28/02/2020 às 17h10min - Atualizada em 28/02/2020 às 17h11min

O que é o hype e porque esse termo não sai da boca dos jovens?

Você certamente já deve ter ouvido o termo “hype” ao menos uma vez em sua vida, né? É impossível não lembrar do vídeo “Quanto custa o outfit?” e dos entrevistados mostrando peça por peça - caríssimas - do seu look.
 
Pois se engana quem pensa que ele é só uma designação para os itens da moda do momento! Mas você sabe o que ele significa e por que entrou no vocabulário dos jovens? Neste artigo vamos explicar tudo isso, confira:
 

Origem da palavra

O hype tem sua origem no latim hyperbole e no grego hyperbolé. O prefixo “Hiper” significa “além” ou “sobre algo”. Já “bole” significar “atirar”; juntando as duas partes, tem o sentido de algo exagerado ou em demasia.
 
Já o seu parente distante “hype”, tem origem inglesa: é relacionado à “hyperbole”, que significa algo grande e com tendências ao excesso.
 
Se traduzido para o português, o termo vira “hipérbole”, uma figura de linguagem muito popular e utilizada para expressar algo maior do que realmente é ou algum excesso. Por exemplo: em um dia de chuva dizer que está “caindo o mundo”.
 

Onde o hype é usado

 

Moda

Na cultura pop, se tornou uma gíria para expressar ideias e separar produtos, sobretudo peças de roupas, que se tornaram muito famosos mundo afora.
 
Um dos campos onde mais se utiliza o hype é a moda, servindo para catalogar marcas de grife como a Supreme,  a Off White, a BAPE (Bathing Ape), a Palace Skateboards e a Anti Social Social Club.
 
Outras empresas, antes tidas como artigos de luxo e que agora estão mais “popularizadas”, também passaram a ser consideradas algo hypado e da moda. Alguns exemplos são: Yeezy (linha da Adidas), Givenchy, Dolce & Gabbana, Gucci e Balenciaga.
 

Streetwear

Dentro da moda, há o streetwear: surgido nos anos 90 da mistura do Surf californiano e do Hip Hop em Nova Iorque.
 
É comum suas marcas lançarem suas novas linhas com um número baixo de exemplares, favorecendo a exclusividade dos produtos.
 
A técnica surgiu com a GOODENOUGH e seu criador: Hiroshi Fujiwara.  Para aumentar a visibilidade e popularidade de sua marca, o japonês resolveu criar coleções com altos preços e produtos em número limitado. Hoje, esse mesmo sistema é utilizado pelas marcas mais famosas do hype.
 
 

Filmes e séries

Também é comum a associação com filmes e séries populares e de grande apelo comercial. É comum ver pessoas dizendo que estão “hypadas” para assistir determinado filme. Abaixo, separei algumas das obras de maior sucesso e hype de 2019.
 
Séries: Lucifer, Stranger Things, 13 reasons why, La Casa de Papel, Orange is the new black, The Handmaid’s Tale, Sex Education, Elite, You e O mundo sombrio de Sabrina.
 
Filmes: Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw, Coringa, Toy Story 4, Capitã Marvel, Frozen 2, Rei Leão e Vingadores: Ultimato.
 

Música

O hype também é utilizado para designar alguns álbuns ou artistas que ganham proporções maiores do que realmente são, ou fazem um sucesso absurdo em um curto período de tempo.
 
A própria Beyoncé já criticou o hype dizendo que sente falta da experiência musical como um todo. “Hoje as pessoas escutam alguns segundos de uma música e não investem no álbum todo. É tudo pelo single, pelo hype, o que interfere na música, nos artistas e nos fãs”.
 
Só para se ter noção, confira os artistas mais ouvidos do mundo em 2019: Billie Eilish, Post Malone, Ariana Grande, Ed Sheeran, Bad Bunny, Khalid, J Balvin, Drake, Ozuna e XXXTENTACION.
 
Derivações
Também é comum ouvir o termo “hypado” servindo para categorizar algo que se encontra no auge de popularidade, sem necessariamente ser bom. Outros utilizam a palavra para expressar ânimo ou ansiedade com relação a algo.
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »