01/04/2020 às 14h44min - Atualizada em 02/04/2020 às 16h39min

Entenda o que é a hipnose e como ela pode ser usada em tratamentos de saúde

As doenças psíquicas são consideradas um dos grandes males do século. A depressão, por exemplo, é prevista como a enfermidade mais incapacitante dos próximos 100 anos. A ansiedade e a dependência química compõem as outras doenças que afetam, principalmente, a mente humana.

Pessoas portadoras desses problemas, sendo temas ainda considerados tabu na sociedade, enfrentam dificuldade na pesquisa de um tratamento efetivo. Isso é um dos fatores que deixa a cura total mais desafiante. Mesmo planos de saúde completos podem ter lacunas no quadro de atendimentos preparados para lidar com essas questões.

Um tratamento pouco conhecido, entretanto bastante eficiente, tem se mostrado como solução para diversos casos. Estamos falando da hipnoterapia, ou seja, da aplicação da hipnose como tratamento terapêutico no auxílio à superação das enfermidades da mente e da alma.

Segundo o médico neurocirurgião Dr. Carlos Ribeiro, a hipnoterapia pode, na verdade, ser usada para qualquer enfermidade. Segundo o profissional, nossa mente entra em estado de transe várias vezes ao dia — quando choramos vendo um filme mesmo sabendo que é ficção, por exemplo.


Como funciona a aplicação da hipnose na terapia

O primeiro passo, geralmente, é entender o motivo do problema. Sessões prévias são feitas para que um profissional da saúde qualificado consiga identificar a raiz do bloqueio. Conversas rotineiras fazem parte desse período inicial. É também o momento em que o responsável técnico pelo procedimento esclarece as dúvidas do paciente.

Feito isso, ambos médico e paciente estão aptos para iniciar a indução do transe. Nas sessões, a pessoa revisita momentos traumáticos que ainda afetam o seu dia a dia e o profissional ajuda a assimilar a dor latente. 

É importante ressaltar que não existe perda de consciência durante o transe. O que acontece, na verdade, é uma ativa participação em algo que não se acessa no cotidiano. O papel do profissional que induz a hipnose é identificar quais emoções estão associadas ao problema em questão e auxiliar o assistido a entender o acontecimento de uma nova forma.


Taxa de cura

Uma pesquisa publicada pela revista American Health Magazine foi organizada pelo psicólogo estadunidense Alfred A. Barrios, Ph.D. em saúde mental, e revelou a eficácia da hipnose quando comparada com outras terapias psíquicas mais conhecidas e utilizadas.

O resultado demonstrou que a hipnoterapia tem uma taxa de até 93% de recuperação dos pacientes após seis sessões realizadas num período de 45 dias. Para se ter uma ideia, a taxa de recuperação da psicanálise, de acordo com a mesma pesquisa é de 38% após 600 sessões — o que levaria, em média, 11 anos e meio para acontecer.

A pesquisa compara, ainda, os resultados da terapia comportamental que teria taxa de recuperação de 72% dos pacientes, após 22 sessões, em cerca de seis meses de tratamento. A conclusão dos envolvidos na pesquisa é que a recuperação é mais rápida e mais eficiente com a hipnoterapia porque o paciente é tratado de maneira personalizada.


Cuidados a serem tomados

A hipnose é uma ferramenta de tratamento médico e deve ser usada como tal. Os riscos de o tratamento ter qualquer resultado negativo estão sempre associados a execução das sessões com pessoas não qualificadas. 

No passado, por exemplo, a hipnose já foi utilizada como mecanismo de revelar segredos. Ou seja, utilizou-se de uma técnica médica para invadir a privacidade psíquica dos pacientes. Além de antiético, utilizar essa prática com esse fim pode ter consequências ruins para o hipnotizado.

Outra prática que não se mostrou eficaz é a hipnose como forma de eliminar sintomas tais como dores. A ineficácia dessa motivação é bem simples: a hipnose se mostra efetiva apenas quando se trabalha a causa do problema, jamais a consequência.

Dito isso, para a hipnoterapia, ou qualquer outro tratamento, dar certo, é necessário que se proceda às sessões com profissionais qualificados da saúde. Médicos certificados e com boa reputação e recomendação de sucesso anterior são a melhor escolha para um tratamento que auxilie o alcance da cura.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »