16/05/2024 às 15h41min - Atualizada em 17/05/2024 às 04h03min

Computadores que seriam descartados promovem inclusão digital em comunidade de Betim

Projeto Solidariedade Inclusiva, do Instituto Ramacrisna, restaura os equipamentos e doa para crianças em situação de vulnerabilidade

CAROLINA NOGUEIRA
Antenados Produtora
Com o rápido avanço da tecnologia, o número de materiais eletrônicos em desuso pela população cresce significativamente a cada dia. Segundo levantamento realizado pela Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil é responsável pela produção de 2 milhões de toneladas de lixo eletrônico, sendo o quinto maior produtor destes resíduos no mundo.

E se parte destes resíduos pudessem se tornar ferramenta de conhecimento? Esse é o propósito do projeto Solidariedade Inclusiva, realizado pelo Instituto Ramacrisna, em Betim. Criado em 2013, o projeto recebe doações de computadores usados e defeituosos para serem restaurados pelos alunos do Curso Profissionalizante de Operador de Computador, ministrado pela própria Instituição, e, posteriormente, os destina às crianças em situação de vulnerabilidade que integram o CAER - Centro de Apoio Educacional Ramacrisna. Para estar apto a receber a doação de computador, os alunos devem demonstrar comprometimento, frequência nas oficinas, bom desempenho escolar e não possuir computador em casa.

O professor do curso, César Mendes, conta que os benefícios do projeto vão além do acesso à tecnologia para as famílias beneficiadas. “O projeto tem proporcionado não apenas acesso à tecnologia para crianças em vulnerabilidade social, mas também oportunidades de aprendizado prático e qualificação profissional para os alunos do curso de Operador de Computador aqui do Ramacrisna, uma vez que o material permite que aprendam na prática o dia a dia da profissão. As escolas de formação profissional no geral não oferecem essa prática, o que acaba deixando o currículo dos alunos defasado”, explica.

Descarte consciente

Além de contribuir para a formação de novos profissionais e proporcionar a inclusão digital de famílias em vulnerabilidade social, o projeto Solidariedade Inclusiva tem um papel importante na preservação ambiental.

O Instituto possui uma parceria com a Emile – empresa especializada em reciclagem de lixo eletrônico. Todo o material doado ao Ramacrisna passa por uma triagem e, o que não pode ser reaproveitado, é recolhido para que possa ter a destinação correta.
 
“O projeto trabalha diversos pontos que são de extrema importância para a sociedade, e a preservação ambiental é uma delas. A destinação correta dos eletrônicos contribui significativamente para isto e o Ramacrisna preza por ações como esta”, destaca César.  

Faça parte

As doações para o projeto são fundamentais para sua continuidade e podem ser entregues tanto em Betim na sede da Ramacrisna, no bairro Santo Afonso ou nos Núcleos dos bairros Petrovale e Imbiruçu. Além disso é possível entregar nas cidades de Ibirité e Belo Horizonte também.  Empresas e pessoas físicas podem contribuir com essa iniciativa e não há uma quantia mínima para o recebimento dos materiais.

SERVIÇO

Endereços para entrega de doações:

Betim:
Sede do Instituto Ramacrisna: Rua Mestre Ramacrisna, 379, Santo Afonso.
Núcleo Petrovale : Rua Espanha, 31, loja 3 – Petrovale.
Núcleo Imbiruçu : Rua Luzia de Jesus Barbosa, 20, Imbiruçu.

Belo Horizonte: 
Rua Rio Casca, 387 – Carlos Prates.


Ibirité: 
 Avenida Babaçu, 450, Palmeiras.

 

Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
CAROLINA NOGUEIRA SILVA
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp