28/07/2021 às 16h03min - Atualizada em 29/07/2021 às 09h46min

Smart Money: entenda como um “conselho” passa a valer ouro no mundo dos negócios

SALA DA NOTÍCIA Redação
João Alfredo Andrade Pimentel é empreendedor digital serial na área da Tecnologia da Informação

*Por João Alfredo Andrade Pimentel


Ao pé da letra, Smart Money significa “dinheiro inteligente”, mas, diante da visão de investidores com uma extensa bagagem no mundo dos negócios, trata-se do investimento acompanhado da contribuição de expertise, oferecida à startup, e que vai além da questão financeira. A fim de receberem auxílio para evoluírem em seus processos internos, essas empresas acabam necessitando muito mais do conhecimento dos investidores, adquirido ao longo da carreira profissional (Smart Money), do que apenas do money, propriamente dito. 

Ou seja, além do capital investido, a operação é definida com a entrada de um executivo que proporciona a sua experiência profissional em favor da empresa. No geral, essa é uma estratégia implementada pelos gestores quando o objetivo da startup é ganhar espaço no mercado, se desenvolver e crescer em seu ambiente de atuação. 

Ao compartilharem o conhecimento adquirido com experiências anteriores, os investidores ajudam a elevar o nível de gestão, governança, além de trazer evolução nos processos internos da startup, como questões voltadas ao setor de vendas, marketing, operações, atendimento ao cliente, entre outros pontos. Desta forma, é imprescindível que o executivo, além de auxiliar com o networking, tenha familiaridade com alguns setores e disciplinas que são importantes na fase em que se encontra a empresa.

Digo isso porque, normalmente, os fundadores das startups estão sozinhos em seus objetivos e ainda têm o desafio de fazer seus negócios crescerem. Assim, com o apoio de investidores experientes que enfrentaram, inclusive, este cenário por diversas vezes, torna-se possível ajudar a encontrar novas soluções para problemas já conhecidos por esses profissionais. 

Considerados um diferencial importante para as startups, os executivos contribuem para insights importantes baseados no modelo de negócio investido, auxiliam com o esclarecimento de dúvidas, aconselhamentos e até decisões importantes, que giram em torno das estratégias do business, investimentos futuros, assuntos comerciais, estruturais, societários, tributários e jurídicos. Tudo isso para ajudar os empreendedores a resolverem situações às quais nunca se depararam. 

Normalmente, o apoio às startups pode ser feito por meio de reuniões formais, envolvendo Comitês de Investimento e Conselhos de Administração, ou, em alguns casos, de maneira informal, como reuniões, ligações diretas e mensagens em grupos. Mas, sempre com o objetivo de compartilhar as melhores orientações de acordo com os seus negócios e levar apoio ao fundador durante a rotina de empreendedorismo diário.

Vale frisar que o Smart Money não tem controle administrativo do negócio, pois trata-se apenas de instruções e aconselhamentos para que os empreendedores possam analisar as soluções colocadas em pauta e tomarem as melhores decisões para suas empresas.  

Quando falamos apenas do compartilhamento de conhecimento “tácito”, ou seja, adquirido ao longo da vida e repassados por meio de recomendações, não existe um padrão de Smart Money. Porém, em alguns casos, contam com apresentações de soluções que contribuem para a implementação de melhores práticas de governança como, por exemplo, implantação de máquinas de vendas, marketing, customer success, entre outros.

Do lado do fundador, sabemos que não é uma tarefa simples atrair investidores para a startup. No entanto, seus negócios devem contar com bons projetos para atuação em mercados grandes, com boas equipes, além de mostrarem que já entregam algum resultado, que já encontraram uma dor no mercado e a solução (Product Market Fit), e que estão prontos para acelerar o crescimento da empresa.
 

*Empreendedor digital serial na área da Tecnologia da Informação, João Alfredo Andrade Pimentel foi sócio-fundador da NetMicro e depois, como CorpFlex, consolidou a maior plataforma de Private Cloud no Brasil, cybersecurity e serviços gerenciados. O investidor fez seu primeiro exit da CorpFlex, em 2020. O segundo exit foi da startup Fix, em 2021, da qual foi investidor-anjo. Atualmente, Pimentel é investidor fundador do SCALEXEOPEN, fundo de investimento para startups em estágio seed e pré-seed de base tecnológica com alto poder de escalabilidade.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »