10/10/2019 às 13h09min - Atualizada em 10/10/2019 às 13h09min

Despoluição do rio Pinheiros, estudantes de São Paulo vencem Prêmio Universitário Aberje (PUA) com plano de comunicação

Com o projeto Pinheiros Transparente, grupo foi destaque entre 70 alunos de 14 instituições de ensino superior que concorreram à premiação

Redação
As vencedoras do Prêmio Universitário Aberje com Kelly, da Sabesp, e Hamilton, da Aberje
 

Alunos do quinto semestre do curso de Relações Públicas da Universidade Anhembi Morumbi, de São Paulo, foram os ganhadores da 12ª edição do Prêmio Universitário Aberje (PUA). O resultado da premiação foi conhecido nesta terça (8/10), após as apresentações dos seis finalistas da competição.

Com o projeto Pinheiros Transparente, as estudantes Giovanna Macedo, 22, Beatriz de Melo, 21, e Giulia Bertassoli, 25, conquistaram o primeiro lugar e receberão R$ 10 mil em dinheiro.

Atrás delas, e com o prêmio de R$ 5 mil, ficou outra dupla da Anhembi Morumbi. A terceira colocação foi para um grupo composto por alunos de engenharia da USP e da Universidade Federal de São João Del Rei, em Minas Gerais. Eles foram premiados com R$ 3 mil.

A equipe vencedora conta que participou pela primeira vez do PUA, mas que não esperava o resultado. “Já ficamos muito felizes quando fomos classificadas para a segunda fase. A gente não esperava vencer, mas trabalhamos muito, fizemos nosso melhor e passamos a noite fazendo o projeto e a apresentação”, disse Giovanna.

Para Beatriz, que foi quem convenceu as amigas a se inscreverem ao prêmio, a solução que elas encontraram para envolver o público com a despoluição do rio Pinheiros está embasada na transparência. “Queremos a transparência de um rio limpo, assim como achamos importante a transparência de tudo o que está sendo feito lá e que nem sempre a população sabe ou entende.”

Para Giulia, o grande diferencial do grupo foi o foco em soluções simples e fáceis de serem aplicadas. Entre as propostas das estudantes está a composição de um mapa do rio Pinheiros, com seus afluentes, para ressaltar suas ligações com o restante da cidade. A ideia é mostrar que a preservação do rio é um dever de todos e não apenas quem está em seu entorno.

O prêmio

Organizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) e com o patrocínio da Sabesp, a disputa é destinada a estudantes regularmente matriculados em cursos de graduação.

O objetivo da iniciativa é estimular a criatividade dos universitários no desenvolvimento de soluções para um desafio proposto, que desta vez foi "como engajar e mobilizar a população no projeto de despoluição do rio Pinheiros”.

Assim como nas edições anteriores, o tema não foi divulgado previamente. Inspirado em hackathons — modelo de criação tecnológica —, a proposta é levar os estudantes para uma imersão no campo criativo, num curto espaço de tempo. Todo o processo acontece em 48 horas.

A participação dos 70 inscritos de 14 instituições de ensino superior ocorreu em duas etapas. Na primeira fase, organizados em 21 equipes, eles receberam informações sobre o desafio que deveriam enfrentar e participaram de uma maratona de criatividade, que incluiu uma palestra com o superintendente da Sabesp, Fabio Toreta.

O diretor geral da Aberje, Hamilton dos Santos, conta que a associação tem dois projetos com foco no canal entre as empresas e as universidades: o Prêmio Universitário Aberje e o Escalando o Futuro. "Nosso objetivo com eles é olhar para a formação do comunicador do futuro.”

Segundo Santos, além dos ótimos resultados obtidos pelo empenho dos alunos participantes do PUA, a ação foi um meio de criar impacto no meio universitário sobre essa causa tão importante que é a despoluição do rio Pinheiros. "Poderemos ter uma legião de jovens conscientes com esse projeto”, afirmou.

Para Kelly Marques, gerente de engajamento da Sabesp, o prêmio tem o espírito do  grande desafio que está em pauta, que é a transformação do rio Pinheiros. “Precisamos do engajamento de todos nessa causa, e todos os projetos apresentados pelos estudantes se completam e poderão ser mesclados para que os objetivos sejam atingidos.”

Segundo a gerente, o projeto vencedor é sustentável, algo importante para ter continuidade ao longo do processo de despoluição do Pinheiros. Ela afirma que a curva de engajamento apresentada pelas estudantes para mobilizar as pessoas sobre a importância do projeto de despoluição foi muito clara.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »