28/10/2021 às 10h19min - Atualizada em 29/10/2021 às 00h02min

Rapidez na identificação dos sinais é fundamental para salvar a vida de um paciente que sofre AVC

SALA DA NOTÍCIA Verbo Nostro
Nesta sexta-feira, 29 de outubro, é o Dia Mundial de Conscientização sobre o AVC (Acidente Vascular Cerebral). A data traz anualmente novos alertas sobre os principais sinais e os riscos da doença, considerada a segunda causa de morte e incapacidade no Brasil e no mundo. Como prevenção aos riscos, a necessidade de se reduzir sequelas e até mesmo salvar a vida do paciente, a Unimed Ribeirão Preto realiza uma ação de conscientização sobre os principais sintomas do AVC.

Especialistas estimam que a cada 100 mil habitantes (de diferentes regiões), de 56 a 120 pessoas aproximadamente, sofrem um acidente vascular cerebral a cada ano. Segundo a médica neurologista Soraia Ramos Cabette Fábio, coordenadora da área de Neurologia do Hospital Unimed de Ribeirão Preto, o AVC ocorre quando há um entupimento ou rompimento dos vasos que levam sangue ao cérebro, provocando paralisia da área cerebral afetada. Portanto, o AVC pode ser isquêmico (quando há o entupimento dos vasos) ou hemorrágico (quando há o rompimento do vaso e o sangramento no cérebro).

Um fator é fundamental para não causar a morte ou deixar sequelas em quem sofre um AVC: a rapidez na identificação dos sinais e no início do tratamento – se possível em até quatro horas. “Os principais sinais são alterações neurológicas como desequilíbrio brusco ou dificuldade de andar, uma súbita e explosiva dor de cabeça, tontura incapacitante repentina, perda visual total ou parcial, perda de força em partes do corpo ou dificuldades de fala ou de entendimento”, orienta a médica, destacando que, ao apresentar qualquer um destes sintomas, é importante acionar imediatamente um serviço de atendimento médico de emergência.

“A rapidez no atendimento por um hospital de referência reduz significativamente as chances de sequelas, pois é possível iniciarmos o tratamento trombolítico que promove o desentupimento do vaso ocluído por um coágulo, associado ou não a cateterismo dos vasos cerebrais, em menos de 45 minutos da entrada do paciente. Em muitos casos, entre 20 e 30 minutos, este paciente recebe o tratamento necessário para restabelecer a circulação cerebral normal e evitar sequelas mais graves”, aponta a neurologista.

Caso a suspeita de um acidente vascular cerebral não seja investigada e, havendo confirmação, não seja iniciado o tratamento nas primeiras quatro horas a partir do surgimento dos sintomas, além de dificuldades de andar ou movimentar um dos lados do corpo, o paciente poderá apresentar sequelas como perda do campo de visão, problemas na fala ou entendimento e aumento para o risco de demência.

Mais comum em pessoas idosas, o AVC ocorre também em pessoas mais jovens, muitas vezes relacionado ao estilo de vida. As pessoas mais propícias a sofrerem um AVC são aquelas que acumulam fatores de risco vasculares, como hipertensão arterial, diabetes, sedentarismo, hipercolesterolemia (aumento da concentração de colesterol no sangue), má alimentação, tabagismo, sobrepeso e estresse. "Uma ação importante a se fazer é ter o aplicativo ‘Riscômetro de AVC’ no celular. Trata-se de uma ferramenta que avalia fatores e o risco de AVC individual, além de ajudar, com informações, na redução das possíveis causas", orienta a médica.

De acordo com a neurologista, existe um risco maior para casos não tratados de hipertensão arterial, associado a diabetes e tabagismo, por exemplo. “Quem apresenta estes problemas, associados à falta de atividades físicas, corre 50% de risco de ter um acidente vascular cerebral em dez anos”, alerta a neurologista.
Como evitar
A neurologista Soraia afirma que o mais importante é cuidar destes fatores de risco, através de mudanças de hábitos e ajustes comportamentais e a prática de atividades físicas regularmente. “Com estas mudanças é possível a redução de até 90% da chance de se ter um AVC”.
Atendimento rápido
A rapidez no atendimento a pacientes com AVC é uma marca do Hospital Unimed Ribeirão Preto graças ao rigoroso protocolo baseado em diretrizes científicas nacionais e internacionais, além de treinamento constante pelo qual passam suas equipes, das recepcionistas aos socorristas, da triagem na enfermaria até as áreas de emergência e internação. O Hospital Unimed Ribeirão Preto conta com médico neurologista presente 24 horas, enfermeiros especializados nos protocolos, além de equipe de neurocirurgia e de radiologia intervencionista, para um   atendimento ágil e tratamento adequado aos casos de AVC.

Sobre a Unimed Ribeirão Preto
Referência em saúde para Ribeirão Preto e região, a Unimed oferece aos seus clientes a melhor opção de atenção à saúde, com ética e uma visão humanizada. Fundada em 1971, a Unimed Ribeirão Preto conta com mais de 1.000 médicos e possui serviços próprios para atendimento aos seus mais de 156 mil clientes: Hospital Unimed, Unimed 24 Horas, Laboratório, Centro de Diagnóstico por Imagem, Farmácia, Núcleo de Atenção à Saúde (NAS), Espaço Viver Bem, Departamento de Saúde Ocupacional (DSO) e Centro de Reabilitação, além de ampla estrutura de hospitais credenciados, prontos-atendimentos, laboratórios e ambulâncias, garantindo qualidade na assistência médica, hospitalar e de diagnósticos.

Sobre o Hospital Unimed Ribeirão Preto

Inaugurado em 2016, o Hospital Unimed Ribeirão Preto, voltado para alta complexidade, oferece hoje 152 leitos clínicos e de UTI, com 9 salas cirúrgicas equipadas com a mais alta tecnologia para atendimentos complexos. Com foco total no paciente, o Hospital Unimed Ribeirão Preto conta com estrutura de excelência e uma equipe multiprofissional pautada pelos mais modernos protocolos assistenciais, prezando pela humanização no atendimento, com segurança e eficiência.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »