22/05/2014 às 20h58min - Atualizada em 22/05/2014 às 20h58min

Prefeitura estabelece parceria com iniciativa privada para restaurar a Vila Itororó

Serão investidos R$ 4 milhões para recuperar o palacete e as mais de 20 casas construídas na década de 1920

Prefeitura da Cidade de São Paulo - Coordenação de Imprensa

A Prefeitura de São Paulo fez uma parceria com a iniciativa privada para restaurar a Vila Itororó, na Bela Vista, região central da cidade. Serão investidos R$ 4 milhões para recuperar o palacete e as mais de 20 casas construídas na década de 1920. O conjunto arquitetônico foi tombado pelos órgãos de patrimônio histórico municipal e estadual, mas atualmente está abandonado.

A obra, prevista para começar em junho, será patrocinada pelo Itaú Unibanco e pela Construtora Camargo Corrêa, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, a Lei Rouanet. Serão R$ 2 milhões investidos de cada patrocinador.

Nesta etapa inicial, que se estenderá até outubro, será feita a análise estrutural das edificações, limpeza geral do terreno, instalação do canteiro de obras, drenagem do solo, demolições e remoção de entulho e o início da consolidação das construções que compõem o conjunto arquitetônico. A conclusão de todas as etapas da restauração está prevista para ser concluída em 2 anos.

A vila histórica construída pelo empreiteiro português Francisco de Castro entre 1922 e 1929, na região da Bela Vista, é tombada pelos órgãos de patrimônio histórico municipal, o Conpresp, e o estadual, o Condephaat. Construída a partir de material de demolição do antigo Teatro São José, como é o caso das colunas gregas e outros elementos, trata-se de uma obra com muitas características inéditas: é a construção pioneira no Brasil a ser realizada com material “reciclado” e também a primeira com piscina particular com água vinda do Riacho Itororó.

O projeto de restauro é de autoria do arquiteto Décio Tozzi e Benedito Lima de Toledo, que o conceberam em 1974. Após atualizações ao longo do ano, foi aprovado pelos órgãos de preservação em 2010.

As diretrizes de uso do conjunto após o restauro levam em consideração aspectos como a reprodução da diversidade cultural da cidade como uma típica “vila paulistana”. O uso do espaço será multidisciplinar, com a aproximação de temas como a valorização do patrimônio histórico, artes, educação, gastronomia, lazer e entretenimento.

O projeto prevê espaços de lazer e convivência. Um museu multimídia sobre a Vila Itororó e a história de São Paulo na década de 1920 funcionará dentro do complexo que receberá, ainda, residência artística, salas de ensaio, espaços de cinema, teatro, dança, circo, oficinas e playground para crianças.

Imagens (registradas em 30/05/2013):
Crédito: Heloisa Ballarini / Secom


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »