22/08/2012 às 11h13min - Atualizada em 22/08/2012 às 11h13min

Mostra Lugar Nômade Dança chega à 5ª edição com mescla entre novos artistas e nomes consagrados

Uma mostra recheada de companhias com nomes consagrados da dança contemporânea, somado ao sopro de novas pesquisas e provocações estéticas.

Canal Aberto

É com esse espírito que a 5ª Mostra Lugar Nômade Dança acontece entre dias 24 de agosto 02 de setembro de 2012, na sede da Cia. Corpos Nômades, no Espaço Cênico O Lugar (Rua Augusta, 325, em São Paulo), com direção artística do coreógrafo João Andreazzi e curadoria da jornalista e crítica de dança Ana Francisca Ponzio. O projeto conta com o XII Programa Municipal de Fomento à Dança da Cidade de São Paulo e Funarte Edital - Prêmio Procultura de Estímulo ao Circo, Dança e Teatro 2010.

“Há intenção, com a Mostra Lugar Nômade Dança, de concentrar em uma mesma noite de programação, diversificadas maneiras de procedimentos criativos em dança contemporânea” explica João Andreazzi, diretor da Companhia Corpos Nômades,  sediada no O Lugar, local de referência em dança e teatro contemporâneos. O Lugar recebeu o prêmio APCA 2010 (Associação Paulista de Críticos de Arte) por “Modelo de Espaço de Difusão de Dança”.

Serão duas semanas de programação com três espetáculos por noite, sempre de sexta a domingo. “Nesta edição de 2012, as presenças de Célia Gouvêa e Sônia Mota, artistas que já inscreveram seus nomes na evolução da dança brasileira, reforçam a expansão da mostra que, em sua programação principal, reúne trabalhos que refletem perspectivas da produção atual. Entre eles estão Eliana Carneiro, de Brasília, que marcou a cena paulistana nas décadas de 1980 e 1990 com suas propostas experimentais e que agora a Mostra Lugar Nômade Dança traz de volta a São Paulo, para uma reapreciação de seu trabalho”, explica Ana Francisca Ponzio. Os 64 projetos inscritos vieram de diversos lugares, como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Natal, Salvador, Minas Gerais e Espanha. Alguns artistas participantes da Sessão Meia-Noite Olho Neles, apesar de brasileiros, fixaram seus trabalhos em países como a França e a Alemanha.

Paralelamente à grade principal de espetáculos haverá a “Sessão Meia-Noite Olho Neles”, espaço que representa uma oportunidade para novos artistas/grupos e coreógrafos. Aos sábados, às 16h, terá vez e voz as discussões e reflexões entre o público e profissionais da dança no “Tea-Time: O LUGAR EM REFLEXÃO”, além de um workshop (de antemão disputado) com a artista Sonia Mota, e  no domingo dia 25/08 o Test-Tube Happening, onde a Cia. Corpos Nômades, com a participação musical do Projeto Axial e Vanderlei Lucentini, realizarão um experimento baseado na improvisação, inspirado no novo espetáculo - Projeto Sinfonia Muller e Mahler

A intenção da Mostra Lugar Nômade Dança é que experimentadores e investigadores da dança contemporânea mostrem seus trabalhos e dividam com outros artistas e o público em geral suas pesquisas e questões artísticas: “A escolha dos grupos se deu pela junção de qualidade e combinação de propostas que, juntas na Mostra, podem compor uma perspectiva interessante”, diz Ana Ponzio, curadora.

 

 

1ª Semana – dias 24, 25 e 26 de agosto

Sexta às 21h, sábado e domingo às 20h30

 

“Dois do Seis de Setenta”

Solo de Claudia Muller (RJ)

Duração:  25 minutos

Recomendação: Livre

Dois do Seis de Setenta observa a ambiguidade existente nos conceitos de belo, estranho, normal ou inusitado que se revela na contraposição entre a beleza formal do corpo e os traços da sua própria desintegração diária: marcas, cicatrizes, o corpo pelo “avesso” com seus órgãos expostos. O corpo se mostra como lugar habitado, registro da experiência, material de construção de um ideal estético e, ao mesmo tempo, prova da finitude da existência.

Ficha Técnica - Criação e Interpretação: Cláudia Müller/ Assistência: Alex Cassal Trilha Sonora Original: Marcio Meirelles Locução: Rodrigo Maia Luz: José Geraldo Furtado Apoio: Centro Cultural José Bonifácio e Cavídeo

 

“Imagens do Sagrado–Blima”

Solo de Eliana Carneiro (Brasília)

Duração: 40 minutos

Recomendação: 14 anos

Blima, na Kabala, significa “extraordinário”, “sem existência” e “sem substância”, assim como a possibilidade de trazer o infinito para o finito, o ilimitado ao limitado e de tornar o impalpável, palpável e manifesto. Em “Imagens do Sagrado – Blima”, Eliana Carneiro se inspira em textos do Livro da Criação que fundamentam a Kabala, datados do primeiro milênio. A dança se torna um ritual de conexões com as multidimensionais fontes de energia mencionadas nas tradições kabalísticas, nas pinturas sacras da renascença cristã, na relação com as seis direções do mundo e com os elementos da natureza. O interesse de Eliana Carneiro pelas manifestações corporais, do sublime e do sagrado começa nos anos 80 com seus primeiros solos de dança.

Ficha TécnicaConcepção e interpretação: Eliana Carneiro Músicas: Behnam Manahedjl, Graham Fitkin e Arvo Part Criação de luz: Tomate Saraiva Fotos de divulgação: Ana Gilioli Fotos do Espetáculo: Sandro Miano Produção: Manaká Figurino: Cristina Cordeiro

 

“Espasmos Urbanos”

Cia. Artesãos do Corpo (São Paulo)

Duração 45 minutos

Recomendação: 12 anos

“Espasmos Urbanos” focaliza um grupo de personagens anônimos, que expõem ao público características da população urbana, configurando uma coreografia que evoca a dinâmica da vida em uma metrópole, protagonizando cenas que revelam o absurdo de uma vida centrada no movimento da cidade.

Ficha técnica: Direção: Mirtes Calheiros Intérpretes: Ederson Lopes, Leandro Antonio, Margarita Hernandez, Mirtes Calheiros e Odete Machado. Sonoplastia: Marcelo Catelan Luz: Bruno Garcia Figurino: Maria Gomes e Núcleo Artístico Artesãos do Corpo Produção: Ederson Lopes Foto: Fabio Pazzini

 

Programação – Sessão MEIA-NOITE OLHO NELES

Sábado, 25 de agosto, a partir da 23h59

 

“Rastros”

Clara Cia. de Dança (SP)

Duração: 20 minutos

Recomendação: 16 anos

O espetáculo “Rastros” fala o ir e o vir, o se deslocar continuamente, em busca de algo, em busca de um desejo, que torna a vida líquida. Discute a necessidade das pessoas correrem atrás de coisas, em busca da solidez.

Ficha técnica: Criadores-Intérpretes: Danielle Greco, Juliana Santos e Lilian Souza Orientação: Rosa Hércules Produção: Letícia Scalise Fotografia: Carolina Gomes e Daniela Beskow Iluminação: Renato Lopes Figurino: Danielle Greco e Juliana Santos

 

“Além_ Tejo”

Alexandre Magno (SP)

Duração 30 minutos

Recomendação: Livre

Além_Tejo - Solo de dança contemporânea que evoca a atmosfera mítica do Fado e a transforma em alegoria através da articulação de imagens corporais e de fluxos de sensações. A estrutura coreográfica do espetáculo ecoa a dimensão do perpétuo e da vertigem, qualidades intrínsecas ao movimento de um Fado, que no corpo aparecem como helicoidalidade, distorção, abalo, flutuação e suspense, produzindo uma linguagem própria.

Ficha Técnica: Direção, Concepção Geral, Coreografia e Intérprete: Alexandre Magno  Intérprete Musical e Trilha Sonora: Rosa Macedo Iluminação: Ari Buccioni Operação de Luz Carla Kubrusly Vídeo e Fotografia: Alexandre Magno Figurino: João Pimenta Produção: José Renato F. Almeida.

 

“Augury”

Andrea Krohn (Alemanha, Berlim)

Duração 25 minutos

Recomendação: Livre

Pássaro medo, pássaro agouro / Depena-se voando nos cantos escuros.

Olha, algo aconteceu. / Cuidado. Cuidado com suas costas./Pássaro agouro.

Recolhe suas penas, cria uma gaiola./A espreita do próximo ataque.

Ficha Técnica:  Coreografia e intérprete: Andrea Krohn Suporte técnico: 77 Stolen Fish Operação de luz: Rodrigo Caffer Trilha Sonora:  Composição de som ambiente com trechos de músicas de Tindersticks.

 

"Tancarville"

Mariana Pimentel (RJ) e Magali Benvenuti (França)

Duração: 30 minutos

Recomendação: Livre

Tancarville trabalha com as noções de presença e ausência a partir de um jogo de afecções partilhado com um objeto. Ao viverem longe uma da outra, as criadoras usufruem desta distância na criação. A interação com o objeto – um tecido – cria um terreno instável, que obriga o movimento a lidar com um espaço que se redefine constantemente. O corpo pretende tornar-se objeto, pura imagem plástica e abstrata.

Ficha Técnica: Criação e interpretação: Magali Benvenuti e Mariana Pimentel Suporte Dramatúrgico: Rita Mendes e Marie Chaix-BryanTrilha Sonora: Pedro Leal David Figurinos e Objeto Cênico:Cécile Schabat Desenho de Luz:Carlos Ramos  Foto:Nuno Marcelino Designer Gráfico: Edgar Raposo e Dudu Gomes Vídeo: Flávia Diab Produção: Cie Tancarville, França APOIO: Comissão Européia (suporte financeiro), O Espaço do Tempo, Lisboa/Portugal Atelier,  Concorde, Lisboa/Portugal,  Escola Superior de Dança, Lisboa/Portugal. Studio Lucien/Compagnie Denis Plassard, Lyon/França, Centre Chorégraphique National/Jean-Claude Galotta, Grenoble/França, CDC Le Pacifique, Grenoble, França, Cité Danse/Cie Pascoli, Grenoble/França e Studio ABC Danse, Grenoble, França. 

  

Tea-Time - Hora do Chá – Lugar em Reflexão

Participação: Ana Francisca Ponzio, Fabiano Carneiro (Coordenador de Dança da FUNARTE-RJ, no dia 25/08), João Andreazzi, os artistas da programação de cada semana e o público interessado.  Momento destinado à discussão e reflexão sobre os modos e maneiras de criar e difundir a dança.  Aos sábados (25/08 e 01 /09) às 16h. Evento gratuito.

 

Test Tube  Happening

Improvisação inspirada no novo Projeto Sinfonia Muller x Mahler da Cia. Corpos Nômades com o grupo musical Projeto AXIAL

Domingo 26 de agosto, às 16h.

 

2ª Semana – dias 31, 01 e 02 de setembro

Sexta às 21h, sábado e domingo às 20h30

 

“C.E.C.I.L.I.A” 

Célia Gouvêa (SP)

Duração 20 minutos

Recomendação: Livre

O espetáculo C-E-C-I-L-I-A estreou em Bruxelas-Bélgica no ano do centenário de nascimento da poetisa Cecília Meireles.Criada e dançada por Célia Gouvêa, foi apresentada em muitas cidades da Europa e do Brasil.Tem figurino da estilista francesa Florence Ollagnier Durif e música de Carlos Bernardo.Há dois momentos distintos:o lirismo puro, expressão de Mário de Andrade, que tem a elevação espiralada como tema e o lirismo de guerra, que supõe o elo com o tempo real.Do texto restam apenas os substantivos, que sugerem ao invés de narrar, formando o que Célia chama de palavra física.O material papel, inerente ao ofício do escritor, é trajetória, percurso, interação e conflito. Gerador da cenografia, encontra-se perfeitamente integrado à ação.

Ficha Técnica: Concepção, Coreografia, interpretação: Célia Gouvêa Assistente de Coreografia: Ricardo Fornara Iluminação: Maurice Vaneau Música: Carlos Bernardo Figruino: Florence Ollagnier-Durif Fotografo: João Caldas

     

“VI-VIDAS”

Sonia Mota (MG)

Duração 20 minutos

Recomendação: 16 anos

O espetáculo VI-VIDAS estreou em 2005 na Alemanha. Trata-se da primeira parte da trilogia VIQuaaTris que fala do papel da mulher na sociedade contemporânea. Este solo foi apresentado também em 2006 numa tourné por diversas cidades brasileiras. VI-VIDAS foi nomeado em 2005 pelo Prêmio de Dança e Teatro da cidade de Colônia como um dos cinco melhores espetáculos do ano,  em 2006 ganhou o terceiro lugar na seleção da Folha de São Paulo e foi contemplado em 2008, com o Premio Bravo! Prime Cultura como melhor coreografia. Sônia Mota apresenta nesta noite somente dois extratos da versão original.

Ficha Técnica: Concepção e Criação: Sônia Mota Dramaturgia:  Koni Hanft Trilha Sonora: Tarab, Kodo e Brian Eno Efeitos Sonoros: Koni Hanft Desenho de Luz Original: Wolfgang Putz Figurinos:  Sônia Mota

 

“Cálamo”

InSaio Cia. De Arte – Claudia Palma (SP)

Duração 45 minutos

Recomendação: 14 anos

A pele e suas grafias são elementos primordiais na pesquisa que norteou a criação de Cálamo. Pele como limite e extensão do corpo, como espaço de sensações, vertigens, aprofundamentos. A grafia que está impressa em cada pele/corpo: memórias, desejos, histórias. Que desenho faz o corpo ao longo de uma trajetória, quais suas marcas?

Direção geral, Concepção e Coreografia: Claudia Palma Intérpretes criadores: Cristina Ávila, Felipe Teixeira e Renato Vasconcello Trilha sonora: Renato Jimenez  Iluminação: Sueli Matsuzaki  Figurinos: Bia Rivato e Carolina Semiatzh Filósofo: Rodrigo Vilalba Operação de som: Lucila Yashiki  Acompanhamento do processo: Natália Franciscone Fotografias:  Luiz Ferreira e Jonas Golfeto Audiovisual:  Alex Soares (espetáculo), Aleph Cinema e Vídeo (espetáculo), Onze: Quatorze (divulgação) Design gráfico: Felipe Teixeira  Produção: Cristina Ávila

 

Programação – Sessão MEIA-NOITE OLHO NELES

Sábado, 01 de setembro, a partir da 23h59

 

“Experimento.Aberto”

Anjo Corporation e Daniela Donasci (SP)

Duração 25 minutos

Recomendação: 14 anos

O Homem é uma ilha? Um corpo cercado por estranhos de todos os lados ou um corpo real cercado de corpos virtuais por todo o lado? Dividido em fragmentos poéticos-corporais-sonoros o experimento é um trabalho em processo sobre o homem ilhado nos não lugares (ônibus, metrô, trens e etc). O experimento. aberto criará um diálogo entre dança, teatro e música.

Ficha Técnica - Co-idealização e intérpretes-criadores: Anjo Corporation e Daniela Donasci Mídia e Criação Sonora: Anjo Corporation. Estudos Corporais: Daniela Donasci Fotografias: Anjo Corporation, Carlito e Daniela Donasci Iluminação: Tom Rezende

 

“Nós”

Cora Laszo (Campinas, SP)

Duração 20 minutos

Recomendação: 10 anos

O solo de dança “Nós” aborda as diversas formas de relacionamentos que permeiam a vida humana, os quais se entrelaçam, se amarram e se embaraçam gerando variados “nós”: um comigo mesmo, um com o outro ou ainda, simplesmente, um emaranhado de imagens, sensações e emoções. Durante o percurso coreográfico criam-se atmosferas e densidades cênicas transitórias, num jogo lúdico entre bailarina e objeto cênico.

Ficha Técnica: Criação e interpretação: Cora Laszlo Orientação: Jussara Miller Figurino: Bukke Reis

 

“Vão”

Suzana Bayona e Vanusia Assis (SP)

Duração 30 minutos

Recomendação: Livre

“VÃO” nasce do encontro das artistas da dança - Suzana Bayona e Vanusia Assis - que no ano de 2010 aproximaram suas pesquisas individuais, firmando desde então uma parceria de pesquisa e criação. Desde então a dupla mantém encontros regulares. O trabalho que se iniciou de maneira colaborativa, através do diálogo horizontal entre as duas artistas passou a contar, a partir de 2011, com a presença de uma diretora convidada – a artista Maria Mommensohn.

Concepção e interpretação: Suzana Bayona e Vanusia Assis Direção: Maria Mommensohn Colaboradora em Voz: Sandra Ximenez Iluminação: Juliana Pedreira Trilha Sonora: Sandra Ximenez - Com utilização de elementos de Felipe Julian e Grupo Anima Figurinos/Cenografia: Maria Mommensohn, Suzana Bayona, Vanusia Assis Imagens: Gil Grossi  Vídeo: Tamara Ka Apoio: Associação Cultural Cachuera, Curso de Dança Anhembi Morumbi e Estúdio Laban. 

“Um Solo de Ana”

Aline Brasil, Natalia Fernandes e Tata Gouvêa (Campinas,SP) 

Duração: 30 minutos

Recomendação: livre

"Um solo de Ana" um projeto contemplado no "Programa Bolsa Aluno-Artista" da Unicamp, tendo como proponentes Aline Brasil e Natalia Fernandes. Trata-se de um processo criativo cuja primeira referência foi o filme "Persona" de Ingmar Bergman. Deste filme, as proponentes fizeram um recorte em torno da relação existente entre as personagens principais: duas mulheres, uma atriz e uma enfermeira, que ora se confundiam como se fossem uma só e ora se distinguiam, no desenrolar da estória. Tendo a improvisação cênica como ferramenta de trabalho "Um solo de Ana" coloca em cena três bailarinas, Aline Brasil, Natalia Fernandes e Tata Gouvêa, que estabelecem diversas relações entre si, com o movimento e com o espaço trazendo a idea de três mulheres distintas que se identificam ou se diferenciam, ao longo dos diversos acontecimentos que aparecem em cena.

Ficha Técnica: Intérpretes-criadoras: Aline Brasil, Natalia Fernandes e Tata Gouvêa.

 

Tea-Time - Hora do Chá – Lugar em Reflexão

Participação: Ana Francisca Ponzio, Fabiano Carneiro (Coordenador de Dança da FUNARTE-RJ, no dia 25/08), João Andreazzi, os artistas da programação de cada semana e o público interessado.  Momento destinado à discussão e reflexão sobre os modos e maneiras de criar e difundir a dança.  Aos sábados (25/08 e 01 /09) às 16h. Evento gratuito.

 

  

WORKSHOP – “Arte da Presença” com Sonia Mota 

sábado das 14h às 16h no sábado 01/09/2012 - gratuito

 

Público alvo: Bailarinos, atores, público com noção de dança contemporânea. Número de vagas: 30

Inscrições por e-mail ([email protected]), enviando uma carta de interesse.

Arte da Presença - Sem ser uma técnica da improvisação, Arte da Presença  improvisa com as regras do dançar. Sem ser meditação ou terapia, busca a maneira individual de dançar.

Enfatiza a prática dos seguintes tópicos:  o relaxamento muscular em favor da utilização das articulações ósseas;   a consciência da força da gravidade;     a consciência dos fluídos líquidos e energéticos que habitam nossos corpos;     a eliminação do eixo central em favor dos eixos laterais;    o diálogo entre as polaridades do corpo;    as qualidades de projeção e absorção do movimento;  a aplicação de imagens na transmissão e execução dos movimentos;  a eliminação do compromisso de acerto e  o treino do estado de não ação e do estado presente.

 

Local: ESPAÇO CÊNICO O LUGAR

Rua Augusta, 325 – Consolação – São Paulo - Reservas e informações: 011-3237 3224

[email protected]  www.ciacorposnomades.art.br

Ingressos: R$ 10,00 inteira e R$ 5,00 meia (estudantes, classe artística e terceira idade).

Convênio com estacionamento na Rua Augusta, 108, São Paulo, SP

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »