20/12/2019 às 18h53min - Atualizada em 21/12/2019 às 00h03min

AquaRio vira referência em energia limpa com projeto da Faro Energy

Maior aquário da América Latina conseguiu evitar a emissão de 389 toneladas de gás carbônico por ano

DINO


Um dos pontos turísticos mais visitados do Rio de Janeiro e referência quando o assunto é vida marinha se transformou também em sinônimo de sustentabilidade e eficiência energética há mais de 2 anos, quando pouco se falava de solar no Brasil, demonstrando o pioneirismo das empresas envolvidas: de um lado o AquaRio, investida do Grupo Cataratas, e do outro a Faro Energy, empresa inglesa focada em projetos de energia renovável no Brasil. O AquaRio, maior aquário marinho da América Latina, conseguiu produzir aproximadamente 25% da sua energia através do sistema fotovoltaico da Faro Energy, instalado no seu telhado.

O projeto foi entregue em maio de 2017. Ao longo dos dois primeiros anos de operação, o sistema já gerou 1.745 MWh, e o AquaRio conseguiu uma redução média de 23% no seu gasto de energia, evitando assim a emissão de 389 toneladas de gás carbônico por ano na atmosfera, equivalente ao plantio de 2706 árvores.

No total, foram utilizados 2.200 módulos fotovoltaicos, cobrindo uma área de aproximadamente 6 mil metros quadrados (o equivalente a cinco piscinas olímpicas), e o sistema consegue produzir 73,6 mil kWh (quilowatt-hora) todos os meses. O acordo compreende um período de 25 anos, com um contrato de locação a longo prazo entre as empresas. A Faro Energy, especializada no investimento em projetos de geração e energia solar distribuída, e a responsável pela operação e manutenção do sistema fotovoltaico.

O AquaRio é considerado o maior aquário marinho da América Latina. Com uma área construída de 26 mil m² e cinco andares, o local abriga cerca de 8 mil animais de 350 espécies diferentes, distribuídos em 4,5 milhões de litros de água salgada. Desde sua inauguração, no fim de 2016, mais de 2 milhões de pessoas já visitaram suas atrações.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »