02/12/2019 às 11h30min - Atualizada em 02/12/2019 às 14h52min

Entenda como o computador quântico do Google pode impactar a sociedade

O Google atingiu o nível mais alto de desempenho e capacidade que um notebook ou até mesmo um supercomputador de mesa pode alcançar. A empresa anunciou que conseguiu executar cálculos em poucos minutos e que levariam 10 mil anos para serem concluídos com o computador mais rápido do mundo. Com isso e por outros procedimentos adotados durante o desenvolvimento, a companhia pode dizer que está no estágio da computação quântica.

Mas o que isso quer dizer? Basicamente, foi possível unir a mecânica quântica (uma área de estudo da física) com a ciência da computação. Participaram da pesquisa 76 especialistas. Entre eles, está um brasileiro, o mineiro Fernando Brandão, focado em entrelaçamento, uma das propriedades da física quântica. Os resultados do feito foram publicados na revista “Nature”.

De acordo com o Google, o chip quântico da empresa, chamado de Sycamore, conseguiu descobrir, em apenas 200 segundos, o segredo por trás de um gerador aleatório de números. Com isso, foi conquistada a supremacia da computação quântica. O PC superado foi da IBM, capaz de 200 petaflops (algo como 200 quatrilhões de cálculos por segundo).

A comunidade científica elogiou o feito, mas colocou alguns limites na descoberta. Em entrevista para o portal Uol, Bárbara Amaral, pesquisadora do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IF-USP), diz ser um avanço importante, mas fez ressalvas. "Como os computadores clássicos são muito poderosos e os computadores quânticos ainda são bastante rudimentares, é um desafio construir um dispositivo quântico que faça algo que um supercomputador clássico não seja capaz de fazer."

Cientistas da IBM, por sua vez, confrontaram a descoberta. Dario Gil, diretor da área de pesquisa da empresa, disse que era equivocado chamar de supremacia quântica a criação de um computador para um propósito específico. A companhia também publicou um artigo apontando aspectos dos computadores clássicos -- segundo ele, ignorados pelo Google.

A grande diferença dos computadores tradicionais para o computador quântico do Google é que, no primeiro caso, as informações são armazenadas em bits, sempre representadas pelo número 0 ou 1 -- não há como ser os dois ao mesmo tempo. Com um computador quântico, a história é diferente. O PC pode adotar diversos estados entre 0 e 1 simultaneamente, o que abre múltiplas possibilidades para várias áreas do conhecimento.

Os químicos, por exemplo, podem desenvolver modelos moleculares mais complexos, já que a capacidade de cálculo do computador é extremamente rápida e eficiente. Isso poderia resultar na descoberta de novos medicamentos. O mesmo raciocínio se aplica a outros setores, como agropecuária e área financeira. O ceticismo científico, contudo, questiona o fato desses computadores ainda serem muito rudimentares e imprevisíveis, dada a quantidade de qubits (unidade de armazenamento utilizada pelos computadores quânticos). Para proporcionar mais estabilidade, ainda serão necessárias mais pesquisas.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »