06/11/2019 às 17h00min - Atualizada em 08/11/2019 às 13h56min

Livro ‘Nequice’ aborda as facetas da mulher com narrativa visceral e excesso de lirismo

Uma literatura chocante, ímpar, assombrosa, profunda e sem gênero definido. Quem gosta de desbravar o novo e entrar em contato com modelos de escrita pouco convencionais, certamente vai ficar instigado a ler ‘‘Nequice lapso na função supressora’, segundo livro de prosas da autora Camila Passatuto.

O livro traz um enredo sobre mulheres reais. Violentas, machucadas, malandras, vítimas, assassinas, fortes, esquizofrênicas, psicopatas, entregues aos prazeres, cheias de medo, de defeitos, de amores, de raiva. A obra foi indicada ao prêmio Jabuti 2019 e pode ser considerada uma mistura nada convencional de poesia e prosa. Nessa estrutura textual  a há uma quebra de paradigmas ao retratar o ser mulher.    

“Nequice é escape. Procuro entranhar na narrativa de cada uma das personagens, ouvir delas o que elas pensam, como dizem e o que dizem… é necessário. Isso gera uma relação mais íntima com o leitor. As personagens deixam vazar suas falhas, elas provocam as violências, as ações, mas não as são,” explica a escritora Camila Passatuto, comparada pela crítica com poetas como Sylvia Plath e Ana Cristina César.

Passatuto começou a escrever aos 11 anos. Hoje, aos 31, pensa a literatura, em cenas, takes, ações, reações e abuso do absurdo. Sua maior preocupação é escrever com toda a propriedade possível, não importando o que tenha que ser feito para que isso aconteça. 

“Uso meu corpo como instrumento. Quando quero escrever sobre um afogamento, ou fico uns 10 dias sem tomar água e depois quase me afogo de tanto beber ou realmente provoco o afogamento, como já fiz uma vez. Isso causa o poder de propriedade. antes de escrever eu já fiz com que meu corpo provasse de todas as dores e aflições para que eu possa estruturar aquela personagem, livro ou projeto”, explica a escritora. 

Sobre o livro: 

Cenas urbanas, fábricas, crimes, transtornos mentais e uma linguagem que visa ferir. Essa é a atmosfera presente na obra ‘Nequice lapso na função supressora’ de Camila Passatuto. Publicado pela editora Penalux, o livro traz uma trama intimista, repleta de “arranjos vocabulares”  pouco convencionais, apresenta uma feminilidade transbordante de quem tem sede e raiva.

Mais Informações sobre  ‘Nequice lapso na função supressora’: 

https://www.editorapenalux.com.br/catalogo-titulo/nequice-lapso-na-funcao-supressora

https://nequicelivro.tumblr.com/?fbclid=IwAR0M89Nhq6en909Dft7BH6_bHPL48T5aUx_KsXbGfI9hMHl5bdF1TuvYcmQ

Os dois livros da autora: 

https://www.editorapenalux.com.br/autor/MTUy/Camila_Passatuto

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »