11/10/2019 às 14h49min - Atualizada em 15/10/2019 às 16h36min

Liderança inclusiva: como manter equipes multidisciplinares no ambiente de trabalho?

Idade, orientação sexual, diferentes etnias, necessidades especiais e gênero. Diferentes grupos que, se inseridos no mesmo ambiente de trabalho, formam uma equipe diversificada e multidisciplinar.
Atualmente é bastante comum ver empresas investindo em inclusão e diversidade dentro das organizações. Mas, simplesmente contratar grupos diferentes não garante que a empresa apresente um alto desempenho ou que seja admitida como uma empresa inclusiva.
A coach especialista em desenvolvimento de lideranças e certificada pela Marshall Goldsmith Stakeholder Centered Coaching, Carolina Valle Schrubbe, explica que somente uma liderança inclusiva garante que todos os membros da equipe sintam-se tratados com respeito e justiça, valorizados e pertencentes ao local de trabalho. “Há uma pressão muito grande para que as empresas consigam acelerar seus esforços de inclusão a fim de que se tornem acessíveis para todos os grupos de pessoas. Porém, a inclusão não pode acontecer apenas para benefício próprio da empresa, ela precisa engajar os colaboradores e aceitar que diferentes pensamentos e habilidades trazem benefícios para todos”, comenta.
Uma pesquisa realizada pela Harvard Business Review mostra que equipes que possuem líderes inclusivos têm 17% mais chances de obter um alto desempenho, 20% mais chances de tomar decisões de alta qualidade e 29% mais chances de relatar comportamento colaborativo.
A especialista explica que as lideranças corporativas precisam considerar o poder da diversidade e da inclusão para a geração de valor da empresa. “É preciso rever a forma de realizar o recrutamento, para que desde a contratação a empresa se mostre inclusiva e receptiva a todos os tipos de pessoas”, ressalta.
A real mudança acontece quando, além dos gestores da empresa, os colaboradores entendam que a diversidade e a inclusão faz parte do ambiente de trabalho e, que todos devem ser respeitados e tratados da mesma forma.
A Harvard Business Review, pesquisou mais de 4.100 funcionários sobre inclusão e entrevistou empresas consideradas altamente inclusivas. Com a pesquisa, foram identificadas seis características ou comportamentos que distinguem os líderes inclusivos dos outros:
Compromisso visível: articulam um autêntico compromisso com a diversidade, desafiam o status, responsabilizam os outros e tornam a diversidade e a inclusão uma prioridade pessoal.
Humildade: eles são modestos em relação às capacidades, admitem erros e criam espaço para que outras pessoas contribuam.
Consciência do viés: eles mostram o conhecimento de pontos cegos pessoais, bem como falhas no sistema e trabalham duro para garantir a meritocracia.
Curiosidade sobre os outros: eles demonstram uma mentalidade aberta, e profunda curiosidade sobre os outros, ouvem sem julgamento e buscam com empatia entender as pessoas ao seu redor.
Inteligência cultural: eles estão atentos às culturas de outras pessoas e se adaptam conforme necessário.
Colaboração eficaz: eles capacitam outras pessoas, prestam atenção à diversidade de pensamento e segurança psicológica e se concentram na coesão da equipe.
“As características observadas pela pesquisa são amplamente importantes para uma boa liderança. Se as pessoas dentro da empresa entenderem que tais ações são para benefício de todos, certamente a inclusão fará parte dos valores da organização”, afirma.
Carolina lembra que ainda há um longo caminho a ser percorrido para que as empresas tornem-se realmente organizações praticantes da diversidade. “As pessoas são importantes e querem ser respeitadas em todos os ambientes, principalmente, no trabalho”, finaliza.
 
Sobre Carolina Valle Schrubbe
Carolina Valle Schrubbe é coach executiva da Marshall Goldsmith Group e sócia da SINN Coaching. Seu trabalho é apoiar líderes para que aumentem a eficácia do comportamento de liderança, com impacto direto no resultado dos negócios. Soma mais de 15 anos de experiência corporativa, sendo, dez em liderança com cargos de gestão na Caixa Econômica Federal e nove anos de experiência como instrutora estratégica para líderes e seus times.   
Carolina é certificada em Global Leadership Assessment pela MGSCC, practitioner SOAR pela Florida Christian University e em Alpha Assessment pela SBC. Trabalha com o desenvolvimento de profissionais em todo o Brasil.   
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »