21/04/2021 às 14h37min - Atualizada em 22/04/2021 às 15h12min

Estudo genético para prevenção e o tratamento de doenças

Especialista explica o que são e a indicação dos testes genéticos

SALA DA NOTÍCIA Salatiel Araújo
www.doutortv.com.br
Freepik
O sistema biológico humano contém diversas características passadas entre gerações de uma família é denominado hereditariedade. Sendo assim, ele também precisa ser entendido como uma forma de prevenção e tratamento. Através da genética há inclusive exames para possíveis detecções de problemas e descobertas de caminhos para a cura de doenças. Para tanto, o investimento em pesquisa é fundamental.

Cientistas do Centro de Pesquisas sobre o Genoma Humano e Células-Tronco da USP (Universidade de São Paulo) realizaram um primeiro mapa genético em idosos na população brasileira e descobriram 207 mil variações em genes nunca encontradas no mundo.

Diante de tanta novidade na medicina e ciência, como saber se uma pessoa tem a possibilidade de herdar alguma característica de determinada doença oriunda de sua árvore genealógica?

Medicina genética

Antes de qualquer exame genético do qual uma pessoa possa passar, é sempre bom lembrar que uma consulta deve ser feita com um médico geneticista.

“Mais importante do que o exame, é a gente poder conversar com o paciente e extrair o maior número de informações sobre a família como, por exemplo, suas origens étnicas, doenças... Tudo isso precisa ser levado em conta para que se tomem as melhores decisões relativas aos exames genéticos.” explica o médico geneticista Dr. Caio Bruzaca.

Inicialmente monta-se a árvore genealógica da pessoa e só depois disso se decide qual o exame ou mapeamento genético a ser realizado. Ou seja, quais genes, quais grupamentos em questão, pois todo exame genético precisa ser norteado.

Prevenção relacionada à genética

Quando uma genealogia é feita, pedem-se informações até do terceiro grau familiar da pessoa em questão. Quanto maior o número de pessoas que o médico geneticista consiga identificar, além das doenças prévias, maior será a informação que o teste genético poderá apresentar posteriormente.

“Um bom exemplo disso é sobre a própria questão do câncer. Ter uma irmã com câncer em idade jovem, ter uma prima com tumor na mama, uma tia com câncer de ovário, uma avó com outro tipo dessa doença como no pâncreas, tudo isso me direciona aonde e como devo pesquisar.” exemplifica o geneticista.

Após a consulta, realiza-se um exame genético. O procedimento é capaz de detectar as possibilidades maiores de ter algum tipo de doença relacionada à árvore genealógica.

Um bom exemplo disso é a hipercolesterolemia familiar que é o aumento do colesterol passado de geração em geração. Tais famílias são compostas por diversas pessoas com o colesterol alto. A priori é uma doença assintomática, mas sabendo dessa informação o médico se sente certeiro no seu pedido do exame genético.

Tratamento através do mapeamento genético

Coloquemos novamente em questão o problema do colesterol como exemplo prático e simples de ser entendido. O maior tratamento para esse tipo de doença é a mudança do hábito de vida do paciente, envolvendo dieta e atividade física.

Agora, quando se fala em câncer, a questão é um pouco mais complicada, já que um tratamento não farmacológico e não cirúrgico dificilmente muda a história natural da doença.

“Contudo, existem algumas cirurgias que previnem a ocorrência de câncer.” descreve o geneticista.

O caso da atriz Angelina Jolie é um bom exemplo do que o Dr. Caio mencionou acima. No acompanhamento, a artista descobriu que a mãe tinha um problema relacionado ao câncer de mama e optou pela prevenção cirúrgica.

Hoje há uma tendência em chamar os testes genéticos de medicina de precisão. É que a partir das informações obtidas é possível ofertar o melhor tratamento e fechar um diagnóstico mais preciso.

Cuidado ao procurar um profissional

A pessoa tem, por exemplo, uma irmã com determinado tipo de tumor. Sendo assim, ela resolve ir ao médico procurar por um mapeamento hereditário no intuito de detectar um possível câncer em alguma parte do corpo. Quando abalizar um limite próprio para não fazer dessa busca um problema ainda maior, só que psicológico?

“Eu gosto sempre de mencionar que um aconselhamento genético consultado por um médico geneticista é regido por uma série de princípios da bioética. O primeiro princípio é: aquela informação que estou passando precisa fazer o bem. Por isso se enfatiza tanto a consulta antes de qualquer exame. Na consulta é possível identificar essas questões, por exemplo, de hipocondria. Isso é primordial antes de se fazer ou não o teste. Infelizmente já teve pessoas que chegaram até ao suicídio por causa de um teste genético.” alerta o Dr. Caio.

Por isso é necessária uma conversa com o médico no intuito que o mesmo perceba se a alteração possa partir de algo psicológico e não físico.

Existem várias situações onde ocorrem questões de hipocondria. O melhor exemplo é a Síndrome de Munchausen por Procuração. “Um médico identificou mães que procuravam serviços de saúde em excesso para seus filhos. Do ponto de vista psicológico dessa mãe, ela é quem procurava pela doença. Por isso a denominação ‘por procuração’.” finaliza Dr. Caio Bruzaca.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »