20/04/2021 às 17h46min - Atualizada em 21/04/2021 às 00h00min

Cinco dicas das fintechs de crédito para PMEs atravessarem a nova onda de infecções por Covid-19

Segmento enfrenta desafios em meio às medidas que restringem funcionamento dos estabelecimento e que impactam diretamente no faturamento

DINO


Grandes responsáveis pela criação de empregos no Brasil, as micro e pequenas empresas responderam por 68,5% das vagas abertas no país em fevereiro. De acordo com levantamento do Sebrae com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério da Economia, o índice corresponde a pouco mais de 275 mil postos de trabalho, mais do que o dobro das oportunidades geradas pelas companhias de médio e grande porte, que ficaram em 101,8 mil.

No entanto, com o novo período de restrições causadas pelo novo pico de casos de covid-19, os pequenos negócios assistem à queda do faturamento e acendem o alerta para demissões e falências. Não por acaso, a confiança dos empreendedores despencou em março, atingindo índices iguais aos da crise de 2014, segundo dados do estudo Sondagem Econômica MPE, realizado pelo Sebrae em parceria com a FGV.

Nesse cenário, os micro e pequenos empresários, que tendem a enfrentar mais obstáculos para obter crédito, podem tirar proveito de um mercado mais amplo de opções e buscar alternativas para um crédito mais barato e mais afinado às suas necessidades, aponta Rafael Pereira, presidente da Associação Brasileira de Crédito Digital - ABCD.

"Uma dica interessante para este momento é pesquisar produtos e serviços com condições mais vantajosas para os pequenos negócios. As fintechs de crédito, por exemplo, oferecem linhas de crédito diferenciadas, como capital de giro sem garantia reais e empréstimo com garantia de imóvel", detalha Pereira, que lista mais algumas sugestões para enfrentar essa fase.

1 - Buscar melhores opções de crédito: a combinação de digitalização e inovação potencializadas na pandemia criou novos produtos e serviços que movimentam o mercado de crédito, com uma série de opções em condições especiais para os pequenos empreendedores. As fintechs de crédito oferecem modalidades como crédito com garantia de imóvel ou veículo e capital de giro sem garantias reais. Para além disso, fazem uma análise de crédito que enxerga os clientes de forma diferente, graças a uma análise mais individualizada de cada perfil, o que tende a facilitar o acesso dos pequenos empresários aos recursos.

2 - Potencializar a gestão financeira: como a imprevisibilidade tornou-se a ordem do dia, é importante estar atento às contas em aberto, datas de pagamentos, o quanto de juros está embutido nos débitos e ainda imaginar diferentes cenários para evitar surpresas desagradáveis no futuro.

3 - Renegociar: o diálogo aberto e direto com fornecedores pode ser imprescindível para ajustar as contas, manter e até fortalecer as relações comerciais.

4 - Aumentar a presença digital: em tempos de isolamento social e restrições de abertura dos estabelecimentos, estar presente digitalmente é primordial. Se antes posts e contatos via rede social bastavam, hoje vale investir em uma comunicação mais próxima com o cliente, estreitando o relacionamento para solidificar o propósito da empresa.

5 - Gerenciar o estresse: com mais de um ano de duração, a pandemia segue criando um ambiente de incertezas. No entanto, é preciso ficar atento para que o estresse não acabe resultando em problemas de saúde e ansiedade, que vão complicar ainda mais o cenário. Apostar no autoconhecimento e em uma rotina voltada ao bem-estar, com momentos dedicados exclusivamente ao descanso e ao lazer, podem fazer a diferença no gerenciamento dos negócios.

Na avaliação do presidente da ABCD, levando em consideração esses cuidados, as PMEs podem atravessar esse período, ainda de incertezas, com mais tranquilidade.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »