19/07/2023 às 14h51min - Atualizada em 20/07/2023 às 00h05min

Jô Freitas lança em 22/07, sábado, a partir das 16h, na Ação Educativa, o Livro de contos “Goela Seca”

Participações de Mel Duarte, Taisson Ziggy, Semayat Oliveira, Luz Ribeiro e Nina Oliveira

Adriana Monteiro/Ofíciodasletras
Fotos de Dani Sousa
Jô Freitas lança em 22/07, sábado, a partir das 16h, na Ação Educativa, o Livro de contos “Goela Seca”

Participações de Mel Duarte, Taisson Ziggy, Semayat Oliveira, Luz Ribeiro e Nina Oliveira

Jô realizou diversos projetos literários fora do Brasil, como Equador, Peru, Moçambique e África do sul. Foi premiada pelo Troféu Baobá de literatura 2021,” Fade to Black de melhor atuação 2020 e Suburbano Convicto na categoria “Poeta da Periferia 2019.


Artista cenopoeta, Jô Freitas lança seu primeiro livro de contos, dia 22 de julho, às 16h, na Ação Educativa, no bairro de Vila Buarque, no centro de São Paulo, com várias participações de artistas e escritores.  (Rua Gen. Jardim, 660 – confira abaixo)
Primeira incursão nesse gênero literário, o livro “Goela Seca” traz ao leitor uma personagem central em três momentos distintos: A infância (representada por um Baobá), A juventude, em que está mais jovem deixando as bonecas, já com as querências de mulher, e a terceira a que a autora chama “A de curar sonhos ruins”.
Os contos se passam na periferia e no Nordeste do país. O prefácio homônimo ao livro é de Semayat Oliveira, diretora de conteúdo do “Nós mulheres da Periferia”.
A escrita de Jô tem na busca da identidade o principal alicerce e no questionamento das narrativas eurocêntricas como ferramenta de reivindicação do lugar de fala da cultura preta. Jô Freitas é poeta faz 10 anos (ou como prefere dizer escreve poesias), e idealizadora do Sarau Pretas Peri. É artista nordestina adotada por são Paulo há quase três décadas, se denomina cenopoeta, por vir do teatro, da poesia e da dança, seu trabalho poético está neste universo “performático” sendo um grande diferencial na cena cultural poética. A arte de Jô fala essencialmente da mulher, negra, nordestina, periférica.
Realizou um projeto poético fora do brasil em 2017 num povoado chamado Pucusana em Lima/Peru, o "Mulheres em Travessia", composição de poemas para histórias de mulheres migrantes, feito em duas edições, na periferia de São Paulo e Povoado de Pescadoras no Peru. Finalista do Slam nacional em dupla- região sudeste.
Idealizadora do projeto “Poesia de Bagagem” e oferece oficina de cenopoesia- Uma construção poética em diversos espaços.
Em 2020, foi palestrante do TEDX Campinas 2020, aonde contou sua história na escrita poética e divulgou suas publicações literárias como Flores; As Áfricas dentro de mim (2021); Ser Prazeres - Transbordações eróticas de mulheres negras (2021); Clarice e as Mulheres (2020); Narrativas Pretas; Sarau das Pretas (2020); Slam Rachão Poético (2019); Slam Nacional em Dupla (2018); e Sarau do Peixe (2015). Como poeta convidada brasileira participou em 2019 do Festival de Poesia Poetas D´Alma, em Moçambique; participou também do Festival Estéticas das Periferias em 2020 e 2021; e do Programa Arena da Palavra, polo Cultural do Programa “Segue o Fio “, no canal TVT, em 2020.

“ Temos um sistema embranquecido que apaga a nossa história”

Por acreditar que a rua é o espaço mais democrático da arte, é para lá que Jô leva seu trabalho. Em 2014, por iniciativa própria, começou a organizar apresentações de teatro em um terreno baldio na sua vizinhança no Itaim Paulista, na zona leste de São Paulo. O projeto encontrou apoio em outras mulheres artistas, que se uniram a Jô para fundar o Sarau Pretas Peri, grupo de mulheres negras e periféricas que cria intervenções poéticas naquela região. Além de ter sido coordenadora e integrante do grupo, Jô foi até o ano passado poeta residente do Sarau das Pretas, cuja proposta de resistência com arte de rua é similar à do Pretas Peri. “Pra mim, fazer parte desses coletivos me fortalece e me diz que estou no caminho certo”.

É possível conferir seu trabalho poético, em vídeos poemas, linguagem muito utilizada em seu trabalho. A voz da poeta ecoa com seus poemas que fala das dores, amores e lutas.

Evento de Lançamento – Participações
16h: Recepção do público. Mestre de Cerimônia, Mel Duarte.
16h20: Abertura musical de Taisson Ziggy
17h às 18h: Bate-papo com convidados, Semayat Oliveira e Luz Ribeiro
18h às 19h: Fala de Jô sobre o livro, fala de toda equipe.
Brinde Champanhe e assinatura dos livros
19h as 19h30: Pocketshow de Nina Oliveira
19h30: Coffeebreak
19h30 às 20h30: Taisson Ziggy

Serviço
Lançamento do livro de Jô Freitas, Goela Seca.
Início às 16h
Na Ação Educativa
Rua Gen. Jardim, 660 - Vila Buarque, São Paulo - SP, 01223-010
Grátis






 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp