21/11/2019 às 16h49min - Atualizada em 22/11/2019 às 00h00min

See Color, Linguagem Tátil das Cores para cegos e deficientes visuais

A cor está presente em tudo, inimaginável um mundo sem cor, na natureza, no vestuário, na alimentação, nos medicamentos, na higiene, na decoração, na literatura, e por aí vai, elas são essenciais, fazem parte da vida e das tarefas cotidianas.

DINO
http://www.seecolor.com.br


A cor está presente em tudo, inimaginável um mundo sem cor, na natureza, no vestuário, na alimentação, nos medicamentos, na higiene, na decoração, na literatura, e por aí vai, elas são essenciais, fazem parte da vida e das tarefas cotidianas.

Conhecer as cores torna as pessoas independentes e capacitadas a fazerem suas próprias escolhas, uma vez que um deficiente visual não consegue fazer a identificação da cor, ele está excluído da sociedade e dependente de terceiros.

Pensando nisso, o see color, muito fácil, foi criado para dar autonomia, inclusão e contribuir para a educação das pessoas com deficiência visual, provocando uma mudança social no comportamento e a evolução do ser humano.

O que é o método

Assim como o braille, o ALTO RELEVO é utilizado para se fazer a leitura do método que é extremamente fácil, constituído apenas de UM PONTO sempre na posição central e DUAS LINHAS, UMA LINHA EM DIVERSAS ANGULAÇÕES, como ponteiros de relógio, que formam a variação das 104 cores que compõem a linguagem e a OUTRA LINHA ESTÁTICA NA HORIZONTAL ABAIXO. Ler esses símbolos permite a esses deficientes a possibilidade de eles "entenderem" as cores e terem uma melhor compreensão do mundo ao seu redor.

Como aprender o see color

O primeiro método para o aprendizado da linguagem foram os dois triângulos cromáticos em madeira. O maior com as três cores primárias nas extremidades: vermelho, azul e amarelo e, outro menor, com as três cores secundárias: lilás, verde e laranja. Uma haste com as cores neutras preto e branco compõem o "KIT PEDAGÓGICO see color" para o aprendizado da leitura correta da linguagem.
Os dois triângulos montados sobrepostos formando uma estrela de seis pontas e a haste, cruzando de um lado a outro, permitem o entendimento das cores, porque é aí que se cria a linguagem.

Quando, numa imagem mental, coloca-se um ponto ao centro dessa estrela, mantem-se uma das linhas estática na base, enquanto as outras linhas, como ponteiros de relógios, apontam para as extremidades ondes se encontram as cores primárias e secundárias. A linha estática são as cores neutras.

Uma vez tendo-se conhecimento do see color, que é extremamente fácil e apresenta uma nuance de 104 cores, basta aplicá-lo em objetos diversos de sua preferência, desde uma pílula até um carro, por exemplo.

Outros métodos de aprendizado são: SeeClock, Moldes vazados, Site (em construção), Redes Sociais, APP (em construção).

História

O projeto foi orientado pelos professores Dr. Ramón Sigifredo Cortés Paredes, Drª. Maria Lúcia Leite Ribeiro Okimoto e Dr. Milton José Cinelli.

E, a hoje Drª. Sandra Wt Marchi, do curso de Pós-graduação de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do Paraná (UFPR), criou o see color, um método de toque que oferece aos deficientes visuais a possibilidade de eles "entenderem" as cores, exatamente como tese para adquirir esse título.

Sobre a autora

Graduada em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Sandra veio para a capital paranaense para fazer mestrado e doutorado e se aprofundar nos estudos sobre as cores. "Em Curitiba eu comecei a pesquisar sobre Tecnologia Assistiva, que é aquela que contribui para proporcionar ou ampliar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e, consequentemente, promover vida independente e inclusão", conta.

O primeiro sistema que veio à mente foi o braille, sendo a principal linguagem tátil utilizada pelos cegos. Segundo Sandra, o problema, no entanto, é que essa linguagem é bastante extensa. Para escrever ‘amarelo’ em braille na etiqueta de uma roupa, por exemplo, fica muito longo. "Eu percebi que teria que ser algo tátil, fácil de memorização e com dimensões bem pequenas. Vi que já existiam tentativas pelo mundo de se criar códigos para cores, mas que não foram eficazes. Desta forma, a ideia era criar algo pequeno, mas que fosse perceptível ao tato, para que pudesse estar em qualquer objeto, do menor ao maior, e que o cego pudesse compreender facilmente".



Website: http://www.seecolor.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »