17/05/2024 às 11h02min - Atualizada em 18/05/2024 às 00h00min

Notícias de incêndios estruturais sobem 6,8% até abril 

Monitoramento diário de ocorrências de incêndios no País, realizado pelo Instituto Sprinkler Brasil, contabiliza 781 reportagens 

VINICIUS PEREIRA
Divulgação: ISB

 

Uma imagem contendo garrafa, relógio, grande, laranja    Descrição gerada automaticamente

Uma imagem contendo garrafa, relógio, grande, laranja Descrição gerada automaticamente

Notícias de incêndios estruturais sobem 6,8% até abril 

 

Monitoramento diário de ocorrências de incêndios no País, realizado pelo Instituto Sprinkler Brasil, contabiliza 781 reportagens 

 

As notícias de incêndios estruturais estão em alta neste ano.  É o que revela levantamento do Instituto Sprinkler Brasil, organização sem fins lucrativos que tem como missão difundir o uso de sprinklers nos sistemas de prevenção e combate a incêndios em instalações industriais e comerciais no País. Por meio do monitoramento diário de notícias de incêndios no Brasil, o Instituto conseguiu capturar 781 ocorrências de incêndios estruturais nos quatro primeiros meses deste ano, representando alta de 6,8% ante o mesmo período do ano anterior, quando foram registradas 732 notícias. “Divulgamos o número de notícias porque os corpos de bombeiros estaduais se recusam a publicar suas estatísticas reais de incêndio", explica Marcelo Lima, consultor do ISB 

 

Os números representam crescimento em comparação com o mesmo período de 2022 ( 694 ocorrências) e também em relação aos quatro primeiros meses de 2021, quando foram capturadas 725 reportagens.  "Continuamos com alta quantidade de ocorrências de incêndio pelo País. Os casos refletem um conhecido problema em edificações. Temos exemplos nas indústrias, shoppings, hospitais e outros locais. Esses incêndios tradicionalmente acontecem por problemas de qualidade de equipamento, falta de manutenção, erros de projetos e de instalação, problemas de treinamento da mão de obra. Também há um desinteresse dos proprietários pela proteção contra incêndio, fazendo somente o mínimo necessário para ser aprovado pelos bombeiros", aponta o consultor do ISB.  

 

Os sinistros contabilizados são os chamados “incêndios estruturais”, ou seja, aqueles que poderiam ter sido contornados com a instalação de sprinklers e ocorreram em depósitos, hospitais, hotéis, escolas, prédios públicos, museus, entre outros. O ISB não inclui nas estatísticas os incêndios residenciais, que apesar de também serem incêndios estruturais, não são objeto de acompanhamento porque a legislação de segurança contra incêndio não se aplica a residências unifamiliares, onde acontece o maior número de ocorrências. 

 

A legislação de prevenção e combate a incêndios é estadual e está atualizada. A de São Paulo é uma das mais avançadas do País e serve de modelo para grande parte do Brasil. "A questão está em aplicá-la corretamente", explica Marcelo Lima.  

 

“O estado exige a instalação de sistemas de incêndio, mas não faz qualquer exigência quanto ao nível de qualidade dos equipamentos. Não há certificação, exceto para extintores. Com isso, temos sistemas instalados por todo o Brasil que atendem plenamente à legislação, mas que provavelmente não funcionarão e isso só será descoberto no pior momento, durante uma ocorrência de incêndio”, conclui Lima.  

 

Uso de sprinklers ainda é tímido   

  

Em pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos junto a empresas multinacionais e de capital nacional com mais de 250 funcionários a pedido do ISB, revelou que o grau de adoção de sprinklers nas empresas é baixo. Apenas 36% das 300 companhias entrevistadas pelo Ipsos disseram contar com sistemas deste tipo em suas instalações.   

  

O levantamento mostrou ainda que apenas 14% das entrevistadas disseram contar com sistema deste tipo em todas as suas unidades e 22% declararam contar com o sistema em apenas algumas unidades operacionais.  

  

O estudo detectou que o uso de sprinklers é maior entre as multinacionais. 48% das empresas estrangeiras, com operações no país, ouvidas pelo levantamento, disseram ter sprinklers em suas operações. Entre as empresas nacionais, o índice é de 34%.  

  

O porte também influi na aderência a este tipo de tecnologia. O índice de uso sprinklers em empresas com mais de 500 funcionários é de 45%. Entre empresas menores, com 250 a 499 funcionários, o percentual é de 28%.  

   

Sobre o ISB (Instituto Sprinkler Brasil)    

O Instituto Sprinkler Brasil (ISB) é uma organização sem fins lucrativos que tem como missão difundir o uso de sprinklers – também conhecidos como chuveiros automáticos – nos sistemas de prevenção e combate a incêndios em instalações industriais e comerciais no País. Fundado em 2011, o ISB defende o uso desta tecnologia como a medida mais eficaz de evitar perdas humanas e materiais.  

  

INFORMAÇÕES DE IMPRENSA  

  

Conteúdo Comunicação  

  

Ricardo Morato ([email protected])  

Cel. (11) 98799-5868  

  

Carol Freitas ([email protected])  
Cel. (11) 99196-3890 

 


Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
VINICIUS PEREIRA SANTOS
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp