26/02/2019 às 13h26min - Atualizada em 27/02/2019 às 17h43min

Carnitina, um dos suplementos ideais para a prática de Crossfit

O Crossfit se tornou, nos últimos anos, um dos programas de treinamentos mais praticados nas cidades brasileiras. Baseado na intensidade de movimentos funcionais, ele permite alcançar vários benefícios para o corpo, como a tonificação da musculatura, a resistência respiratória, a flexibilidade, a força, o equilíbrio e a agilidade.

Como são treinos mais pesados, a dieta precisa se adequar para um corpo que se esforça em demasia. Segundo Diogo Círico, nutricionista da Growth Supplements, as necessidades de proteínas são um exmeplo.

"As recomendações gerais são que um indivíduo sedentário consuma 1 g de proteína para cada 1 quilo de peso. Quando se trata de um atleta, porém, a medida muda: 1,6 g por quilo por dia e 2 g para pessoas engajadas em treinamentos de força, como crossfit", afirma.

Para ele, os praticantes de Crossfit precisam de grandes doses de carboidratos, aminoácidos e proteínas -- nutrientes que oferecem benefícios como melhora na resistência, a diminuição da dor muscular, a otimização no tempo de recuperação e o aumento da força, ou seja, coisas que não podem faltar para a modalidade.

Atletas de Crossfit, porém, devem considerar o exercício físico como um fator de demanda de proteínas tanto musculares quanto dietéticas. Nesses casos, é necessário distribuir a quantidade total de proteínas pelo número de refeições que se realiza ao longo do dia, considerando dois momentos específicos: após o treino, quando o organismo pede mais proteínas do que nos demais horários do dia, e na refeição que antecede o descanso.

A suplementação, quando indicada por um nutricionista, pode colaborar para -- como diz o nome -- suplementar a alimentação tradicional. No caso de atletas de Crossfit, há alguns produtos que são mais indicados, como é o caso da L-Carnitina: famosa por contribuir para a perda de gordura, ela é um nutriente de alta eficiência que aumenta as defesas imunológicas e o controle nos níveis de colesterol e de triglicéridos do organismo. Para o Crossfit, especialmente, ela é um benefício porque pode transformar a gordura corporal em energia e, além disso, reduzir o risco de lesões.

Outro suplemento indicado é a Creatina: naturalmente presente no corpo humano, especificamente nos tecidos musculares, ele também é encontrado em alimentos à base de carne. Sua importância está na produção de energia, fornecendo maior força e resistência durante os levantamentos de pesos e, em outras palavras, possibilitando treinos mais longos.

Por fim, muitos atletas de Crossfit consomem o BCAA -- sigla em inglês para "Aminoácidos de Cadeia Ramificada", nome que se deve ao fato da estrutura molecular destes nutrientes estarem ligadas de forma específica e diferente das demais. Ele possui três tipos distintos de aminoácidos: a leucina, valina e isoleucina, que são formulados de maneiras diversas por cada fabricante. Normalmente, os produtos no mercado brasileiro possuem mais leucina do que valina que, por sua vez, está em maior quantidade do que a isoleucina.

"A diferença real estará no indivíduo que irá consumir os BCAA: pessoas com boas condições físicas, que conseguem realizar treinos intensos e têm grande quantidade de massa muscular precisam de mais leucina do que dos demais. Já pessoas com pouca massa muscular e que estão em um nível iniciante de treinos estarão bem amparadas com a versão 2-1-1", explica Círico.

O suplemento com BCAA já foi estudado exaustivamente por cientistas da nutrição esportiva, que demonstraram recentemente que ele é melhor aproveitado quando consumido antes e depois do exercício físico. Neste tipo de uso, os BCAA ajudam a reduzir o dano muscular causado pelo esforço, a reagir à fabricação corporal de proteínas, além de influenciarem na recuperação de células de defesa do sangue e manterem a concentração plasmática de glutamina elevada.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »