28/10/2021 às 17h53min - Atualizada em 29/10/2021 às 00h02min

Módulo desinfecta vírus e bactérias em 10 segundos

Apelidada de Ester, máquina inova ao sanitizar toda vestimenta do usuário em processo rápido e com eficácia de 99% de proteção, trazendo liberdade com segurança para os espaços fechados

SALA DA NOTÍCIA Valle da Mídia
A proliferação do coronavírus em todo mundo fez com que uma série de protocolos sanitários fossem criados na tentativa de amenizar a possibilidade de propagação da doença. Uma das medidas adotadas foi o uso de túneis de higienização, onde as pessoas entram e uma substância eficaz contra micro-organismos é borrifada no usuário. Desconfortável, esse equipamento ganhou uma versão única no mundo, muito mais tecnológica, segura e eficiente: a cabine de sanitização Ester, que utiliza a luz UVC em vez de líquido para exterminar vírus e bactérias, como o coronavírus. 

Na fase de testes em laboratório, a Ester garantiu uma eliminação de 99% dos micro-organismos presentes nas roupas em apenas 10 segundos, numa espécie de lavagem a seco. Com a ideia de trazer aos espaços onde estiver instalada a liberdade com segurança, a máquina foi criada ao longo de um ano e meio, com parceria da USP, e pode ser instalada em entradas de ambientes como salas de cinema, aviões, salas de reuniões, convenções, entre outros ambientes fechados. Um evento na quarta-feira, 27 de outubro, apresentará o equipamento ao mercado.

“Em locais onde ocorrerá uma aglomeração de pessoas, por mais que tenha o distanciamento, é fundamental haver, também, um processo de sanitização pessoal. A Ester propicia uma melhor qualidade de vida, é mais um instrumento que mitiga a propagação de vírus e, desta vez, com maior segurança. Existem tentativas similares que são máquinas com produtos químicos, que podem ser muito nocivas aos olhos, pele e até para a própria roupa por envolverem um banho de cloro, ozônio ou amônia”, explica um dos sócios-proprietários da Ester, Roberto Dotta.

Todo processo de uso da cabine sanitizante Ester é simples e intuitivo. Ela comunica ao usuário, informando os passos a serem seguidos para todo o processo. Por ser um sistema automatizado, o usuário não tem nenhum contato com a estrutura e um sistema eletrônico controla todos movimentos, como posicionamento da plataforma de sanitização e acionamento do procedimento.

Para começar o processo, a Ester informa em um comando de voz que a cabine está disponível. Ao entrar, sensores identificam que o usuário está presente. Então, o usuário é orientado a se posicionar no local marcado e aguardar o ajuste da plataforma na altura dos ombros. Com o encaixe do corpo no local e os braços semiabertos, a iluminação fica vermelha e ocorre a sanitização de todo vestuário, inclusive a sola dos sapatos, em apenas 10 segundos. Caso a pessoa esteja com o corpo exposto, há uma proteção a ser usada nos braços e pernas que é fornecida pela empresa – o rosto não recebe a higienização­. ­­­

Ambientes corporativos e industriais também poderão receber a Ester, uma aliada no combate dos micro-organismos mais resistentes e na retomada das atividades mais seguras em um mundo pós-pandemia.   

“Não adianta nada você sanitizar uma sala e as pessoas entrarem carregadas de vírus que vieram de fora. Se você sanitiza também a superfície das pessoas antes de entrar, você está reduzindo enormemente a propagação de vírus e bactérias naquele ambiente. A humanidade está aprendendo que, depois de alguns acontecimentos, o modo de vida tem mudado. Temos de aprender com isso e estar preparados e precavidos para ter uma boa qualidade de vida”, avalia Dotta.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »