01/07/2022 às 09h12min - Atualizada em 01/07/2022 às 18h36min

GIST é um câncer que pode estar relacionado à herança genética, explica oncologista

O médico Ramon de Mello explica que 60% dos casos são assintomáticos

SALA DA NOTÍCIA Emilly Santos
Divulgação
A mutação de alguns genes, especialmente o c-KIT, que é um receptor de proteína, está entre as causas para um diagnóstico do GIST, um tumor cancerígeno estomacal gastrointestinal. “Porém, a maioria dos casos não tem uma causa definida”, explica Ramon Andrade de Mello, professor da disciplina de oncologia clínica do doutorado em medicina da Universidade Nove de Julho (Uninove), do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e PhD em oncologia pela Universidade do Porto, Portugal.
 
O receptor de proteína causador desse câncer pode ser encontrado na superfície das células provocando sua multiplicação de forma anômala e descontrolada, até formar o tumor. “Cerca de 60% dos registros são assintomáticos, mas alguns pacientes podem apresentar manifestações cutâneas, como manchas na pele ou coceira nos casos de hereditariedade, bem como hipoglicemia por produção pelo tumor de fator de crescimento, semelhante à insulina”, explica o médico oncologista.
 
O paciente pode apresentar ainda sintomas como vômito, dor abdominal, dificuldade em engolir ou de digestão, além de anemia. Mais comum após os 60 anos de idade, esse tumor oncológico pode ser diagnosticado no estômago (60% dos registros) e no intestino (30%), bem como ao longo de todo o trato gastrointestinal. “Geralmente, o GIST é descoberto quando solicitamos exames de rotinas ou para cirurgias por outros motivos. A estratégia de tratamento depende do diagnóstico e varia de um paciente para outro”, explica Ramon de Mello.
 
Sobre Ramon Andrade de Mello
Pós-doutorado em Pesquisa Clínica no Royal Marsden NHS Foundation Trust (Inglaterra), Ramon Andrade de Mello tem doutorado (PhD) em Oncologia Molecular pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (Portugal).
 
O médico tem título de especialista em Oncologia Clínica, Ministério da Saúde de Portugal e Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO). Além disso, Ramon tem título de Fellow of the American College of Physician (EUA) e é Coordenador Nacional de Oncologia Clínica da Sociedade Brasileira de Cancerologia, membro da Royal Society of Medicine, London, UK, do Comitê Educacional de Tumores Gastrointestinal (ESMO GI Faculty) da Sociedade Europeia de Oncologia Médica (European Society for Medical Oncology – ESMO), Membro do Conselho Consultivo (Advisory Board Member) da Escola Europeia de Oncologia (European School of Oncology – ESO) e ex-membro do Comitê Educacional de Tumores do Gastrointestinal Alto (mandato 2016-2019) da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (American Society of Clinical Oncology – ASCO). 
 
Dr. Ramon de Mello é oncologista do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, e do Centro de Diagnóstico da Unimed, em Bauru, SP.
 
Confira mais informações sobre o tema no site
 
Informações para a imprensa:
Ex-Libris Comunicação Integrada - (11) 3266-6088
Edmir Nogueira – [email protected] – (11) 98937-3503  
Emilly Andrade – [email protected]
Marco Berringer – [email protected] 

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »