08/06/2021 às 10h39min - Atualizada em 08/06/2021 às 11h32min

Advogado no ABC Paulista lista, em vídeo do seu canal no YouTube, os 3 golpes mais praticados na internet.

SALA DA NOTÍCIA Boost Assessoria de Imprensa
https://www.youtube.com/watch?v=O5nq4_wDbJM&t=581s
É fato que cada vez mais estamos envolvidos com a rede global de computadores, a Internet. Principalmente no atual cenário que estamos vivendo, a pandemia da Covid-19, fomos praticamente forçados a migrar para o digital para comprar roupas, eletrônicos e até para fazer a compra semanal no supermercado da vizinhança.

Com as pessoas cada vez menos nas ruas, os criminosos também se modernizaram e o aumento no número de 
golpes pela internet cresceu proporcionalmente ao uso dos brasileiros. Pesquisas mostram que algumas dessas modalidades de golpes virtuais cresceram mais de 340% durante a pandemia, conforme mostra o G1. [https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2021/04/16/golpes-e-fraudes-por-telefone-e-e-mail-disparam-no-brasil-durante-a-pandemia.ghtml]

Para tentar auxiliar o público em geral a respeito desses crimes virtuais, Dr. Ilmar Muniz, professor de Direito Penal e Constitucional, com especialização em diversas áreas do direito, listou em seu canal do YouTube o “Top 3” dos crimes virtuais que mais atingem os brasileiros:

1 – 
Golpe do WhatsApp
De acordo com o jurista, o crime tem início quando a pessoa recebe, em seu WhatsApp, um link para clicar. Normalmente esses links são disfarçados por algum assunto de possível interesse de quem recebe – informando uma atualização de sistema necessária, passando-se por alguma reportagem relevante, até mesmo ofertas financeiras são usadas como “isca”.

Ao clicar neste link, imediatamente a conta do WhatsApp da vítima é desativada, e o criminoso passa a ter acesso instantaneamente a todas as suas informações – principalmente seus contatos. Então inicia-se o processo de o criminoso entrar em contato com seus contatos mais próximos, pedindo para que pague algum boleto, ou que realize alguma transferência que logo ele será reembolsado.

Sensibilizados com a estória contada pelo criminoso, diversos dos contatos da vítima iniciam as transferências e pagamentos e, até que a vítima se dê conta e possa recuperar sua conta para avisar seus amigos, pode ser que boa parte deles já tenham feito o que foi pedido pelo criminoso, na intenção de ajudar a vítima.

Segundo Dr. Ilmar Muniz, dificilmente esses valores poderão ser reavidos, visto a dificuldade de localização desses criminosos. Portanto, o melhor método é realmente a prevenção: não clicar em links recebidos via SMS ou WhatsApp de números que você não conhece ou que pareçam suspeitos é sempre a melhor forma para não cair nesse golpe. A verificação em duas etapas, oferecida pela plataforma, também é uma excelente maneira para aumentar a segurança da sua conta e evitar golpes. Para saber como habilitar a verificação de duas etapas,
clique aqui.

2 – Compra falsa
O advogado lista como a segunda maior prática criminosa virtual o 
golpe da compra falsa. Segundo ele, normalmente ocorrida dentro dos marketplaces como Americanas, Mercado Livre entre outros, onde o consumidor faz a compra de um produto e, ao chegar a embalagem em sua caixa, a surpresa: dentro existe um pedaço de madeira, pedras ou algum outro objeto que forneça à embalagem apenas o peso, para que pensem que se trata realmente do produto comprado.

Segundo Ilmar Muniz, as empresas de marketplace têm, contudo, mecanismos para coibir essas práticas, como a possibilidade de informar, dentro da própria plataforma de compra, que não recebeu o produto comprado. Neste momento, a empresa intermediária, que retém o valor da compra até a chegada do produto, cancela a compra, reembolsa o consumidor e não repassa o valor ao criminoso.

Por isso a importância de sempre realizar essas compras por meio de marketplaces reconhecidos, pois é uma forma de minimizar consideravelmente os riscos deste golpe.

As compras em sites de classificados como OLX, no entanto, precisam de um pouco mais de atenção. Os criminosos, ardilosos, normalmente mantém uma negociação acirrada com a vítima, para que ela pense que realmente trata-se de uma negociação honesta. Quando, aparentemente, chegam num consenso, o criminoso pede um valor para “segurar” o produto até que o comprador possa ir até ele busca-lo e pronto, está consumado o crime. O vendedor some, o anúncio é retirado do ar e o dinheiro depositado para o criminoso dificilmente será recuperado.

De acordo com o advogado, nessas plataformas de negociação direta com o vendedor, a forma mais eficaz de evitar o golpe é verificar sempre o valor de mercado do produto, já que os criminosos, na maioria das vezes, irão anunciar um valor muito atraente para servir de “isca”.

3 – 
Leilão falso
Este golpe tem crescido cada vez mais na internet e ele acontece, na maioria das vezes, por meio de sites que são muito semelhantes (as vezes até idênticos) aos de leilões reais.

A vítima passa por um rigoroso processo de cadastro, sempre na intenção de dar veracidade ao site falso. Após isso, encontra o produto que procura e inicia o processo dos lances, assim como em um leilão tradicional.

Ao arrematar o produto, recebe em pouco tempo uma ligação do falso leilão, dizendo que é necessário o depósito imediato de 30% do valor total correspondente ao produto, para que ele fique assegurado ao arrematante, que agora já é a vítima do crime.

Segundo Dr. Ilmar Muniz, nesse caso, por não haver nenhuma empresa real por trás da negociação, os prejuízos nesse tipo de crime são muito mais difíceis de serem recuperados, já que, via de regra, não há alguém para “ir atrás”, já que tudo é falso.

De acordo com o jurista, uma pesquisa a respeito do site do leilão é sempre a melhor forma para evitar cair nessa armadilha. Existem, na internet, páginas que disponibilizam o nome e endereços eletrônicos de 
leilões falsos espalhados pela rede.

Após este passo, pesquisar o endereço fixo do leilão é importante para o passo a seguir, que é ligar no número de telefone vinculado ao endereço para descobrir se ali realmente funciona um leilão, ou se os criminosos não estão utilizando o endereço de outra empresa, que nada tem a ver com o crime, para passar mais credibilidade.

A Junta Comercial também registra o nome de todos os leiloeiros cadastrados no estado, bem como seus contatos. Uma pesquisa na junta comercial do seu estado pode ser também uma excelente forma para não cair nesse golpe.

Localizado no ABC Paulista, o escritório Cavalcante Muniz Advogados recebe diariamente diversos contatos de clientes vítimas de golpes na internet. Caso você tenha sido vítima de algum desses ou outros golpes virtuais.

Fui vítima de um golpe virtual. E agora? Clique aqui.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »