12/05/2015 às 17h05min - Atualizada em 12/05/2015 às 17h05min

Franny Becker se inspira em referências como Anitta e Ludmilla para ser sucesso no pop funk nacional

jornaldesantacatarina
Rafaela Martins / Agencia RBS

Ela parou a BR-470. Literalmente. Há pouco mais de um mês, enquanto filmava seu mais novo clipe a bordo de um carro na rodovia, no Vale do Itajaí, a cantora Franny Becker virou notícia ao bloquear o trânsito no local e ser multada pela Polícia Rodoviária Federal — ela não tinha autorização nem os requisitos mínimos de segurança para trafegar na estrada. 

Mas engana-se quem pensa que o imprevisto fez algum mal à imagem da timboense de 24 anos. Para Franny, o que importa mesmo é causar:

 — Rendeu muita audiência, muita gente comentando. Eu queria mostrar as belezas catarinenses no vídeo. Santa Catarina é meu Estado, um paraíso, me orgulho muito de ser daqui — diz. 

:: Cantora de Timbó já foi chamada de Beyoncé catarinense
:: "Funk é um dos ritmos mais envolventes do mundo", diz DJ de Anitta

Vestida de cor-de-rosa da cabeça aos pés e devidamente maquiada para o papel, Franny falou sobre a nova rotina desde que virou um fenômeno na internet.

Seus vídeos no YouTube — onde ela foi descoberta — têm mais de 1 milhão de visualizações, o canal no site conta com mais de 80 mil inscritos e a página noFacebook contabiliza quase 400 mil curtidas. No Instagram, mais de 12 mil pessoas acompanham o dia a dia da catarinense. Mesmo assim, ela encara o sucesso com tranquilidade:

— No momento em que cai na rede é essa loucura, esse desespero. Os fãs não querem só estar ali com o CD e te ouvir. Eles querem te ver. Música é a área mais difícil do mercado no momento, mas meus pais sempre estiveram me apoiando nessa jornada — comenta. 

A cantora conta que o interesse pela música começou cedo. Primeiro participou de grupos de dança, se apresentando em casamentos e formaturas. Foi só mais tarde, aos 18 anos, que a garotinha dançante deu lugar à mulher cheia de planos. 

Frequentou cursos de modelo, fez alguns desfiles em São Paulo, mas a vontade de ser artista falou mais alto. Do começo no sertanejo até o casamento com o funk, Franny garante: precisou descobrir o que queria e ir à luta pelo sonho: — Comecei minha carreira musical no bailão, em Blumenau. Me apresentei em outras casas, viajei o Brasil trabalhando nessa área. Depois troquei e fui pro sertanejo universitário, mas ainda não me sentia completa. Aí sim falei pro meu pai: "Vamos pro Rio?" Porque lá eles trabalham com essa coisa do pop funk, né? Anitta, Ludmilla... E me encaixei perfeitamente. Tô muito feliz.
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »