30/04/2015 às 12h22min - Atualizada em 04/05/2015 às 09h51min

Nascimento de brasileiro indicado ao Nobel da Paz completa 150 anos

A indicação de Cândido Rondon foi feita em 1950, Albert Einstein o considerava um líder de primeira grandeza e, por isso, defendeu sua escolha

Rodrigo Freitas
Divulgação

No próximo dia 5 de maio, completará 150 anos do nascimento de Cândido Mariano da Silva, mais conhecido como Cândido Rondon. Nascido em Mimoso, Mato Grosso, o menino descendente de índio ficou órfão de pai antes de chegar ao mundo e perdeu a mãe com apenas dois anos. Além dos cuidados dos avós, o garoto ficou sob a tutoria de seu tio, Manoel Rodrigues da Silva Rondon, que sempre o estimulou a estudar.

Foi o tio que sugeriu ao menino, formado professor aos 16 anos, que seguisse carreira no Exército brasileiro. As indicações de Manoel, também, renderam uma formação diversificada em matemática, antropologia, geografia e etnologia, que ajudaram Rondon a construir uma carreira cientifica ao longo de sua vida.

Em um período em que o País tinha uma grande concentração populacional nas regiões litorâneas, Rondon foi fundamental para desbravar e apresentar as regiões Centro-Oeste e Norte aos demais brasileiros.

Entre as ações de Cândido estão à instalação de 32 estações telegráficas nos 1.497 km da linha principal e nos 736 km de ramais; o levantamento geográfico de mil quilômetros lineares de terras e de águas; determinou mais de duzentas coordenadas geográficas, inscreveu no mapa do Brasil 15 novos rios e corrigiu enganos sobre o curso de outros tantos. Ao todo, o trabalho de Rondon resultou em mais de 5 mil quilômetros de linhas telegráficas e estradas.

Ao longo deste percurso Rondon teve contato com inúmeras tribos indígenas que foram pacificadas de maneira organizada e harmoniosa, pois Cândido tinha por lema “Morrer se preciso for. Matar nunca”. O trabalho dele gerou a criação do Dia do Índio (19 de abril), a estruturação do Parque Nacional do Xingu e o desenvolvimento da FUNAI, entre outros.

Os feitos de Cândido Rondon chegaram a terras distantes de tal forma que Theodore Roosevelt, ex-presidente dos Estados Unidos veio ao País para participar, com o colega brasileiro, de uma expedição de pesquisa científica cuja missão era coletar amostras da fauna e da flora da Região Amazônica. Esta aventura completou 100 anos e foi iniciada pela vontade do próprio Roosevelt, que buscava uma vivência na floresta tropical após perder as eleições norte-americanas que lhe dariam um pretendido terceiro mandato.

Nesta expedição, Theodore escreveu “Nas selvas do Brasil” onde conta a história desta viagem e fala do temperamento de Rondon, que descreve como um “grande conciliador”.

O perfil de Cândido Rondon também cativou outras personalidades. Entre elas, o físico Albert Einstein teve contato com o trabalho do brasileiro em 1925, quando passou 51 dias na América Latina. Embora o cientista não tenha gostado muito do Brasil, fez uma carta de próprio punho ao comitê do Prêmio Nobel, na qual afirma e recomenda: “Esse homem deveria receber o Nobel da Paz por seu trabalho de absorção das tribos indígenas no mundo civilizado, sem o uso de armas ou violência. Ele é um filantropo e um líder de primeira grandeza”.

Infelizmente Rondon não ganhou o prêmio e a correspondência de Einstein só foi descoberta em 1994, pelo professor Alfredo Tiomno Tolmasquim, pesquisador brasileiro em Jerusalém.

No ano de 1955, o Congresso Nacional conferiu a ele a patente de marechal, e no ano seguinte, o então Território Federal de Guaporé, passou a ser chamado de Rondônia em homenagem ao seu desbravador. Aos 92 anos, Rondon faleceu, no Rio de Janeiro, em 19 de janeiro de 1958.

A tenacidade, a dedicação, a abnegação e o altruísmo, atributos marcantes de sua personalidade, o fizeram merecedor do título de Patrono da Arma de Comunicações do Exército Brasileiro, sendo sua data de seu nascimento comemorada como o Dia Nacional das Comunicações.

Reconhecendo os feitos de Cândido Rondon, neste ano, os Correios lançarão no dia 4 de maio, um selo comemorativo dos 150 anos do nascimento do ilustre brasileiro. Além do evento de lançamento em Brasília, na sede da Empresa de Correios e Telégrafos, haverá um evento gratuito, este em São Paulo, no dia próximo dia 05, às 17h, no Centro Histórico e Cultural Mackenzie (CHCM), com acesso pela Rua Itambé, 143  – Higienópolis – São Paulo – SP.  

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »