19/05/2014 às 03h24min - Atualizada em 19/05/2014 às 03h27min

Consumo de aparelhos condicionadores de ar e a crise energética brasileira

O engenheiro Roberto Lamberts, especialista em eficiência energética apresenta desafios e soluções no atual cenário de crise energética brasileira.

Milka Veríssimo - Pitanga Comunicação

Porta-voz do CBCS - Conselho Brasileiro de Construção Sustentável, do Comitê Temático Energia, e coordenador do Labeee (Laboratório de Eficiência Energética em Edificações), na Universidade Federal de Santa Catarina, o engenheiro Roberto Lamberts apresenta desafios e soluções no atual cenário de crise energética brasileira.

A partir de recente publicação sobre o consumo de aparelhos condicionadores de ar no Brasil, Roberto Lamberts aponta a importância de priorizar o aumento da eficiência energética dos equipamentos com o estímulo à entrada de produtos mais eficientes no mercado e, também, investir em educação para o consumo racional de energia.

Em um país como o Brasil, com cerca de 71% da energia produzida a partir de matriz hidrelétrica, a necessidade de reduzir a dependência em relação ao uso da água pela diversificação da matriz energética e a busca por uso racional de energia ficam cada vez mais evidentes. A atual escassez de chuvas, o baixo nível de reservatórios de água no país e o aumento da renda média da população agravam, de forma explícita, o cenário de demanda crescente e abalo da segurança da oferta de energia.

O Brasil é o 9º maior consumidor de energia elétrica do mundo e o estudo da projeção do consumo para os próximos anos aponta continuidade da tendência de crescimento, com uma elevação em cerca de 55% (EPE, 2011). Grande parte dessa energia, assim como na maioria dos países do mundo, é destinada ao condicionamento artificial do ar. O Brasil figura, também, como o 5º maior comprador mundial de condicionadores de ar, considerando os aparelhos de janela e splits. Tal demanda tem se elevado rapidamente nos países desenvolvidos e ainda mais nas economias emergentes de clima quente. No ano de 2005, o condicionamento ambiental já representava 20% do consumo de energia elétrica no setor residencial brasileiro e 47% no setor comercial (ELETROBRÁS, 2009).

Desde 2001, o Brasil possui mecanismos legais para direcionar a política nacional de conservação e uso racional de energia. Porém, apenas em 2007 foi aprovada uma regulamentação específica de condicionadores de ar, estabelecendo níveis mínimos de coeficiente de eficiência energética. Tal coeficiente é a razão entre a capacidade total de refrigeração (expressa em Watts) e a potência elétrica demandada (expressa em Watts). Em 2011, nova regulamentação foi publicada alterando as exigências com o objetivo de elevar os índices mínimos.

A elevação do desempenho dos equipamentos é uma necessidade evidente, tendo em vista o atual panorama energético nacional. Porém, o nível mínimo estabelecido na regulamentação brasileira ainda se mostra tímido se comparado ao praticado em outros países. Os atuais níveis mínimos exigidos pela legislação nacional são compatíveis apenas com o apresentado atualmente na Índia e com o que havia na China em 2004. A China, porém, em 2010 já elevou tal valor, e vários outros países analisados já apresentam dados superiores aos brasileiros.

Uma análise a respeito de condicionadores tipo split demonstra que economias como União Europeia, China e Japão comercializam produtos com eficiência muito superior aos melhores equipamentos brasileiros. O aparelho mais eficiente no Brasil apresenta coeficiente de eficiência energética de 4,79 W/W. Já na China, país de onde são importados grande parte dos condicionadores de ar consumidos no Brasil, há equipamentos com valores superiores a 6,0 W/W, e no Japão tal coeficiente ultrapassa 6,5 W/W.

No Brasil, apesar da tendência de redução do uso de condicionadores do tipo janela, é importante manter o diálogo com a indústria, de forma a elevar os níveis mínimos de eficiência. Quanto aos splits, é imprescindível e urgente a determinação de níveis mínimos de eficiência mais elevados, impulsionando o mercado a privilegiar os melhores equipamentos. É também importante a adoção do coeficiente de eficiência energética sazonal como parâmetro na regulamentação brasileira para favorecer os equipamentos com tecnologia inverter, notadamente mais eficientes que os convencionais.

Leia a publicação na íntegra e acesse números e dados complementares em: http://cb3e.ufsc.br/sites/default/files/projetos/etiquetagem/nota-tecnica-niveis-minimos-ar-condicionado.pdf

PORTA-VOZ: Conselheiro e coordenador do Comitê Temático de Energia do CBCS - Conselho Brasileiro de Construção Sustentável, o engenheiro civil Roberto Lamberts é também coordenador do Labeee (Laboratório de Eficiência Energética em Edificações), na Universidade Federal de Santa Catarina, onde supervisiona projetos de pesquisa com ênfase em eficiência energética, bioclimatologia e conforto térmico. PhD em Engenharia Civil pela University of Leeds - UK.

 

Clarissa Turra
Assessora de comunicação e imprensa
CBCS - Conselho Brasileiro de Construção Sustentável
Email: comunicacao@cbcs.org.br
Tel: + 55 11 9.6339 1710 / + 55 11 9.9899 6318
CBCS no Facebook: http://tinyurl.com/facebook-cbcs


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »