20/05/2024 às 16h06min - Atualizada em 20/05/2024 às 20h02min

Câncer de ovário: conscientização é essencial para tratamento desta doença silenciosa

OS2 COMUNICAçãO
Arquivo - Instituto de Oncologia de Sorocaba
Maio é reconhecido como o mês dedicado à conscientização e divulgação de informações sobre a prevenção do câncer de ovário. Durante este período, diversas campanhas são promovidas com o intuito de alertar a população sobre esse tipo de tumor, que anualmente afeta mais de 300 mil mulheres em todo o mundo. No Brasil, figura como o oitavo câncer mais comum, com uma estimativa de 7.310 novos casos por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) para o triênio 2023-2026.
 
A conscientização sobre a doença, seus fatores de risco e dos sinais precoces no corpo é de suma importância, uma vez que, nos estágios iniciais, os sintomas específicos são escassos. Isso frequentemente resulta em diagnósticos tardios, tornando o tratamento mais desafiador. Segundo a Dra. Gabriela Filgueiras Sales, oncologista do Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), sintomas como desconforto ou aumento do abdômen, dificuldade para comer, sensação de estufamento mesmo após refeições leves, micção frequente e ganho de peso inexplicável devem ser observados. "Mudanças nos hábitos intestinais, sangramento vaginal e fadiga incomum também podem ocorrer", acrescenta a Dra. Gabriela. 
 
Identificação dos sintomas e fatores de risco
 
Como esses sintomas podem ser confundidos com outras condições de saúde, muitas mulheres não suspeitam inicialmente do câncer de ovário, atrasando a busca por ajuda médica. "É crucial consultar um médico se os sintomas persistirem por mais de 15 dias", adverte. Embora não haja um exame específico para rastreamento do câncer de ovário, como o papanicolau para o câncer do colo do útero ou a mamografia para o câncer de mama, a ultrassonografia transvaginal pode fornecer indícios de alterações ovarianas que exigem investigação adicional. 
 
Além disso, certos grupos têm maior susceptibilidade à doença, como mulheres de idade avançada, que tiveram filhos após os 35 anos, que experimentaram a terapia hormonal após a menopausa ou que têm histórico pessoal de câncer de mama. "Fatores como obesidade, tabagismo, síndromes hereditárias e histórico familiar também aumentam o risco de câncer de ovário", esclarece a oncologista.
 
Mesmo não sendo possível prevenir totalmente o câncer de ovário, adotar um estilo de vida saudável, combatendo o tabagismo, o sedentarismo e a obesidade, pode reduzir o risco. Além disso, ao identificar sintomas relacionados à doença, é fundamental buscar assistência médica especializada para diagnóstico precoce e tratamento adequado. "Quanto mais cedo o diagnóstico, maiores são as chances de cura", conclui a Dra. Gabriela.
Sobre o Instituto de Oncologia de Sorocaba
 
Referência há 28 anos em quimioterapias e infusões oncológicas e não oncológicas, o Instituto de Oncologia de Sorocaba (IOS), junto com o Hospital Evangélico de Sorocaba, integra o hub Sorocaba da Hospital Care, uma das maiores administradoras de serviços de saúde do país.
 
O Instituto possui uma equipe multidisciplinar altamente capacitada formada por médicos, farmacêuticos, nutricionista, psicóloga e enfermeiros. Com estrutura completa, conta com quartos individuais e acolhedores e atendimento humanizado.
 
O IOS tem acreditação internacional de qualidade pela ACSA (Agencia de Calidad Sanitaria de Andalucía) desde 2021. Foi a segunda instituição de oncologia no país a obter esta certificação.
 

Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
Juliana Moreno Rosa Martins
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp