18/09/2023 às 15h59min - Atualizada em 19/09/2023 às 00h02min

Origem da insônia em mulheres com insuficiência ovariana pode envolver fatores genéticos, diz estudo brasileiro

Pesquisa do Instituto do Sono sobre o tema foi publicada este ano na revista Climateric, órgão oficial da Sociedade Internacional de Menopausa, com sede no Reino Unido.

Nora Ferreira
www.institutodosono.com
Divulgação
A insuficiência ovariana acomete mulheres com menos de 40 anos, que apresentam perda da produção regular de hormônios e liberação de óvulos. Também conhecida por menopausa precoce, pode levar à infertilidade, secura vaginal e sono disfuncional. Em estudo1 publicado na revista Climateric, órgão oficial da Sociedade Internacional de Menopausa, com sede no Reino Unido, pesquisadores do Instituto do Sono mostraram que fatores genéticos podem estar envolvidos na origem da insônia associada à menopausa precoce. 

Para chegar a esta conclusão, os pesquisadores usaram métodos in silico de análises de dados genéticos, ou seja, ferramentas computacionais para investigar alterações nos genes. A partir de uma lista dos genes que envolvem a insônia e a insuficiência ovariana, eles constataram que os genes associados a essa comorbidade se sobrepõem mais do que o esperado ao acaso, confirmando uma justaposição do perfil genético desses 2 traços. Em seguida, analisaram os processos biológicos que estão associados a esses genes sobrepostos. “E descobrimos que eles integram processos biológicos já identificados como relevantes para a etiologia dessas duas manifestações”, explica a geneticista da AFIP Mariana Moysés Oliveira, que encabeça o estudo. Assim ficou demonstrado que, por trás dessa comorbidade, pode haver um fator genético.
Os pesquisadores acreditam que o estudo tem o potencial de levar à identificação de novas intervenções farmacológicas e terapêuticas para tratar ou aliviar os sintomas que as mulheres com menopausa precoce e insônia apresentam. Além de Mariana Moyses Oliveira, outros 5 profissionais do Instituto do Sono participaram da pesquisa: Sergio Tufik (Presidente da instituição), Monica Andersen (Diretora de Ensino e Pesquisa) e Helena Hachul (médica ginecologista especialista no tema “sono na mulher”), além das pesquisadoras Adriana Scaff e Luana Adami. 

Insônia em mulheres
A insônia se caracteriza pela dificuldade de o indivíduo iniciar ou manter o sono ou acordar de maneira precoce pela manhã. É considerada doença quando ocorre 3 vezes por semana por 3 meses, acarretando sonolência e cansaço durante o dia. Mais prevalente em mulheres do que em homens, tem alta associação com a falência ovariana, porque ocorre mais em mulheres na menopausa.

Há exatos 20 anos, a médica ginecologista Helena Hachul, pioneira nos estudos sobre o sono na população feminina, publicou uma pesquisa2 demonstrando que a insônia acomete 60% das mulheres na menopausa. O estudo Genetic factors underlying insomnia and ovarian insufficiency, publicado na revista Climateric, nasceu desta e de outras pesquisas sobre insônia e menopausa realizadas por profissionais do Instituto do Sono, sob coordenação desta médica.

 “Sabemos que a insuficiência ovariana e a insônia têm origens multifatoriais, podendo se manifestar em decorrência da interação entre fatores ambientais e genéticos”, explica Mariana Moysés Oliveira. Para entender melhor como os fatores genéticos contribuem para a associação entre essas comorbidades, os pesquisadores do Instituto do Sono realizaram este estudo, que pode no futuro abrir boas perspectivas para as mulheres com essas manifestações.
Referências
  1. Moysés-Oliveira M., A. M. C. Scaff, L. N. G. Adami, H. Hachul, M. L. Andersen & S. Tufik. Genetic factors underlying insomnia and ovarian insufficiency.Climateric. 2023 International Menopause Society. https://doi.org/10.1080/13697137.2023.2205580
  2. Hachul H., Prevalência de distúrbios do sono na pós-menopausa. Rev Bras Ginecol Obstet 2005; 27(12):731-736.

Sobre o Instituto do Sono
O Instituto do Sono é um centro de referência mundial em pesquisa, diagnóstico e tratamento em distúrbios de sono. Fundado em 1992 pelo Professor Sergio Tufik, é formado atualmente por mais de 100 colaboradores, entre eles médicos de diversas especialidades, técnicos, psicólogos, biólogos, biomédicos, dentistas, assistentes sociais, enfermeiras, fisioterapeutas, educadores físicos e pesquisadores. Além do atendimento à população, conta com uma área de educação continuada que já capacitou mais de 4.000 profissionais de saúde. www.institutodosono.com
O Instituto do Sono faz parte da AFIP (Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa), uma instituição privada, sem fins lucrativos e filantrópica, fundada por profissionais da área da saúde, professores universitários e pesquisadores há mais de 40 anos. Seu objetivo é fornecer suporte financeiro para atividades de docência, pesquisa científica e atendimento médico à população. www.afip.com.br
 

Este conteúdo foi distribuído pela plataforma SALA DA NOTÍCIA e elaborado/criado pelo Assessor(a):
U | U
U


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp