20/10/2021 às 10h44min - Atualizada em 20/10/2021 às 12h58min

Galleria Borghese: um dos museus mais fascinantes da Itália

SALA DA NOTÍCIA Duvale Comunicação
Villa Borghese - photo by Cosmin Sava - Shutterstock.com

A Galeria Borghese em Roma é talvez o museu mais fascinante da Itália. Está alojado numa villa construída em 1600, cujos estuques criam o cenário ideal para uma coleção excepcional de obras-primas mundialmente famosas.

Junto com baixos-relevos e mosaicos antigos de qualidade surpreendente, a Galeria, que foi encomendada pelo cardeal Scipione Borghese, preserva obras de beleza sem igual com pinturas de Ticiano e Caravaggio e esculturas de Canova e Bernini.

Desde os seus primórdios, a Villa Borghese foi concebida como um lugar de florescimento cultural, onde a arte da Antiguidade pudesse coabitar com a dos tempos modernos, mas não apenas isso. Scipione Borghese também idealizou planos para reproduzir a natureza em escala menor e criar uma espécie de diorama para que os romanos pudessem contemplar suas plantas, animais e até achados fósseis. Ele idealizou um jardim com as plantas mais raras, um zoológico e uma gaiola de pássaros enorme. O cardeal também esperava construir uma biblioteca e sala de estudos, principalmente para aprender sobre a tecnologia da época (que continha autômatos, espelhos, lentes e relógios). Tudo isso constituiria o Teatro dell'Universo (Teatro do Universo). 

 

A história

A Villa Borghese e o parque ao seu redor foram ambos construídos no início do século XVII, fora das muralhas aurelianas da Cidade Eterna, em um terreno que originalmente era um vinhedo. A construção deste pequeno palácio foi primeiro confiada ao arquiteto Flaminio Ponzio, e mais tarde a Vasanzio; a maior parte aconteceu no período de um ano, a partir de 1612, enquanto a decoração de interiores, esculturas e paisagismo continuaram até 1620. Foi Ponzio, arquiteto destro do Papa Paulo V (isto é, Camillo Borghese, tio de Scipione), que desenhou os quartos da Villa, e que preferiu que a arquitetura exterior fosse de ordem dórica, libertando-a assim do aspecto tradicional das vilas romanas suburbanas.

O acervo de obras da Villa Borghese aos poucos se tornou uma das coleções pessoais mais vastas e significativas da história, até mesmo para um homem de enorme poder e fortuna como Scipione. Porém, a última palavra na história está reservada para aqueles que estão mais acima na hierarquia: um parente de Scipione, Camilo, príncipe de Sulmona, mais tarde entregou todos esses tesouros ao marido de sua irmã Paulina Bonaparte. Foi assim que Napoleão Bonaparte veio a obter tal espólio de itens cobiçados, e o motivo pelo qual eles são atualmente propriedade do Fundo Borghese do Louvre.

Caravaggio - Fanciullo con canestro di frutta - wikimedia

As principais obras

Por falar em Paulina Bonaparte Borghese, ela foi imortalizada como obra-prima de mármore por Canova entre 1805 e 1808; em seu retrato neoclássico, onde é retratada como Venus Victrix. Depois de “Apolo e Dafne” e “O Rapto de Proserpina”, de Gian Lorenzo Bernini, a Venus Victrix é a peça mais conceituada da coleção da Galeria Borghese.

Além dessas e de várias outras obras em mármore, também fazem parte da coleção pinturas de Rafael, Ticiano, Antonello da Messina, Cranach e Caravaggio.

Vale citar a pintura “Davi com a Cabeça de Golias”, do período napolitano de Caravaggio, realizada pouco antes da morte do artista; narra em magnífico claro-escuro o momento após a gloriosa vitória de Davi contra o gigante, enfatizando sua cabeça decepada, considerada um autorretrato do polêmico pintor. Outro Caravaggio muito estimado, “Rapaz com Cesto de Frutas” também faz parte do acervo.

Em seguida, “A Deposição” de Peter Paul Rubens - ilustrando com grande efeito as influências do estilo clássico no jovem artista flamengo. “Amor sacro e amor profano” de Ticiano e “Danae” de Correggio - adquiridos por Camillo Borghese em Paris - são apenas algumas das inúmeras obras que justificam uma visita à Galeria.

Tiziano Amor Sacro e Amor Profano

Curiosidades

Em 1608, Scipione ordenou que “A Deposição” de Rafael Sanzio fosse secretamente removida da Capela Baglioni dentro da Igreja de San Francesco em Perugia. Apesar de tal ato ilícito, assim que chegou a obra chegou a Roma, o Papa, usando motu proprio, entregou legamente a pintura ao Cardeal Scipione.

Pouco antes de sua morte em 1633, Scipione manobrou para garantir a inalienabilidade de sua coleção, por meio de um dispositivo legal conhecido como fideicommissum; foi uma tentativa de obrigar todos os herdeiros borghese a manter a coleção intacta - uma obrigação que eles não conseguiram cumprir.

 

Links Úteis:

Museu e Galeria Borghese

Piazzale del Museo Borghese 5, Roma

Informações e reserva de bilhetes tel. +39 06 32810

https://galleriaborghese.beniculturali.it/


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »