17/06/2021 às 10h38min - Atualizada em 17/06/2021 às 11h36min

Área de TI cresce no Brasil e busca expansão na formação de mão de obra qualificada

País tem uma previsão de 400 mil vagas no setor até 2024

SALA DA NOTÍCIA Fernanda Santos
Pixabay

O mercado de trabalho para a área de tecnologia, atualmente, passa por uma alta demanda e falta de profissionais qualificados de TI. Dados do Relatório Setorial de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), produzido pela  Brasscom (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais), revelam que a demanda por profissionais da área de TI crescerá mais de 500% até 2024, atingindo 420 mil ofertas de vagas pelo país. Hoje, o Brasil forma 46 mil profissionais com perfil tecnológico. E com a média de uma expansão de 70 mil vagas por ano, neste setor, as empresas enfrentam desafios com a escassez de profissionais no futuro e estão investindo na formação de estudantes de tecnologia agora. 

 

Para a Vulpi, plataforma com o foco na contratação e recrutamento de TI, percebeu o aumento desta demanda, principalmente em relação às necessidades do mercado por mão de obra qualificada. Com a pandemia, muitos processos foram acelerados e, por isso, muitas empresas sentiram a necessidade de investir em tecnologia e inovação, o que favorece o aumento de contratações de profissionais da área.   

Já para a empresa de soluções digitais
OPUS Software, essa é uma oportunidade de investimento em educação para a área da tecnologia. Este ano, Walter Ruiz, sócio da OPUS Software, anunciou o lançamento do seu primeiro programa de bolsas voltado para estudantes de Ciência da Computação. O programa tem o objetivo de oferecer suporte financeiro aos estudantes e promover a integração entre os ambientes profissional e universitário, além de ser uma maneira da empresa investir na formação dos profissionais do futuro pensando na demanda e no investimento de mão de obra qualificada.
 

Entretanto, em outra ponta do mercado, para suprir a demanda de profissionais, está a escola de programação Kenzie Academy Brasil. O cofundador e CEO, Daniel Kriger, trouxe para o país um modelo de ensino comprovado internacionalmente com o objetivo de ofertar aprendizado de qualidade para quem deseja trabalhar na área. Com foco na prática, aplicada em 12 meses de curso, a edtech ensina as principais linguagens de programação do mercado para o desenvolvimento de um programador full stack, inclusive soft skills. Além disso, oferece uma metodologia inovadora de pagamento, na qual o estudante só paga a mensalidade do curso após estar empregado e com remuneração mínima de R$ 3 mil por mês. 

 

Investimento no segundo idioma

Aprender em um segundo idioma também facilita para alcançar outras oportunidades no exterior. Existe uma alta demanda de vagas na área de TI fora do Brasil e os desenvolvedores do nosso país têm sido muito requisitados. Entretanto, para conquistar um espaço no mercado de trabalho, é importante dominar um outro idioma, principalmente o inglês, por ser uma língua predominante entre livros e artigos do setor. 

 

Para o especialista em educação e fundador da Universidade do IntercâmbioMatheus Tomoto, o aprendizado de outras línguas permite um crescimento mútuo entre o campo profissional e pessoal dos estudantes. Para os profissionais de TI, o segundo idioma facilita o campo de atuação e ainda abre portas para oportunidades dentro e fora do Brasil. Tomoto reforça que os profissionais brasileiros de tecnologia são procurados por todos os países do mundo. Em alguns países da Europa, como Portugal, existem até políticas de incentivo para a contratação destes especialistas.


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »