18/06/2024 às 10h27min - Atualizada em 18/06/2024 às 14h05min

Abuso Sexual e Estupro Infantil : A Necessidade cada vez maior de Proteção Legal e Robusta.

Avanço significativo se fazem necessários atualmente.

SAMANTHA DI KHALI
Divulgação

O abuso sexual e o estupro de crianças são violações profundamente perturbadoras que têm efeitos de longo alcance e duradouros nas vítimas.
Esses atos não apenas causam danos físicos imediatos, mas também provocam traumas psicológicos duradouros que podem prejudicar o desenvolvimento e o bem-estar de uma criança. A Dra.Karina Chernacov, psicóloga especializada no tratamento de pessoas vítimas de trauma, é também mediadora familiar da suprema corte na Flórida nos Estados Unidos, fala mais sobre o assunto.
Dada a gravidade desses crimes, é imperativo que os sistemas legais, como o do Brasil, ofereçam proteção robusta a qualquer criança vítima de estupro.
A natureza criminosa do abuso sexual e do estupro em crianças destaca a necessidade de salvaguardas legais rigorosas para proteger os membros mais vulneráveis da sociedade.
Muito se fala sobre os danos emocionais, psicológicos, morais, e físicos do abuso infantil, mas a realidade sobre o impacto do abuso sexual e do estupro em crianças ainda é um tema a ser desenvolvido mais seriamente.

O abuso sexual e o estupro de crianças envolvem qualquer atividade sexual com um menor, incluindo, mas não se limitando a, penetração, molestamento e exploração. Esses atos hediondos podem ser cometidos por estranhos, conhecidos ou até mesmo membros da família. Independentemente do abusador, o impacto na criança é devastador.
Os efeitos Físicos e Psicológicos incluem as lesões físicas imediatas como hematomas, sangramentos e infecções. As consequências a longo prazo podem envolver dor crônica, infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e problemas de saúde reprodutiva, ou até mesmo a gravidez indesejada. Crianças que sofrem abuso sexual frequentemente enfrentam uma série de problemas psicológicos, incluindo transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), depressão, ansiedade e pensamentos suicidas.

Esses desafios de saúde mental podem persistir na vida adulta, afetando relacionamentos, desempenho acadêmico e perspectivas de carreira. Além de destruir a capacidade de confiança em estabelecer relações saudáveis futuras, destrói também a autoestima, causa transtornos de comportamento e de aprendizagem como apresentar mudanças comportamentais agressivas, isolamento, abuso de substâncias e automutilação. Esses comportamentos são frequentemente mecanismos de enfrentamento para o trauma não resolvido.
Avanço significativo se fazem necessários atualmente. O Código Penal Brasileiro precisa criminalizar e punir o estupro e o abuso sexual, com penalidades mais severas quando a vítima é uma criança. Movimentos sociais e instituições alertam para o fato da necessidade da legislação brasileira em conceder a crianças abusadas a interrupção de uma gravidez indesejada.

Além disso, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)precisa fornecer proteções abrangentes para menores, incluindo medidas para prevenir a exploração e o abuso sexual.
Toda criança, independentemente de sua origem ou circunstâncias, é inerentemente vulnerável. Sua idade, imaturidade física e emocional as tornam incapazes de dar consentimento a atividades sexuais. Portanto, a lei deve proteger inequivocamente todas as crianças contra a violência sexual, sem exceções.
A psicóloga  Dra. Karina Chernacov acrescenta que os predadores de estupro e abuso sexual infantil devem ser responsabilizados por suas ações. Um quadro legal forte que proteja todas as crianças vítimas de estupro é essencial para garantir que os agressores enfrentem as consequências de seus atos e que as vítimas recebam o apoio necessário para sua recuperação e reabilitação: Esse é trabalho de todos nós!

Saiba mais sobre a psicóloga Karina Chernocov pelo instagram:

@Karina.chernacov

 

 

 


Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
Samantha di Khali Comunica
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp