27/05/2022 às 11h02min - Atualizada em 27/05/2022 às 19h03min

MFA seleciona projetos de Nordeste, Sudeste e Sul para financiar ações ligadas ao veganismo nas periferias

Cinco iniciativas de BA, PE, SP, SC e RS receberão R$ 20 mil cada de fundo de apoio para promover libertação animal e alimentação sustentável

SALA DA NOTÍCIA Valle da Mídia
Cinco projetos de regiões periféricas do Nordeste, Sudeste e Sul do país receberão R$ 20 mil cada para promover ações em prol da libertação animal e do veganismo periférico. As iniciativas foram selecionadas na 1ª edição do Fundo de Apoio a Periferias Antiespecistas (FunAPA), lançado em abril pela Mercy For Animals (MFA) no Brasil, uma das maiores ONGs do mundo dedicada ao fim da exploração animal.

A definição dos projetos contemplados (conheça cada um abaixo) foi feita por um júri formado pelas criadoras de conteúdo Carla Candace, Ellen Monielle e Luciene Santos (Sapa Vegana).

Além do dinheiro, que será liberado até 30 de maio, após formalização da doação, cada iniciativa receberá acompanhamento da MFA por três meses.

"Ficamos contentes de, entre 98 inscrições, selecionar cinco iniciativas presentes e atuantes em diferentes territórios periféricos do país. Na avaliação, a prioridade do júri foi prezar por iniciativas com foco em antiespecismo e veganismo periférico, a relevância do projeto ao contexto de atuação, o propósito e potencial de impacto das atividades desenvolvidas e a presença de lideranças LGBT+, racializadas e/ou com deficiências", destaca Lucas Lourenço, membro do Comitê de Diversidade, Equidade, Inclusão e Justiça da MFA.

Conheça os projetos selecionados

Dona Gula (Bahia)
Liderada por Maria Aparecida de Araújo Gomes, a iniciativa foca na produção e venda de salgados veganos em Ilhéus (BA), com foco na busca de produtos orgânicos diretamente com pequenos agricultores ou em feiras livres. Com o investimento, além de expandir o negócio, ela deseja aumentar a equipe, gerar renda para outras famílias e ensinar o que aprendeu.

"Tive muita dificuldade no início com as compras de insumos, pois a minha intenção era oferecer produtos acessíveis e fortalecer a agricultura familiar. Hoje, a Dona Gula Alimentos Veganos segue sua jornada com o desejo de crescer e poder levar cada dia para mais pessoas a oportunidade de conhecer o veganismo", afirma Maria.

Passarinhando com o Tiê-Sangue (São Paulo)
Liderado pelo indígena Israel Raimundo dos Santos (Sassá Tupinambá) em Ilha Comprida (SP), o projeto visa ensinar jovens e estudantes do ensino fundamental e médio a prática de observação de pássaros. A ideia é não apenas compartilhar conhecimento, mas também proteger a biodiversidade e, por sua vez, promover a preservação de terras, o que contribui para impedir o avanço da pecuária, além de fortalecer as lideranças indígenas locais.


"O FunAPA vai nos possibilitar atingir um número maior de jovens e monitorar as aves com mais eficácia a partir da aquisição de equipamentos. Também queremos produzir boletins informativos para distribuir nas palestras que realizamos nas escolas, gerando informação para toda a comunidade, monitorando os ecossistemas e auxiliando em propostas de intervenção para barrar a degradação ambiental e o tráfico de animais silvestres", ressalta.

Córrego da Fortuna Antiespecista (Pernambuco)
O projeto visa unir iniciativas veganas que surgiram na comunidade do Córrego da Fortuna, no bairro de Dois Irmãos, extremo norte de Recife (PE). A iniciativa foi inscrita por Akuenda Translésbicha Buarque de Souza, que se identifica como travesti e tem experiência de 10 anos com a causa antiespecista, além de ser fundadora da Dhuzati Antiespecista.


A proposta é que, a partir da atuação da Dhuzati, dos departamentos de Veterinária e Ciências Sociais da UFRPE e de escolas municipais do bairro, sejam realizados dois grandes eventos com oficinas, palestras, ações de colagem de lambes contra violência animal, mostra de vídeos e feira com expositores antiespecistas, bem como duas ações de formação antiespecista.

Crioula Curadoria Alimentar (Rio Grande do Sul)
Proposto por Bruna Pedroso Thomaz de Oliveira, de Porto Alegre (RS), tem como eixo o direito a uma alimentação adequada, respeitando a vida e direitos dos animais, com foco em mulheres pretas agentes na desconstrução do especismo.


"Queremos evidenciar o veganismo popular pelas vozes de mulheres negras. Apresentar a cultura alimentar africana e diaspórica à base de plantas e permitir que mais irmãos e irmãs percebam a viabilidade de ter uma alimentação saudável que faça bem a eles, elas e o planeta", afirma Bruna.

Bazar Vegano Floripa na Chico (Santa Catarina)
O projeto é desenvolvido na comunidade Chico Mendes, em Florianópolis (SC), e foi submetido pela Associação Revolução dos Baldinhos. O objetivo é realizar uma nova edição do evento ainda em 2022, liderado por pessoas pretas e periféricas.


A proposta é que o evento misture música, rodas de bate-papo, oficinas, arte, cultura e informação, tendo como um dos focos principais ampliar vozes dentre vários temas que perpassam alimentação, racismo e especismo.

Sobre o FunAPA
O Fundo de Apoio a Periferias Antiespecistas (FunAPA) é uma iniciativa do Comitê de Diversidade, Equidade, Inclusão e Justiça da MFA, que atua desde 2020 organizando iniciativas, estratégias e processos regionais, com o objetivo de remover barreiras de acesso à organização e ao movimento de proteção animal e promover maior equidade.

No edital, considerou-se projetos antiespecistas aqueles que problematizam a redução de animais não humanos a objetos, propriedades ou meras partes do ecossistema e produzem alternativas que evidenciem as espécies como conjuntos de indivíduos sencientes únicos, cheios de singularidades, subjetividades e interesses. A definição é baseada na obra "Por uma formação inventiva antiespecista", de Ana Luiza Gonçalves Dias Mello e Rosimeri de Oliveira Dias.

Para serem inscritos, os projetos deveriam se enquadrar em um dos três eixos: Ação Direta - atuam diretamente em regiões periféricas e têm impacto visível; Formação e Informação - trabalham com perspectivas de produção e disseminação de conhecimento relacionadas ao antiespecismo em intersecção com questões raça, gênero e classe; e Empreendedorismo - iniciativas individuais ou coletivas que visem gerar renda sem utilizar exploração animal.

Sobre a Mercy For Animals
A MFA é uma das maiores organizações sem fins lucrativos do mundo dedicada ao fim da exploração animal em fazendas industriais e na indústria da pesca. Fundada há 21 anos nos EUA e presente no Brasil desde 2016, a Mercy For Animals atua em outros países da América Latina, no Canadá, na Índia e está expandindo operações no leste e sudeste asiático, para construir um sistema alimentar mais justo e sustentável.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »