21/10/2021 às 11h01min - Atualizada em 21/10/2021 às 14h42min

Refugiados da Venezuela são amparados por voluntários da ADRA Brasil

Profissionais ofereceram atendimento médico e distribuíram refeições diariamente

SALA DA NOTÍCIA ADRA Brasil
Divulgação ADRA
As ruas se tornaram sua morada. Pedaços de papelão se transformaram em cobertores. O estômago só recebe comida uma vez ao dia. Esta é a realidade dos venezuelanos que vieram ao Brasil em busca de regularização e melhores condições de vida. Muitos estão doentes, sem condições de receber um atendimento adequado. Esses imigrantes estão em Pacaraima, no norte de Roraima, fronteira com a Venezuela.

A fim de amenizar a situação precária desse grupo e também de brasileiros em situação de vulnerabilidade, profissionais da saúde se voluntariaram para ajudá-lo por meio de um projeto da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA). São médicos, dentistas e enfermeiros, unidos pelo único objetivo de apoiar a força-tarefa de logística humanitária na resposta à crise migratória tanto em Boa Vista quanto em Pacaraima.

Fronteira

Em pé, na linha divisória do Brasil com a Venezuela, o médico cardiologista intensivista Klaus Kleuser avistava dezenas de migrantes venezuelanos em direção ao Brasil. Com a fronteira fechada, a alternativa era o campo. O olhar do médico fixou num grupo provido de malas improvisadas, colchões e poucos pertences. Entre os andarilhos, pessoas com deficiência, idosos e crianças expostos à insalubridade e ao perigo da difícil travessia. 

Quando o grupo cruzou para o Brasil, um batalhão do Exército Brasileiro o aguardava do outro lado, distribuídos numa cerca imaginária. Por alguns instantes, aflito, o médico prendeu a respiração, observando o que iria acontecer. “Para minha surpresa, o batalhão do exército conduziu o grupo para debaixo de um toldo, para que não tomasse sol, e pegaram as identificações das pessoas. O grupo recebeu alimentação, tomou vacinas, medicações e foi encaminhado para algum dos alojamentos. Isso me tocou muito, porque aquele batalhão estava sendo os braços de Jesus para acolher aquelas pessoas”, conta Kleuser. 

Esta é a sexta missão do cardiologista, que já se programa para mais uma atividade semelhante num futuro próximo. “Essas pessoas precisam ser acolhidas, recebidas e, muitas vezes, consoladas até espiritualmente”, pontua.

Uma semana de atendimentos

Profissionais oferecem atendimento médico e distribuem refeições diariamente. (Foto: Divulgação ADRA)

Profissionais oferecem atendimento médico e distribuem refeições diariamente. (Foto: Divulgação ADRA)



Os profissionais da saúde atenderam cerca de mil pessoas durante os sete dias de atuação, em áreas como oftalmologia, cardiologia, endocrinologia, odontologia, pediatria, entre outras. Também foram realizados exames, como eletrocardiograma com laudo, treinamento em EGC, ultrassom, e procedimentos odontológicos, como restauração de resina, limpeza, drenagem de abcesso, além de outros atendimentos. 

O oftalmologista Everton Paroschi se deslocou do Paraná para participar do voluntariado. “É deprimente ver aquele povo todo sofrendo, morando na rua. Eu pude atendê-los na minha área, numa tentativa de amenizar a situação”, revela. 

Refugiados diplomados

Já a dentista Aline Lopes, que reside em Brasília, participa pela segunda vez desse tipo de ação. “Nunca esperei viver algo tão forte e impactante. Saber que nossos irmãos venezuelanos estão fugindo do seu país em busca de alimento e uma nova vida, se submetendo a tanta dificuldade, fome, sede, frio, humilhação... muitos andam mais de mil quilômetros a pé por sobrevivência. É algo que impacta a nossa vida, e nos move para ajudá-los”, conta, comovida.

Aline conta que algo que lhe chamou muito a atenção são os profissionais formados que estão entre os refugiados. São médicos, advogados, professores e bombeiros. “São pessoas como você e eu, que deixaram tudo para trás para sobreviver”, reflete a dentista. 

O maior desafio de Aline foi oferecer tratamento dentário completo, já que os recursos disponíveis eram escassos. “O número de pacientes era grande e precisávamos ser rápidos e eficazes, retirando aqueles dentes com maiores dores e infecções e restaurando os posteriores, para não comprometer a estética dentária”, explica. 

Refeições quentes

A coordenadora da atividade, enfermeira Rafaela Reis, destaca que o apoio do Exército Brasileiro foi fundamental. “A missão só foi possível por causa da parceria entre a ADRA e a FTLogHum. A ADRA realizou a mobilização dos voluntários, captação de recursos para a aquisição dos equipamentos e instrumentais odontológicos e a coordenação da missão, sendo que a força-tarefa se encarregou de toda a logística de alojamento, alimentação e transporte”, compartilha a coordenadora. 

Além destas ações, a ADRA mantém projetos regulares na localidade, como o “Refeições Quentes”. A iniciativa atende cerca de duas mil pessoas diariamente por meio de um prato de alimento quente, de domingo a quinta-feira, em diferentes locais, como na Rodoviária de Boa Vista – PRA e em abrigos onde vivem pessoas em situação de rua e indocumentadas, que não têm acesso a emprego e moradia para produzir o próprio alimento.

Para garantir que esses alimentos cheguem aos necessitados, cerca de dez pessoas contribuem no preparo das refeições (almoço e jantar). Todo o processo é acompanhado por um nutricionista, desde a elaboração do cardápio até o prato do beneficiário. Esse acompanhamento existe para garantir a qualidade dos alimentos e o valor nutricional de quem vai consumi-lo.

A alimentação oferecida aos beneficiários é equilibrada e segue o regime ovolactovegetariano. Os recursos são próprios da ADRA, que também conta com doações da comunidade e estabelecimentos comerciais. Mesmo diante de grandes desafios, com essa iniciativa, a equipe da ADRA Roraima serviu mais de 320 mil refeições entre janeiro e setembro de 2021. Além disso, a agência desenvolve atividades que oferecem oportunidades aos beneficiados por meio de outras ações.

Missão 

Ellen Ferreira é médica endocrinologista. Em uma das noites da missão que participou, após aos atendimentos do dia, ela e mais dois voluntários se juntaram ao grupo que serve refeições quentes. “Foi meu momento mais difícil na missão. Nessa noite servimos 750 pessoas. Famílias inteiras. Desde idosos a bebês de colo. Percebi que estávamos servindo uma comida de excelente qualidade. Bem feita, quentinha. Mas saber que aquelas pessoas não tinham outra opção e que muitas delas estavam fazendo sua única refeição do dia, foi devastador para mim”, relembra, emocionada. 

A endocrinologista também comenta que foi difícil segurar as lágrimas. “Poucas vezes na vida me senti tão pequena e tão insignificante como naquele momento. Não tem como não repensar a vida e enxergá-la com outros olhos. O simples ato de abrir minha geladeira em casa e escolher o que vou comer é um grande privilégio”, salienta. 

Para Ellen, toda missão representa um divisor de águas. “Só quem faz, sabe.  Eu saio desta missão com uma gratidão imensa a Deus pelo trabalho que a ADRA realiza em todo o mundo. Também saio grata ao Exército Brasileiro e a toda equipe das Forças Armadas que têm conseguido trazer um mínimo de dignidade diante do caos que se instalou no estado de Roraima. Por fim, agradeço a Deus pela oportunidade de servir”, conclui, comovida. 

Embora a ADRA conte com parcerias importantes, estes projetos sociais precisam de doações mensais para atingir seus objetivos. Para ser um colaborador, acesse https://adra.org.br/.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »