23/02/2022 às 11h00min - Atualizada em 23/02/2022 às 13h15min

D-Tech: a tecnologia para combater desastres naturais

Por Roberta Cipoloni Tiso, diretora de Marketing e Sustentabilidade da green4T

SALA DA NOTÍCIA Talita Marcon
Redação
Divulgação

Os eventos climáticos registrados no sul da Bahia ao final de 2021, e no estado de Minas Gerais no início deste ano confirmam as estimativas do relatório da ONU – Atlas of Mortality and Economic Losses from Weather, Climate and Water Extremes – que aponta as enchentes como a maior ocorrência (59%) dentre os desastres naturais registrados na América do Sul. Das 10 principais catástrofes verificadas na região na última década, nove foram inundações causadas por fortes chuvas.

O mesmo estudo, apresentado em setembro de 2021 pela World Meteorological Organization (WMO), das Nações Unidas, revela que desastres naturais – causados ou não pela alteração do clima – se tornaram cinco vezes mais frequentes e intensos nos últimos 50 anos.

Os cientistas, meteorologistas e ambientalistas ouvidos no estudo da WMO alertam para ondas de calor extremo, incêndios florestais e grandes inundações decorrentes de chuvas como as principais ameaças à população mundial nos próximos anos. Observa também que estes eventos não estão mais restritos a regiões tropicais do planeta. No ano passado, por exemplo, cidades inteiras no oeste da Alemanha foram arrasadas pela força das enxurradas provocadas por temporais incomuns para aquele país.

De acordo com a pesquisa, nas últimas cinco décadas, foram mais de 11 mil desastres naturais no planeta, vitimando 2 milhões de pessoas (+90% em países em desenvolvimento) e gerando perdas econômicas da ordem de  US$ 3,64 trilhões. A China (com 577 ocorrências) e os Estados Unidos (467) lideram os registros mais recentes, entre 2000 e 2019. Já a região onde mais se mais concentram estas ocorrências – sejam elas de origem climática, geológica ou hidrológica – é a Ásia-Pacífico: oito dos dez países mais afetados estão nesta localização geográfica.


Tecnologia para prevenir, remediar e recuperar

Na esteira destes eventos, surgem empresas, startups e iniciativas governamentais focadas no desenvolvimento das chamadas "disaster technologies" (D-techs): as tecnologias para prevenir desastres naturais, remediar o seu impacto e recuperar as localidades e populações afetadas.

O êxito que vem sendo obtido pelas D-techs está demonstrado no mesmo estudo do WMO de setembro passado. Nos anos 1970, cerca de 50 mil pessoas perderam a vida em razão destas ocorrências naturais. Na década passada, foram 20 mil, devido ao aprimoramento de todo um ecossistema de informações geradas multilateralmente e que colabora na qualidade e no tempo de resposta das autoridades diante de situações críticas.

Algumas destas tecnologias merecem uma observação mais atenta, como drones; mobile Vulnerability Analysis and Mapping (mVAM), tecnologia utilizada para coletar e agregar dados junto a populações em vulnerabilidade; Noble Intelligence, um algoritmo de inteligência artificial que integra imagens de satélites, dados geoespaciais e outras informações para avaliar determinadas situações em curtíssimo prazo; Sensores sísmicos de baixa frequência; Flood Forecasting, modelo de previsão de inundações a partir da combinação de AI, machine learning e satélites meteorológicos; NASA Finder: um dispositivo do tamanho de uma bagagem de mão, capaz de detectar o batimento cardíaco humano sob 6 metros de concreto sólido ou 9 metros de escombros, lama ou  detritos e, Serval Project, um sistema de comunicação mobile que permite que aparelhos celulares estabeleçam contato mesmo fora da área de cobertura ou quando a rede local está inoperante, como em casos de catástrofes naturais de grande porte.



Década de oportunidades

Embora preocupante do ponto de vista ambiental, a década de 2020 também poderá ser lembrada como aquela que estimulou a criação de recursos tecnológicos e inovações capazes de colaborar no embate ante às mudanças climáticas em diferentes abordagens, bem como mitigar o impacto negativo delas na sociedade e no planeta.
Inclui-se, por exemplo, a necessidade de contar com infraestruturas de TI absolutamente seguras, confiáveis e de alto desempenho a fim de suportar essa imensa carga de dados, informações, imagens, análises das mais diversas fontes que municiarão as autoridades governamentais e agentes públicos e privados na linha de frente do enfrentamento ao aquecimento global.

Os próprios data centers precisarão contar com recursos de proteção de nível máximo ante às mesmas ameaças naturais que ajudarão a combater. Alagamentos, desmoronamentos, interrupção de fornecimento de energia, tempestades elétricas e outras situações que precisam ser evitadas pois afetam a disponibilidade do centro de dados, colocando em risco, assim, toda a cadeia de informação que ele sustenta.

A transição energética da economia e das atividades humanas também está no bojo deste grande processo de desaceleração do aquecimento do planeta. Descarbonizar o transporte público, por exemplo, não se resume apenas a substituir motores movidos a combustível fóssil por propulsores elétricos. É preciso compreender, por meio da ciência de dados, onde, como e quando realizar a mudança, a fim de não prejudicar a qualidade do serviço prestado às pessoas e garantir o cumprimento do seu objetivo prioritário: a diminuição das emissões de gases do efeito estufa nos centros urbanos.

Também será preciso o desenvolvimento de novos processos industriais, agrícolas e sistemas logística de baixo impacto ambiental. Tudo isso sem mencionar o estímulo aos novos hábitos de consumo da população mundial, com o intuito de reduzir o desperdício de recursos naturais e o volume de resíduos. Tudo isso ajudará a tornar os efeitos dos desastres naturais menos onerosos às populações dos países e ao próprio planeta.

Há, portanto, um enorme potencial para as D-techs – como fora com as fintechs e medtechs – na criação de oportunidades até 2030, sobretudo para aquelas empresas e organizações que queiram propor tecnologias efetivas para este fim: colaborar para melhorar o bem-estar das pessoas e a resiliência das cidades antes, durante e depois de eventos climáticos críticos.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »