28/02/2020 às 16h22min - Atualizada em 28/02/2020 às 16h54min

Cárie no seu cachorro: o que fazer para prevenir?

 
 
Se você achou que sabia todos os detalhes sobre o seu animal, vai repensar essa afirmação depois de ler esta matéria. Os cachorros necessitam de cuidados de acordo com seu biotipo, idade e estilo de vida, semelhantemente aos seres humanos.
Uma de suas características mais particulares, diz respeito exatamente ao sistema bucal. Afinal, qual foi a última vez que você viu um cachorro com cárie? Embora seja um problema não tão comum, ele existe e cada dono pode adotar maneiras de prevenção na rotina de cuidados do seu pet.
 
Focinho de um, dentes do outro
Qualquer pessoa que já passou pela maca de um dentista e ouviu aquele barulhinho estridente sabe que é muito incômodo ter uma cárie. Poucos sabem que essa situação é a mesma para os cães.
O fato é que a boca dos caninos é bem diferente da humana. Eles possuem germes específicos de cada sua espécie. Além disso, a dieta dos cães tem pouquíssimo açúcar, o que reduz em cerca de 90% qualquer chance de aparecimento de cáries por ali.
O sistema bucal do ser humano é bem mais ácido que o dos cachorros. A bactéria responsável pela quebra do açúcar produz mais ácido, ocasionando manchas, buracos e dores tão conhecidos pelos humanos.
Em proporções numéricas, 90% das crianças em fase escolar apresentam alguma cárie, em comparação com 5% dos cachorros filhotes.
 
Como prevenir
A dieta dos cães, no geral, é baixa em açúcares, o que reduz drasticamente a possibilidade de que qualquer bactéria prejudicial se estabeleça nos dentes do seu animal.
A anatomia dos dentes e acidez da boca também são uma proteção natural dos caninos contra esse problema, mas o tártaro e dores de dente ainda podem acontecer durante a fase inicial — até os 5 anos — dos animais.
Entre 3 e 6 meses de idade, acontece a troca de dentes dos filhotes, e é a fase em que o tártaro e a queda de dentes de forma precoce pode acontecer. Para evitar esses problemas, existem duas maneiras simples de prevenção:
 
Escovação
Essa tarefa é pouquíssimo ou nunca realizada pelos donos de cães filhotes ou adultos. No geral, quem leva seus pets a veterinários e pet shops frequentemente para tomar banho e tosar acaba consumindo também esse serviço.
O ideal é que a escovação ocorra entre duas a três vezes por semana, sempre com produtos específicos para o tipo de dentes e pH do seu pet.
 
Roer
Pode ser considerada a “escovação natural” dos cachorros. Como muitos cães resistem à escovação através de cerdas e pastas com sabor, oferecer ossos — naturais ou de materiais sintéticos —, objetos e alimentos duros, como cenouras, pode garantir a eliminação natural das camadas de tártaro e acúmulos de alimento prejudiciais para os dentes dos cachorros. Além, é claro, de se tornar um hábito divertido na rotina do seu cão.
 
Mas e a cárie?
Em casos mais graves, existem procedimentos veterinários que vão remover a cárie do seu pet com aplicação de anestesia. Assim como nos humanos, a cárie afeta o interior dos dentes, podendo chegar na gengiva causando dores e desconforto nos animais.
Por isso é tão importante que os donos forneçam alimentos adequados ao biotipo de cada animal, respeitando uma dieta que não inclua alimentos industrializados, e muito menos os doces consumidos pelos humanos.
De maneira preventiva, faça um acompanhamento regular com um veterinário de confiança, além de estar atento a qualquer sinal estranho no comportamento do seu pet ao se alimentar, brincar ou apresentar falta de vontade de praticar essas atividades.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »