31/03/2020 às 12h03min - Atualizada em 31/03/2020 às 17h08min

Como a queda do PIB brasileiro afeta a possibilidade de obtenção de crédito?

A cada queda do PIB (Produto Interno Bruto), a palavra “recessão” aparece nas manchetes. No dia 16 de março, a expectativa era de uma expansão de 1,68% do PIB brasileiro e foi a quinta semana consecutiva com uma revisão para baixo. Esses são números que podem dificultar na hora de conseguir um financiamento.

Com a pandemia do novo coronavírus, causador da doença infecciosa COVID-19, o Centro da Macroeconomia Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV) fez uma nova previsão. É possível que os efeitos da doença gerem uma retração de 4,4% do PIB brasileiro em 2020.

Se isso se confirmar ao final do ano, será a maior retração registrada desde 1962. Para a simulação, os cenários de crise doméstica e externa foram levados em consideração. A crise terá grandes consequências econômicas para o país e, para diminuir seus impactos, é necessário alcançar a normalização do mercado.

Voltando para o assunto da recessão, ela se configura quando, em dois trimestres consecutivos de um país, acontece a diminuição do PIB. O Produto Interno Bruto é o conjunto dos bens e serviços finais produzidos por determinado período de tempo em um país. Em geral, é contabilizado o PIB trimestral e anual.

Existem diversos fatores que influenciam a expansão ou contração do PIB. Confira:

 
  • Consumo privado: os gastos da família em consumo de bens e serviços. Ou seja, quanto mais as pessoas consomem, maior o PIB. Quando há uma queda do consumo, pode haver limitação no crescimento. Isso está ligado a suas variáveis: renda e taxa de juros.

  • Investimento privado: são os investimentos feitos pelas empresas. Seu nível irá depender da taxa de juros, neste caso, entendida no contexto da obtenção de capital, e do aquecimento das atividades econômicas. As projeções de expansão das atividades econômicas são fundamentais neste tópico.

  • Gastos públicos: é quando o governo deseja fazer uma obra e, para isso, precisa contratar profissionais, materiais e outros recursos. Essas atividades irão aumentar a economia como um todo, por isso, maiores gastos podem ser relacionados com o crescimento da economia. Isso é válido desde que não comprometa a saúde fiscal.

  • Balança comercial: refere-se às transações comerciais de um país e o exterior, sendo a diferença entre as exportações e importações. Quando se exporta mais do que se importa, a balança apresenta superávit. Quando acontece o contrário, há déficit. Quanto mais exportações, mais dinheiro entra no país e o PIB aumenta.


Relação entre PIB e linha de crédito

Quando o PIB segue em queda, fica mais difícil ter acesso a linhas de crédito. Isso acontece porque uma coisa dentro do sistema afeta a outra. Portanto, quando o PIB está com baixos resultados, o mercado fica receoso na hora de investir.

Porém, um cenário mais complicado é quando o futuro é incerto, gerando instabilidade. Assim, o mercado privado fica com medo de injetar dinheiro na economia e não gerar resultados.

Uma maneira de aquecer o mercado, e um recurso utilizado pelos governos, é aumentar os gastos públicos. Isso deve ser feito de forma estratégica, investindo em obras que irão gerar emprego e compra de materiais, movimentando a economia. 

Além disso, é importante ressaltar que quando há mais pessoas empregadas, há maior consumo, outro pilar fundamental para a alta no PIB. Quando o governo faz investimentos, ele também estimula as empresas privadas a injetar capital na economia e o sistema começa a rodar de uma maneira melhor.

Consequentemente, com um PIB alto há mais ofertas de obtenção de crédito, porque o mercado está mais estável, e é seguro emprestar dinheiro. Com isso, há mais investimento, sejam em pessoas físicas ou jurídicas, o que, novamente, faz com que a economia siga girando. 


Obtenção de crédito no Brasil

Por muito tempo, a única maneira de conseguir crédito era recorrendo aos bancos. O monopólio de mercado gerava uma liberdade para definição de taxas e formas de pagamento. Hoje em dia, há outras possibilidades para a obtenção de linhas de crédito e, com a competição do mercado, quem sai ganhando é o consumidor.

A linha de crédito pode ser usada como empréstimo ou financiamento. Existem diversas opções na Caixa Econômica Federal e no BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), além dos bancos privados.

Uma opção aos bancos, são plataformas de marketplace lending que fornecem empréstimos digitais. Nelas, a pessoa jurídica consegue falar diretamente com os investidores em potencial, facilitando o encontro entre empresários e instituições que precisam do aporte financeiro.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »