07/06/2016 às 14h00min - Atualizada em 07/06/2016 às 16h44min

Coalizão entre empresas da área de comunicação científica protege pesquisadores contra publicações predatórias e práticas irresponsáveis

Donald Samulack, presidente de operações da Editage, lidera as ações de desenvolvimento da aliança que pretende, por meio de ações colaborativas, antecipar efetivamente as práticas que prejudicam a confiança no processo de publicação

Ana Carolina Jones

Donald Samulack, PhD, presidente de operações da Editage, divisão da Cactus Communications, que lidera as ações de desenvolvimento da CRPR - The Coalition for Responsible Publication Resources, anunciou durante o encontro do Conselho de Editores Científicos (Council of Science Editors), em Denver (EUA), a colaboração substancial e financeira de cinco empresas: Atlantis Press, Cabell´s International, Canadian Science Publishing, Editage/Cactus Comunications e Wolters Kluwer. Essas organizações uniram-se para a criação de um fundo administrado pela Editage para iniciar a implementação de uma infraestrutura administrativa e de tecnologias web e de software em prol do desenvolvimento da CRPR.  Atualmente Membros Fundadores Provisórios, as cinco empresas serão renomeadas até o final do ano como Membros Fundadores, assim que a aliança transformar-se uma entidade independente e autorreguladora sem fins lucrativos, nos Estados Unidos.

 

Com isso, a CRPR, coalizão que preza pela publicação responsável de artigos científicos, avança mais um passo em direção à missão de preservar a integridade da literatura acadêmica pelo compartilhamento de casos irresponsáveis e práticas predatórias.  A organização tem como objetivo assegurar a transparência, a descoberta e a prestação de contas dos serviços de publicações responsáveis às normas, diretrizes e melhores práticas. Desta forma, os autores acadêmicos podem informar-se melhor para tomar decisões quando procurarem por serviços e quando seus trabalhos acadêmicos forem publicados. Além disso, a CRPR tem como meta facilitar a comunicação e a colaboração entre universidades, sociedades acadêmicas, editores, revistas acadêmicas, serviços de publicação, farmacêuticos, financiadores e instituições governamentais em âmbito mundial.

 

“A necessidade de contar com uma aliança como esta é muito clara para nós da Editage na medida em que passamos a observar a contínua quebra de confiança na literatura acadêmica ao longo dos anos, como resultado da alta divulgação de artigos predatórios, irresponsáveis ou fraudados por indivíduos e práticas comerciais corruptas”, afirmou o Doutor Samulack, expressando sua gratidão pelo apoio da indústria. “Como uma empresa que atua neste segmento, discutimos a séria necessidade de abordar essas questões de forma coletiva e colaborativa, mas ainda temos dificuldades em antecipar de modo efetivo as práticas que prejudicam a confiança no processo de publicação. Unindo-nos em uma aliança, seremos capazes de construir uma infraestrutura para identificar essas práticas corruptas já no começo do processo e, assim, instruir os autores para que eles possam identificar os recursos para publicação que agem de forma responsável e ética em seu nome e em nome da longevidade e integridade da literatura acadêmica”.

 

Atualmente, práticas irresponsáveis e, em alguns casos, predatórias, podem ser identificadas em quase todas as fases do processo de publicação. Desde o desenvolvimento inicial de um manuscrito acadêmico, atribuição de autoria, solicitação de submissão com promessas de publicação e no processo de revisão por pares, até a apresentação fraudulenta de conselhos editoriais de alguns periódicos, bem como a usurpação de periódicos, métricas e serviços de autor.

 

Zeger Karssen, Diretor da Atlantis Press, afirmou que “com o alcance global das publicações científicas, e o crescimento constante de editoras e serviços para autores, para manter a confiança no que é publicado, faz-se necessário adotar um caminho claro para as condutas profissionais responsáveis”.

 

Lacey Earle, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios da Cabell´s Internacional acrescentou: “estamos animados com a oportunidade de apoiar as iniciativas da aliança. Através dessa colaboração, esperamos atingir nosso objetivo mútuo de servir a comunidade acadêmica e proteger a integridade global da pesquisa”.

 

Suzanne Kettley, diretora executiva da Canadian Science Publishing comentou que as “organizações predatórias existem há alguns anos, mas recentemente, tornaram-se mais difíceis de serem identificadas, até mesmo por nós que trabalhamos neste segmento, pois seus métodos fraudulentos têm ficado cada vez mais sofisticados. Os esforços de toda a indústria, como este da CRPR, são necessários para assegurar que pesquisadores tenham uma comunicação de confiança com o sistema, por essa razão ficamos satisfeitos em apoiar essa iniciativa”.

 

“O aumento de atividades predatórias em publicações acadêmicas tornou cada vez mais difícil para os autores em todo mundo identificar e trazer recursos de confiança para seus trabalhos. Estamos satisfeitos em ver o desenvolvimento da aliança e apoiamos totalmente sua missão de manter a integridade de trabalhos acadêmicos”, comemorou Jayne Marks, vice-presidente de publicações globais, educação na saúde, pesquisa e prática da Wolters Kluwer.

 

A Aliança pretende aprimorar e encorajar o desenvolvimento de recursos, estratégias e ferramentas, não apenas para ajudar autores a identificar práticas de publicações responsáveis, mas também como um recurso para a própria indústria na defesa e manutenção de normas, orientações e melhores práticas, assim como para prover serviços à comunidade acadêmica. Para integrar a aliança é preciso fazer parte da indústria de publicações acadêmicas. 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »