29/02/2024 às 11h11min - Atualizada em 01/03/2024 às 00h03min

Bate-papo no sábado (2/3) encerra a exposição “Territórios” no MARP

Verbo Nostro
Verbo Nostro
divulgação
A exposição “Territórios” chega nos seus últimos dias em Ribeirão Preto e terá encerramento com o bate-papo “As relações entre as obras e o espaço expositivo” no próximo sábado (2/3), às 10h, no MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto “Pedro Manuel Gismondi”. O encontro reunirá a artista visual Marcia Gadioli, o arquiteto Marcelo Salles e o diretor do MARP, Nilton Campos para uma conversa com o público.

A abordagem dos três profissionais se centrará na expografia - o conjunto de técnicas usadas no desenvolvimento de uma exposição, que segundo Marcia Gadioli, geralmente aborda três elementos básicos: o conteúdo, a ideia e a forma – e os três referenciais juntos geram a percepção, a experiência e a estética da apresentação. “Quero apresentar ao público como a expografia se constrói. Para isso, abordaremos os processos de construção de uma exposição, com quem o arquiteto – quem geralmente cuida da expografia – conversa e lida com o contratante, o acompanhamento da montagem”, explica Marcelo Salles.

Outro assunto que o arquiteto pretende trazer para este encontro está relacionado à arquitetura do espaço e em como ele pode influenciar na disposição da exposição, inclusive utilizando a mostra “Territórios”, de Marcia Gadioli, como exemplo, já que a produção será itinerante e montada posteriormente em outros espaços diferentes do MARP. “As obras apresentadas ao público em outras cidades serão as mesmas, mas acabam sofrendo adaptações para cada espaço. Ainda teremos a visão da artista em como esse lugar pode influenciar nas imagens”, comenta o arquiteto. 

“Espero ter uma aproximação ainda maior com o público. É comum imaginarmos o artista em um pedestal, intocável, mas quero desmistificar isso. Sou uma profissional como qualquer outra pessoa”, revela Marcia sobre as expectativas com a atividade. Para Marcelo, além disso, será uma ocasião para desvendar importância da expografia no processo de montagem de exposições. “Uma exposição mal montada é um fiasco. O público pode não entender sobre arte, mas se ele chega em um espaço que não houve uma expografia na montagem, perde o interesse”, acrescenta.

O diretor do MARP, Nilton Campos, explica que promover bate-papos com artistas é uma iniciativa que faz parte da rotina do MARP. “Essa é uma tradição que mantemos na nossa programação. É um momento extremamente rico, pois o público pode ter um contato mais direto com estes artistas, assim como possibilita uma troca entre os próprios artistas que estão expondo simultaneamente”, finaliza Campos.

Mostra
“Territórios” reúne a produção dos últimos dez anos da artista Marcia Gadioli, desde sua primeira pesquisa sobre a paisagem urbana de São Paulo, até suas últimas experimentações com meios e processos fotográficos alternativos. O conjunto é formado por mais de 50 obras produzidas em diferentes meios: vídeos, fotografia analógica e livros de artista. 

A exposição pode ser visitada até o próximo sábado (2/3), de forma aberta e gratuita, sendo de terça a sexta, das 9h30 às 12h e das 13h às 17h30. No sábado, a visita funciona das 9h às 15h. O MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismond fica na rua Barão do Amazonas, 323, Centro, Ribeirão Preto. 

Depois de Ribeirão Preto, a exposição “Territórios” passa pela Pinacoteca de São Bernardo do Campo, de 16 de abril a 12 de julho. E, em seguida, será montada no MIS Campinas, de 2 de setembro a 31 de outubro.

Sobre a artista
Marcia Gadioli é artista visual e pesquisa as consequências das alterações urbanas na memória do indivíduo. Utiliza a fotografia como linguagem principal, assim como a captura digital, a apropriação de imagens do jornal, de fotografias antigas do acervo familiar e vernaculares para estabelecer conexões entre a memória pessoal e a coletiva. Atualmente integra grupo de estudos com orientação de Sylvia Wernek. Participou da Residência Artística Internacional ACHO com orientação de Fabiana Bruno e Óscar Guarín Martinéz, da Imersão de Verão em Poéticas Visuais com Renato de Cara, na Gare Cultural e do Coletivo Forma, com orientação de Nancy Betts, em São Paulo. 

Formada no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, Marcia Gadioli expõe em salões de arte contemporânea, galerias e espaços culturais desde 2005. Criou e dirige, em parceria com o curador e crítico de arte Marcelo Salles, a Casa Contemporânea, espaço cultural independente localizado em São Paulo onde vive e trabalha.

Sobre Marcelo Salles
Marcelo Oliveira Salles formou-se em arquitetura e urbanismo pela Universidade Mackenzie em 1993. A partir daí desenvolve pesquisas de forma autônoma em teoria da arquitetura, artes visuais e curadoria. Coordena e organiza projetos próprios ou propostos por outros artistas, curadores e críticos além de acompanhamentos individuais de artistas, orientação de grupos de estudos e/ou produção. Curador de várias exposições individuais e coletivas, criou e dirige, desde 2009, em parceria com a artista Marcia Gadioli, o espaço independente Casa Contemporânea voltado para exposições, grupos de pesquisa em arte contemporânea cursos e ateliê. Nasceu em São Paulo onde vive e trabalha.

SERVIÇO
Bate-papo “As relações entre as obras e o espaço expositivo”, com Marcia Gadioli, Marcelo Salles e Nilton Campos – com interpretação em Libras
Data:  2 de março de 2024
Horário: 10h
Local: MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi (rua Barão do Amazonas, 323, Centro, Ribeirão Preto – SP)
Informações: (16) 3635-2421
Entrada: Gratuita e aberta ao público.

Programação da mostra
Visitação aberta ao público:
De 26 de janeiro a 2 de março de 2024
Terça a sexta, das 9h30 às 12h e das 13h às 17h30
Sábados:  das 9h às 15h
(Exceto feriados e pontos facultativos)

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp