28/02/2020 às 16h45min - Atualizada em 28/02/2020 às 16h54min

Como o tecido certo reduz o risco de desenvolver doenças de pele

 
Expressão cultural e de personalidade, a roupa tem o papel funcional de proteger o corpo das agressões externas e das intempéries. A indústria vestuária, com crescente preocupação com o consumidor tem investido em pesquisa e desenvolvimento de tecidos cada vez mais inteligentes e que ajudam na saúde e no bem-estar do usuário.
 
Pensando nisso, separamos algumas funcionalidades atribuídas a tecidos tecnológicos.

Estímulo à circulação sanguínea

Os tecidos medicinais não são novos, mas têm se desenvolvido cada vez mais, aprimorando os benefícios proporcionados ao usuário. Se, antigamente, as meias cirúrgicas eram apenas feias e desconfortáveis, hoje, têm tecidos respiráveis e até “dedinhos de fora”, para ajudar a tornar seu uso um pouco melhor.
 
Esses tecidos que fazem compressão estimulam a circulação sanguínea dos membros inferiores, prevenindo o aparecimento de varizes e vasinhos e até melhorando a celulite.

Proteção solar

Os tecidos protegem da radiação ultravioleta e, com isso, são poderosos aliados na prevenção ao câncer de pele. A primeira forma de proteção se dá justamente por fazer uma espécie de barreira física, se colocando à frente da cútis diante dos raios nocivos do sol. Assim, o raio bate na roupa e é refletido, não atingindo o maior órgão do corpo humano.

Sem fungos ou bactérias

Não são apenas os tecidos mais requintados que ajudam o corpo a prevenir doenças. O básico algodão ainda é fundamental no uso do dia a dia justamente por ser feito de fibras naturais que absorvem o suor e a umidade da pele.
Diferentemente dos tecidos sintéticos, o algodão permite que a pele respire durante o uso, e isso previne a proliferação de fungos e bactérias que podem causar micoses, infecções e inflamações desconfortáveis.
 
É por isso que os ginecologistas indicam o uso de calcinha de algodão pelas mulheres, a fim de prevenir a candidíase, e os dermatologistas orientam sobre o uso de meias desse tecido para acabar com o chulé e micoses.

Ação cosmética

Alguns tecidos são produzidos com cápsulas cosméticas que promovem benefícios para a pele e para a beleza. É bastante comum encontrar bermudas e cintas de compressão com cápsulas hidratantes ou de cafeína, substância que estimula a circulação sanguínea, melhorando a recuperação pós-cirurgia estética e o combate à celulite e à flacidez.
 
Os cosméticos são inseridos no tecido em nanocápsulas que se rompem com o calor da pele, mas resistem a várias lavagens, prolongando sua vida útil.
 
Na mesma pegada vêm os trajes com repelentes que ajudam a evitar picadas incômodas de mosquitos perigosos, como os que causam dengue, zika e chikungunya, ou até dos que simplesmente atormentam, como moscas e muriçocas.
 
Outros tecidos têm ativos antimicrobianos, evitando a contaminação por microorganismos que podem causar alergias e irritações na pele, em especial no caso de atletas, que transpiram e têm muito atrito da cútis contra a roupa ao longo dos exercícios.

Evaporação do suor

Tecidos inteligentes têm sido muito usados no universo esportivo justamente por favorecerem a troca de calor com o ambiente. Isso é importante para prevenir a hipertermia, mas também ajuda na sudorese excessiva e, consequentemente, no mau cheiro causado por ela.
 
Em situações de extremo calor ou provas extenuantes, camisetas e bermudas feitas com esse tipo de tecido ajudam na performance e na respiração cutânea.

Funciona mesmo

Para que um tecido seja considerado inteligente, ele é testado várias e várias vezes por diferentes indústrias e laboratórios, que atestam a sua eficácia e qualidade.
 
Tantas provas podem fazer com que seu custo seja diferenciado e considerado elevado quando comparado ao de um tecido comum. De qualquer forma, há momentos em que o investimento é fundamental para a saúde, como no caso de pós-cirúrgicos e queimaduras, por exemplo.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »