16/05/2024 às 08h50min - Atualizada em 17/05/2024 às 04h03min

Mudanças climáticas exigem planejamento dos municípios, alerta Apecs

Somente 13% das cidades com riscos possuem um plano

EMILLY ANDRADE
Divulgação
Divulgação
As chuvas intensas que atingiram os municípios gaúchos, provocando mortes e destruições, reforçam o atraso das cidades brasileiras no enfrentamento dos impactos causados pelas mudanças climáticas. “O Brasil precisa urgentemente adotar o planejamento como forma de reduzir os danos causados por esses períodos de chuvas extremas e estiagem. Caso contrário, os prejuízos se multiplicarão”, alerta o engenheiro Luiz Pladevall, vice-presidente da Apecs (Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente) e presidente da Abes-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental).
 
O dirigente explica que as ações são complexas, dependendo da realidade de cada município: “A ocupação adequada do solo precisa ser uma das primeiras iniciativas e deve seguir critérios técnicos rigorosos. Não é possível tolerar mais tanta ocupação irregular. Precisamos inibir essa iniciativa e acelerar a oferta de moradias em localidades seguras”.
 
O crescimento urbano desordenado nas últimas décadas e a falta de planejamento têm impactos diretos no escoamento das chuvas. Assentamentos e ocupações irregulares em Áreas de Preservação Permanente (APP) e em Áreas de Proteção e Recuperação de Mananciais (APRM) são exemplos de uso inadequado do solo. “O despreparo dessas localidades é evidente. Apenas 42,5% das cidades brasileiras têm dados cadastrados no sistema de drenagem e manejo de água pluviais, o DMAPU, fornecido pelo Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, o SNIS”, detalha Pladevall.
 
Outro importante passo para os municípios é o equilíbrio entre áreas verdes e as regiões ocupadas. “A oferta de parques e áreas verdes ajuda na permeabilidade do solo, mas as administrações municipais podem ir além e incentivar a construção de moradias com áreas permeáveis com incentivos fiscais e a redução do IPTU, por exemplo”, avalia Pladevall.
 
O engenheiro destaca ainda a importância das Soluções Baseadas na Natureza (SBN, ou Nature-based Solutions – NBS, em inglês), que são iniciativas inspiradas, apoiadas ou até mesmo copiadas da natureza, que podem ajudar a enfrentar os desafios de forma eficaz e de baixo custo, alcançando benefícios ambientais, sociais e econômicos. “Os exemplos de uso dessas técnicas já são aplicados em diversas cidades pelo mundo com resultados muito animadores, inclusive reduzindo em até 36% os alagamentos”.
 
Para o engenheiro, não há uma solução única no enfrentamento das mudanças climáticas: “A engenharia consultiva pode oferecer soluções integradas, inclusive com tecnologias de menor impacto e sustentável. Investir em cidades mais resilientes é o único caminho para reduzir eventuais prejuízos futuros, precisamos diagnosticar os problemas, planejar e implementar as ações previstas nesses planejamentos”.
 
Sobre a Apecs
A Apecs foi fundada em 1989 e congrega atualmente cerca de 30 das mais representativas empresas de serviços e consultoria em Saneamento Básico e Meio Ambiente com atuação dentro e fora do país.
 
Essas empresas reúnem parte significativa do patrimônio tecnológico nacional do setor de Saneamento Básico e Meio Ambiente, fundamental para o desenvolvimento social e econômico brasileiro, estando presente nos mais importantes empreendimentos do setor.

Informações para a imprensa:
Ex-Libris Comunicação Integrada - (11) 3266-6088
Edmir Nogueira – [email protected] – (11) 96199-3369
Marco Berringer – [email protected] – (11) 99393-3088
Edgard Léda – [email protected] - (11) 97254-1878
 

Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
EMILLY SANTOS DE ANDRADE
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp