29/06/2022 às 17h03min - Atualizada em 29/06/2022 às 18h40min

Lunetas lança hub sobre política e as infâncias

Projeto realiza “fact checking” de informações sobre tudo relacionado à infância compartilhado por candidatos à Presidência da República

SALA DA NOTÍCIA Luna Marina Oliva da Conceição
https://lunetas.com.br/
Divulgação/Lunetas

O Lunetas, espaço 100% dedicado à reflexão sobre a infância,  acaba de lançar o projeto “Infâncias em foco: Quem vota pelas crianças?”, um hub de informação sobre política e as infâncias. Entre as mais de 20 reportagens inéditas, serão divulgados conteúdos que abordam desde como os adultos podem falar sobre política com as crianças até a visão dos pequenos sobre o tema.

A partir da provocação de que as crianças ainda não votam, o objetivo é convocar os adultos para que representem seus interesses e preocupações nas urnas e propor trazer as crianças para o centro do debate, destacando a urgência de se pensar na realidade da infância brasileira, sobretudo após a pandemia do coronavírus. Além dos impactos à saúde física e mental, há aspectos como um aumento de quase 200% do número de crianças, entre cinco e nove anos, fora da escola, dificuldade de acesso a redes de apoio e proteção, escalada de casos de orfandade, aprofundamento das desigualdades, crescimento da miséria e insegurança alimentar.

Por meio do Twitter, o Lunetas também irá realizar o “fact checking”, dedicado aos assuntos que atingem a infância e adolescência no Brasil. Serão verificadas informações relacionadas a esses públicos, compartilhadas por candidatos à presidência em seus planos de governo. A inovação está na atividade de investigação e checagem de informação, voltada especialmente para assuntos relacionados a crianças e adolescentes, um trabalho ainda inédito no Brasil.

De acordo com Raquel de Paula, gestora do Lunetas, o projeto é uma forma de contribuir com a informação de qualidade e o melhor interesse do debate público. “Quanto mais conscientes estivermos de nossa responsabilidade na escolha dos candidatos, mais direitos garantiremos às crianças e aos adolescentes brasileiros, pois um mundo melhor para eles, é um mundo melhor para todos nós”, finaliza. 

O projeto conta com o apoio do Greenpeace, Instituto Clima e Sociedade (iCS), Geledés Instituto da Mulher Negra, Instituto Rodrigo Mendes, Rede Nacional da Primeira Infância, Childhood, Centro de Referência em Educação Integral, United Way, Escola de Gente, Fundação José Luiz Egydio Setúbal e do Instituto Alana. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »