicas de Saúde (UBSs), prontos-socorros e pronto atendimentos, foi capacitada e conta com insumos para coleta de amostras das lesões cutâneas (secreção ou partes da ferida seca) para análise laboratorial.

São considerados suspeitos de infecção pela doença os indivíduos de qualquer idade que a partir do dia 15 de março deste ano tenham apresentado início súbito de erupção cutânea aguda, única ou múltipla, em qualquer parte do corpo, incluindo a região genital. Pode ou não estar associada com febre, dor nas costas e dor de cabeça, entre outros sintomas. Também deve ser levado em conta o histórico de viagem a um país endêmico ou países com casos de monkeypox nos 21 dias anteriores ao início dos sinais e sintomas, além do contato com pessoas que tenham viajado a esses locais.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »