04/05/2012 às 00h48min - Atualizada em 04/05/2012 às 00h48min

MORADORES INVESTEM EM PROCESSO, TECNOLOGIA E PESSOAS PARA A SEGURANÇA NO BAIRRO.

Com experiência nas áreas de segurança e tecnologia, Renato Velloza assume a diretoria de Segurança da Associação dos Proprietários do Residencial Parque dos Príncipes (APRPP). Suas estratégias para aumentar a segurança no bairro e imediações estão baseadas no tripé: processo, tecnologia e pessoas.

Link Portal da Comunicação

Os 20 anos de experiência de Renato Velloza, nas áreas de segurança, tecnologia, militar, conhecimento tático e operacional somados à formação acadêmica em Administração de Empresas e MBA, contribuíram para um perfil capaz de analisar e montar estratégias de segurança. Essas, que incluem gestão de riscos, conflitos, eventos críticos e crises, vieram para aprimorar os aspectos da segurança dos moradores do bairro do Butantã, em São Paulo, e do Residencial Parque dos Príncipes, um local planejado, formado por 1.287 lotes de 500 m2 cada e 236.261 m2 de áreas verdes.

As vias abertas do Residencial, que permitem o acesso livre de passantes, podem ser fatores facilitadores para a ocorrência de roubos e furtos na região, até porque São Paulo já ultrapassa o Rio de Janeiro no índice de criminalidade, segundo análise feita nas secretarias de Segurança Pública dos estados. São Paulo registrou, em 2011, 755 roubos para cada 100 mil habitantes e no Rio foram 660 crimes.

Para a segurança do Residencial Parque dos Príncipes, o especialista acredita que é preciso que os moradores se cerquem de todas as maneiras, prestando atenção na saída e na entrada em casa, de veículos estranhos e em qualquer situação que seja diferente, informando os canais de vigilância, pois isso fará com que os índices de roubos e furtos caiam na região. “São encontradas oportunidades para que as violações ocorram. Ficar parado dentro do carro ou não estar atento ao sair e entrar na residência. Para sanar esse problema, temos que estar um passo à frente deles. A nossa intenção é evitar que aconteçam essas oportunidades por meio do nosso plano de segurança mapeado para 2012”, explica Velloza.

A atuação de Renato Velloza na segurança do Residencial está fundamentada em três pilares: processos, tecnologia e pessoas. “Os processos já estão sendo revistos, com o intuito de aumentarmos a eficácia em segurança. A tecnologia – câmeras e outras – nos ajudará a multiplicar o poder de vigilância. Já para fechar o tripé, é preciso ainda considerar as pessoas. Os agentes de segurança precisam de atualizações constantes e dos moradores, pois muitas vezes ocorrem problemas devido à falta de informação ou até descuido deles. Faremos também workshops, ministrados por pessoas competentes e atualizadas, reiterando boas práticas de segurança.”

As estratégias adotadas, segundo o diretor, estão baseadas também nas reuniões realizadas nos Conselhos Comunitários de Segurança (Conseg). “O Conselho que reúne moradores, profissionais da segurança pública e interessados na melhoria do bairro do Butantã. Nosso intuito é o fortalecimento e até investigações sobre os fatos, mas contamos com o policiamento para realizar isso. Além disso, no que se refere aos furtos de carros, recorrentes no Parque, trabalharemos com o reforço das rondas da nossa equipe de vigilância e o auxílio da polícia da região para detecção e bloqueio de veículos roubados, informa Velloza.”

Siga-nos pelo Twitter e pelo Facebook .


APRPP (www.parquedosprincipes.com.br)

Associação dos Proprietários do Residencial Parque dos Príncipes

Em 1983, os proprietários do loteamento Parque dos Príncipes criaram a “Sociedade Amigos do Parque dos Príncipes”, visando assegurar a qualidade de vida prevista nos contratos de compra dos lotes.

A atual denominação “Associação dos Proprietários do Residencial Parque dos Príncipes” – APRPP – surgiu em 2006, com a atualização do estatuto pelo novo Código Civil.

O Parque dos Príncipes situa-se parte em São Paulo (72% dos lotes) e parte em Osasco (28%). Os moradores de Osasco possuem sua própria associação. A APRPP representa somente os proprietários da área paulistana do loteamento, onde há 1.287 lotes, com 500 m2 em média, e áreas verdes que perfazem 236.261 m2.

As principais atribuições da APRPP são: zelar pela segurança dos moradores, exercendo vigilância privada em cooperação com a segurança pública; fazer respeitar as restrições de ocupação do solo e impedir atividades incompatíveis com a zona estritamente residencial (ZER1); cuidar das áreas verdes, evitando que haja degradações e que surjam pontos de insegurança; representar os residentes perante o poder público para fazer valer seus direitos, firmar parcerias e obter melhorias de infraestrutura e saneamento; promover a união dos moradores por meio de atividades e eventos sociais.

Maio 2012 - Jornalista responsável: Clarice Pereira (MTb 15.778)

APRPP www.parquedosprincipes.com.br


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »