23/05/2022 às 18h20min - Atualizada em 23/05/2022 às 21h01min

Universus: game brasileiro mira em democratização dos NFTs

Com parceiros de peso, série brasileira da Take4Games visa trazer educação e democratização ao mercado, reforçando o modelo de GameFi para negociação de ativos digitais, como NFTs

SALA DA NOTÍCIA Take4Games

A Web3 está, rapidamente, reescrevendo todos os tipos de interações online, por todas as suas inovações, entre elas: finanças e organizações autônomas descentralizadas, ausência de intermediários, NFTs e o novo conceito de "GameFi" (Games + DeFi).

Nesse contexto, a Take4Games, startup de Games e tecnologia que desenvolve negócios em blockchain e possui expertise reconhecida no mercado digital, entretenimento, games e e-sports, anuncia a criação de "Universus", uma série de jogos Play-to-earn mobile que utiliza um robusto sistema econômico, através de NFTs e Tokens. A série visa alcançar todos os conceitos de GameFi, principalmente, com foco na descentralização financeira e equilíbrio entre diversão e recompensas nos jogos.

"A sequência de jogos Universus, que pode ser considerada um metaverso real, foi idealizada para trazer educação, democratização e diversão para todos os jogadores. Além disso, foi uma preocupação desde o início trazer um modelo seguro e confiável, adequado ao mercado brasileiro que, historicamente, sofre por estar atrasado frente aos países desenvolvidos", avalia Gab Araujo, um dos fundadores da startup criadora do game.

Léo Murakami, também fundador e responsável executivo pela startup, completa:  "Universus é o ambiente ideal para que jogadores casuais e competitivos possam prosperar. Nossas gameplays foram projetadas para facilitar o acesso de todo tipo de público ao mercado Play-to-earn e NFTs, com uma economia sustentável e uma narrativa poderosa de exploração espacial. Isso tudo sem perder o foco na diversão, ponto fundamental para qualquer tipo de jogo. Por fim, a experiência tem adequação mobile e extensão para computadores para ser o mais democrática possível".

Até chegar ao momento atual, foram meses de preparação e desenvolvimento de negócios. Isso porque a startup já possui um time robusto de desenvolvimento com 26 profissionais dedicados (e crescendo) e a série Universus fechou com parceiros de negócios fortes e líderes nos seus segmentos, como: "Você Sabia?", canal brasileiro multipremiado no Youtube com 42 Milhões de inscritos; Transfero Crypto, empresa criadora da BRZ, stablecoin brasileira, e que promove uma experiência simples, ágil e segura, facilitando o acesso do público iniciante ao mercado cripto; além de Take4Content, Bichara&Motta Advogados, One Percent e IQ Protocol.

A proposta do Universus é unir a melhor experiência possível, com a autonomia dos jogadores sobre seus itens e ativos digitais. Para isso, o modelo do primeiro jogo da série é estratégico e idle, onde o esforço e a curva de aprendizado são suaves, com foco na sustentabilidade da economia ao longo do tempo. A evolução do ecossistema foi desenvolvida como uma transição gradual para um estilo ativo em tempo real, ainda mais divertido e competitivo. Em paralelo, são respeitados todos os itens e ativos adquiridos ou produzidos pelos jogadores em estágios iniciais - os famosos NFTs - que podem ser utilizados em todos os diferentes modos.

Jogo acessível com autonomia para negociar NFTs
Os NFTs, itens digitais necessários para participar da experiência Universus, foram projetados de forma equilibrada e sustentável, com uma barreira de entrada baixa, produzida para existir facilidade de entrada no ecossistema a qualquer momento - mesmo com a possível valorização dos ativos.

Isso acontece porque os Androids da série, NFTs essenciais para a exploração espacial, serão acessíveis. O valor inicial de um Android básico será equivalente a cerca de US$5,00. Além dos Androids, os gamers mais competitivos e ambiciosos devem estar focados em adquirir ou mintar (criar) suas naves espaciais - NFTs raros e muito limitados - que permitem aos jogadores descobrirem novos planetas, ter acesso a novos recursos ou carregar uma maior tripulação em suas aventuras, aumentando os desafios e suas extrações.

Ainda pensando na acessibilidade do público brasileiro e de outros países emergentes, os jogadores que possuírem mais de uma nave poderão alugá-las para outros jogadores, por meio de contratos seguros on-chain para ambas as partes. Os jogadores e empresas com ainda maior interesse e capital também poderão criar suas próprias Scholarships (modelo de "escolinhas"), que ensinam os iniciantes, emprestam os ativos mais raros e dividem os rendimentos durante esse período. Além das naves e androids, os usuários podem construir e mintar NFTs de equipamentos, que aumentam os atributos dos androides, melhorando a taxa de extração de recursos, o poder de combate e a capacidade de escapar de armadilhas. Estrategicamente, estes NFTs não serão vendidos pelo Universus, apenas construídos no jogo, aumentando a demanda e utilidade dos recursos.

O primeiro jogo está planejado para o terceiro trimestre de 2022 e, para mais informações, é importante acompanhar as redes sociais do Universus, que estão disponíveis no site. Através das redes sociais, os jogadores poderão encontrar todas as informações e updates, além de concorrer a prêmios e disputar o acesso antecipado.

Sobre a Take4Games
Fundada por Gab Araujo e Léo Murakami, a Take4Games é uma empresa de desenvolvimento de negócios de tecnologia e inovação em série, com reconhecida expertise no mercado digital, entretenimento, games e sports. Com a cultura de agregar valor imediato e sempre atuando com foco em governança e inovação, a T4G é uma empresa ágil capaz de oferecer diversas soluções em tecnologia, blockchain, NFT, marketing, arte e entretenimento, além de desenvolver negócios de ponta a ponta, escaláveis e criativos.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »