07/12/2023 às 10h26min - Atualizada em 08/12/2023 às 00h08min

Clima, biodiversidade e justiça social

*Giovanna Cappellano

Lícia Maria Assunção Martins
Grupo Sabará
A relação simbiótica da biodiversidade com o clima, seja ela analisada de forma micro ou macro, existe desde o surgimento da vida, embora a espécie humana tenha conhecimento apenas de um recorte de tempo. Levando em consideração o período pós-revolução industrial e os dias atuais, a humanidade e sua própria relação com a natureza e a biodiversidade teve grande impacto no mundo da forma como conhecemos hoje.

Talvez, neste momento, uma parte da humanidade esteja cansada de ouvir sobre a mudança do clima, enquanto a outra sinta preocupação – e, quem sabe, haja até uma terceira parte que nem tenha ciência a respeito do que se vem discutindo. O fato é que não importa onde você se encaixe, esse assunto impacta a sua vida de alguma forma, seja prejudicando uma viagem de férias, por conta do calor extremo, ou pelo preço dos alimentos no mercado, devido às chuvas devastadoras fora de época. Fato é que, segundo o IPCC (Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas), mais de 40% da população do planeta está “altamente vulnerável” à mudança do clima.

Este assunto está sendo discutido desde o evento ECO92 (ou Rio92), e com a assinatura de um acordo na COP21, em 2015, em Paris, dando início ao Acordo de Paris e à Agenda 2030. Mas apenas em 2020, quando entramos no que a própria ONU chama de “Década da Ação”, começamos a enxergar um movimento robusto do mercado (devido à entrada nesta década e a outros motivos) para ações de redução e mitigação da mudança do clima.

Para este ano, espera-se que na COP28, em Dubai, os 196 países que assinaram o Acordo de Paris discutam formas de cooperação entre os desenvolvidos (com seu desenvolvimento baseado em altas emissões de GEE) e os em desenvolvimento (os que mais devem sofrer com a mudança do clima e com menos recursos para adaptação). Essas diretrizes são amplamente discutidas no artigo 6 (Mecanismos de Mercado) e no artigo 9 (Financiamento Climático) e são fundamentais para otimizar os esforços de mitigação, além de garantir que os países em desenvolvimento possam enfrentar os desafios das mudanças climáticas e realizar transições econômicas sustentáveis.

Nesse sentido, outros assuntos também começaram a ganhar força, entre eles a biodiversidade e a natureza, que por tanto tempo foram consideradas elementos secundários nas discussões globais e agora ocupam um lugar de destaque na agenda ambiental.

No Brasil, um país em desenvolvimento, e onde milhões de pessoas dependem direta e indiretamente da biodiversidade, os serviços ambientais, mecanismos de mercado e financiamentos que premiem e fomentem desenvolvimento da bioeconomia real são, a meu ver, a melhor maneira de enfrentar as mudanças do clima a longo prazo (entenda que ações de impactos mais imediatos não estão sendo discutidas aqui).

O investimento no desenvolvimento bioeconômico do país deve ter grande impacto não somente na biodiversidade, com a restauração e a regeneração de áreas degradadas e o consequente aumento do volume de carbono sequestrado e armazenado no solo, mas também deve envolver as pessoas e comunidades que mais serão atingidas pelas mudanças do clima. Ao proteger a biodiversidade, restaurarmos ecossistemas, promovermos a justiça social e construímos um caminho sólido para um futuro resiliente e sustentável, em que todos, sem exceção, colham os frutos dessa interdependência vital.

Dentre os exemplos de sucesso e resultados concretos, cito o case do Grupo Sabará - empresa especializada em tecnologia e soluções para o tratamento de água e indústrias de alimentos e bebidas -, que promove o ESG mesmo antes de existir a sigla agora tão popular. O Grupo Sabará tem um trabalho consolidado há mais de 20 anos e conseguiu o cumprimento da meta de redução das emissões de GEE até 2030, que era de 42%, atingindo já em 2022 46% das reduções, graças ao trabalho feito especificamente com investimento em fontes limpas de energia.

É importante destacar que o Grupo Sabará foi a primeira empresa brasileira e a primeira indústria química da América Latina a aprovar uma meta de redução de emissões na iniciativa Science Based Targets initiative (SBTi). E tem aprimorado as ações, enquanto acumula crescimento exponencial do faturamento (323,7 milhões em 2022).

Além disso, por meio de sua unidade de negócio Concepta Ingredients (que fornece insumos para as indústrias alimentícia, nutracêutica, entre outras) contribui com a geração de renda para comunidades locais e a conservação indireta de áreas de vegetação natural, somando 548 mil hectares distribuídos entre os biomas brasileiros Amazônia, Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica.

O sócio presidente da empresa, Ulisses Sabará, foi nomeado Local SDG Pioneer durante a Conferência de Líderes do Pacto Global e, em 2020, assumiu o compromisso de ser porta-voz oficial do ODS 15, ao ingressar na Líderes com ImPacto.
Essas ações mencionadas acima têm destaques nos ODS 6 (Água Potável e Saneamento), ODS 13 (Ação contra a Mudança Global do Clima) e ODS 15 (Vida Terrestre). O Grupo Sabará, que possui departamento de ESG estruturado e sempre atento às decisões que impactam o mundo, estará na COP28, em Dubai, em busca de contribuir com as discussões e acompanhar o desenrolar das decisões dos principais líderes mundiais, empresas e sociedade civíl sobre as soluções efetivas contra as alterações climáticas e valorização da natureza.

Este momento é crucial, ao considerarmos o futuro do nosso planeta e de suas comunidades. E a integração de justiça social nas discussões sobre clima, biodiversidade e desenvolvimento econômico é não apenas uma escolha sábia, mas um compromisso essencial.

*Giovanna Cappellano é Engenheira Ambiental e Coordenadora de ESG do Grupo Sabará
 

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp