12/08/2020 às 18h59min - Atualizada em 13/08/2020 às 23h07min

A telemedicina no pós pandemia é uma tendência

 
A telemedicina no pós pandemia é uma tendência
 
Modalidade tem a vantagem de chegar onde a medicina tradicional não chega e o serviço ocupacional tem muito a ganhar
 
         A telemedicina, regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) em março desse ano, se deu de maneira emergencial por conta da pandemia de Covid-19. A modalidade, mesmo incipiente no Brasil, tem como intuito viabilizar uma assistência de qualidade a pessoas que estão em áreas remotas, permitindo a continuidade do atendimento em face à restrição de mobilidade.
         As vantagens e os desafios se estendem à medicina ocupacional, pois com a telemedicina as organizações podem obter os laudos dos exames com rapidez e sem perda de qualidade.
         Ricardo Pacheco, médico, gestor em saúde, presidente da ABRESST (Associação Brasileira de Empresas de Saúde e Segurança no Trabalho) e diretor da OnCare Saúde, destaca o papel da modalidade para agilizar as operações e garantir o bom atendimento. “A telemedicina promove, ainda mais nesse momento em que há limitação de contato presencial, maior agilidade nos atendimento às necessidades, da população no geral e dos trabalhadores, que estão nas empresas ou em home office”.
         O médico enfatiza que em todo o mundo a telemedicina tem sido uma importante ferramenta tecnológica para ampliar o acesso à saúde, e na pandemia a prática foi a solução encontrada para levar o médico onde o paciente está: “Essa tecnologia aproximou o profissional da saúde das pessoas e das empresas. Para as organizações, permite a obtenção de laudos à distância de vários tipos de exames frequentes na área de saúde ocupacional, agilizando a emissão de exames admissionais e demissionais, já que empresas e trabalhadores têm pressa, seja para encerrar ou iniciar o contrato trabalhista. É uma ferramenta que ajuda profissionais e empresários na otimização do tempo e no fluxo trabalhista, imprimindo maior rapidez e eficácia no acompanhamento do ritmo do mercado, fornecendo laudos ocupacionais precisos”.
         O gestor e especialista em saúde ocupacional destaca que o Conselho Federal de Medicina reconheceu, na Resolução CFM nº 1.643/2002, três formas de telemedicina, todas válidas durante a fase de pandemia de COVID-19. “A partir dessa decisão é possível praticar a teleorientação, onde os profissionais da medicina realizam, remotamente, a orientação e o encaminhamento de pacientes em isolamento; o telemonitoramento, que permite orientação e supervisão médica para monitoramento ou vigência à distância de parâmetros de saúde e/ou doença; e a teleinterconsulta, que serve exclusivamente para troca de informações e opiniões entre médicos, para auxílio diagnóstico ou terapêutico”, explica o presidente da ABRESST.
 
Ferramentas
         As consultas e atendimentos são operacionalizadas por meio de tecnologia de aplicativos e softwares. As empresas que prestam o serviço, como a OnCare Saúde, precisam utilizar o sistema HIPAA Compliance (em português, Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde). “É esse sistema que assegura sigilo das informações trocadas entre o paciente e o médico. O sistema de segurança digital abrange protocolos, edição do prontuário do paciente, consultas gravadas e receitas prescritas e assinadas por meio de certificado digital. Para a medicina ocupacional é uma quebra de paradigmas, pois além de preservar a saúde, principalmente de trabalhadores em grupos de risco, dá mais agilidade ao atendimento”, afirma Ricardo Pacheco.
         O gestor e diretor da OnCare Saúde conclui enfatizando que a telemedicina é uma ferramenta muito importante para salvar vidas, principalmente no momento atual em que vive o mundo com a pandemia do novo coronavírus. “A teleconsulta possibilita que médicos, inclusive os que praticam a medicina ocupacional, possam seguir realizando atendimento mesmo em casos que não forem urgência, respeitando a recomendação de líderes mundiais da saúde para manter o isolamento social e trabalhadores que estão produzindo remotamente. Dessa forma, se protege tanto os profissionais quanto os pacientes; se amplia o acesso a especialistas e ajuda a desafogar os serviços de urgência e emergência em um período de saturação dos atendimentos. Empresas que optaram pela contratação deste serviço não só estão protegendo os seus colaboradores, como também ajudando a evitar um desfalque na capacidade de atendimento e produtiva por conta da contaminação do seu quadro de funcionários, que pode ocorrer em uma eventual demora nas orientações adequadas em caso de sintomas compatíveis com a Covid-19 ”, completa o médico.
 
Sobre a OnCare Saúde
 
A OnCare Saúde é uma plataforma de solução integrada de saúde, que oferece assessoria e consultoria, para empresas e para população em geral. Dentro dessa plataforma, de gerenciamento macro, está a assistência médica que também garante a assistência integral social e à saúde dos beneficiários e seus dependentes, com ações de promoção, proteção, recuperação e reabilitação, de forma a contribuir para o aprimoramento do sistema social e de saúde do Brasil.
 
Nesse momento de pandemia a OnCare Saúde tem adotado todas as medidas sanitárias recomendadas pelas autoridades em saúde, no Brasil e no mundo. Dessa forma, os atendimentos presenciais continuarão acontecendo por ordem de chegada, como ocorre normalmente. É exigido o uso de máscaras e ofertado álcool em gel para todo usuário que tenha que se deslocar até uma unidade.
 
A OnCare Saúde ainda adverte que os serviços digitais são amplos e estão disponíveis 24 horas por dia; e que o paciente só se dirija a uma unidade se realmente imprescindível.
 
Debate Nacional sobre Saúde e Segurança no Trabalho é adiado por conta do surto da Covid 19
 
         O Debate Nacional sobre Saúde e Segurança no Trabalho, um evento organizado e promovido pela ABRESST - Associação Brasileira de Empresas de Saúde e Segurança no Trabalho e que aconteceria em 3 de abril foi adiado.
         O debate que abordaria assuntos de alta relevância não apenas para todos da área de segurança e saúde no trabalho, mas para toda a sociedade, o como as discussões em torno das Normas Regulamentadoras 29 (trabalho portuário), 30 (trabalho aquaviário) e 32 (serviços de saúde); e claro, a pandemia, terá sua data remarcada assim que a entidade tiver segurança de que não há mais o risco de contaminação.
 
Mais informações para a imprensa
Sandra Cunha, jornalista
Mtb 26.095
sandracunhapress@terra.com.br
(11) 99694.8607 (whatsapp)
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »